Abordagens Conceituais Contemporâneas na Geomorfologia Fluvial

Mônica dos Santos Marçal, Raphael Nunes de Souza Lima

Resumo


A geomorfologia fluvial contemporânea se depara com questões desafiadoras, sobretudo, porque passa pela compreensão do período Holoceno Tardio/Antropoceno, que tem reflexos hoje e são intrinsecamente importantes para apreensão do impacto humano nos rios. Em razão das escalas em que operam as variáveis físicas em sistemas fluviais complexos, dois caminhos conceituais desenvolveram-se para analisar sua organização espacial e temporal. A visão de rede enfatizando controles na escala do sistema e a visão de trechos focando na descontinuidade e nos controles locais. A geomorfologia fluvial tem buscado compreender a organização dos sistemas fluviais complexos a partir da leitura integrada do paradigma da continuidade e descontinuidade. A visão integrada tem estimulado, no âmbito da geomorfologia, o surgimento de novos instrumentos teórico-metodológicos. Destaca-se a importância da integração das visões de rede e trechos na análise da organização de sistemas fluviais. O manejo dos rios e a gestão de bacias são processos contínuos que se referem tanto a um movimento sociocultural e modo de vida como um exercício técnico e científico.


Palavras-chave


Sistemas Complexos; Geomorfologia Fluvial; Organização Espacial; Escala Temporal; Gestão de Rios.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2016.5236

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Mônica dos Santos Marçal, Raphael Nunes de Souza Lima

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2237-3071