A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM MATEMÁTICA: CONEXÕES INTERAÇÕES ENTRE BRASIL E PORTUGAL/ MATHEMATICS TEACHERS TRAINING: CONNECTIONS BETWEEN BRAZIL AND PORTUGAL

Januária Araújo Bertani

Resumo


Este artigo objetiva tecer um estudo histórico comparativo da formação de professores entre Bahia e Portugal, propondo compreender a herança deixada nos documentos oficiais, nas publicações e nos registros dos futuros professores e professores formadores, propiciando uma interpretação comparativa de como foi sendo produzida esta formação. Nosso entendimento é que a comparação entre Bahia e Portugal é uma possibilidade para contrapor a ideia de trabalhar a história da formação de professores de forma isolada, como se fossem entidades limitadas e fechadas. No decorrer deste artigo encontraremos aproximações e distanciamentos na formação do professor entre os dois países. Nesta história encontramos instituições responsáveis pelo “preparo”, como diziam na época, dos futuros professores do ensino secundário: a Faculdade de Filosofia da Bahia e a Faculdade de Letras de Portugal.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, I. A. Boletim de Educação e Saúde. Secretaria de Educação. Bahia Gráfica, v. 2, n. 1, jun. 1941. p. 89. Biblioteca da Faculdade de Educação (FACED/ UFBa).

ALMEIDA, I. Missão Nacional e Humana da Faculdade de Filosofia. Revista da Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia, Salvador, 1952.

ALMEIDA, I. Discurso para a turma de bacharéis da Faculdade em 1943. Salvador: Arquivo de Memória do Curso de História -- Campus Universitário de São Lázaro (UFBa), 1943.

ALMEIDA, I. Discurso da Formatura do Colégio São José, 10 dez. 1940.

ALMEIDA, I. Pontos de Vista sobre o Ensino Secundário Brasileiro. Arquivo da Universidade da Bahia -- Faculdade de Filosofia, 1953. Salvador: Arquivo de Memória do Curso de História -- Campus Universitário de São Lázaro (UFBA), 1953. v. II

BENEVIDES, M. V. M. 1964: um golpe de classe? (Sobre um livro de René Dreifuss). Lua Nova, São Paulo, n. 58, 2003.

BRASIL, Diário Oficial, 23 abr. 1946, Ministro da Educação e Saúde.

CARAÇA, B. J. Lições de Álgebra e Análise. v. 1. 2. ed. Lisboa: Fundação Assuramaia, 1945.

CARAÇA, B. J. A Matemática na vida dos homens. Conferências e outros escritos. Lisboa: Faculdade de Ciências de Lisboa, 1978.

CARVALHO, R. O “Saber” e o “Compreender”. Revista dos Estudantes da Faculdade de Ciência de Lisboa, Ano II, 1949.

CARVALHO, R. História do Ensino em Portugal, desde a fundação da nacionalidade até ao fim do regime de Salazar-Caetano. Lisboa: Fundação C. Gulbenkian, 1996.

CERQUEIRA. A. L. P. Considerações sobre o Cálculo Infinitesimal. Cultura. Centro de Estudos dos Alunos da Faculdade de Filosofia da Bahia, n. 1, 1945.

COELHO, J. G. P. Discurso proferido pelo reitor. Anuário da Universidade de Lisboa, 1949-1950.

DANTAS, M. M. S. Formação Científica e Pedagógica do Professor. In: CONGRESSO NACIONAL DE ENSINO DE MATEMÁTICA, 2., Porto Alegre, 1957. Anais... Porto Alegre: CADES/MEC, 1959.

DIAS, A. L. M. Engenheiros, Mulheres, Matemáticos: interesses e disputas na profissionalização da matemática na Bahia (1896-1968). São Paulo, 2002. 320f. Tese (Doutorado em História Social) -- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

DIAS, A. L. M. A universidade e a modernização conservadora na Bahia: Edgard Santos, o Instituto de Matemática e Física e a Petrobrás. Revista da SBHC, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 125-145, jul./dez. 2005.

DIAS, A. L. M. Profissionalização dos professores de matemática na Bahia: as contribuições de Isaías Alves e Martha Dantas. Publicatio UEPG, Ponta Grossa, v. 16, n. 2, 2008.

DRAIBER, S. M. As políticas sociais do Regime Militar Brasileiro: 1964-84. In: SOARES, Gláucio Ary Dillon; D´ARAUJO, Maria Celina (Org.). 21 anos de regime militar: balanços e perspectivas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1994.

FACULDADE DE FILOSOFIA (Universidade da Bahia). Decreto-Lei Federal nº 9.155, cria a Universidade da Bahia e dá outras providências, 8 de abril de 1946. Diário Oficial, 8 abr. 1946, Arquivo de Memória do Curso de História -- Campus Universitário de São Lázaro (UFBa).

FALCON, F. J. C. História Cultural e História da Educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, mai./ago. 2006.

FOUCHÉ, A. A pedagogia das Matemáticas. Trad. Luís Magalhães de Araújo e Antônio Sales Campos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957.

FREIDSON, E. O renascimento do profissionalismo: teoria, profecia e política. São Paulo: USP, 1998.

FREIDSON, E. Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formal. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, n. 31, jun. 1996.

GIL, J. M. Relatório de Estágio. Liceu Normal D. João III, Coimbra, 1952-1953.

HART, N. Fuga à Matemática. Cultura. Centro de Estudos dos Alunos da Faculdade de Filosofia da Bahia, n. 1, 1945.

JESUS, A. V. Univocidade da Verdade. Cultura. Centro de Estudos dos Alunos da Faculdade de Filosofia da Bahia, n. 1, 1945.

MACHADO, F. Elogio do Liceu. Labor, Fortaleza, n. 107, 1940.

MARAFON, A. C. M. Vocação matemática como reconhecimento acadêmico. Campinas, 2001. Tese (Doutorado) -- Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2001. Orientadora: Maria do Carmo Domite Mendonça.

NÓVOA, A. A Educação Nacional (1930-1960). In: ROSAS, Fernando (Coord.). Portugal e o Estado Novo (1930-1960). Lisboa: Presença, 1990.

O CONSERVADOR, 10 de agosto de 1941.

PEREIRA NETO, A. F. A profissão médica em questão: dimensão histórica e sociológica. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 600-615, out./dez, 1995.

PEREIRA, D. J. R. História do Movimento democrático que criou a Sociedade Brasileira de Educação Matemática -- SBEM. Campinas, 2005. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

PIMENTA, J. A. Araújo. O Número Ï€. Cultura. Centro de Estudos dos Alunos da Faculdade de Filosofia da Bahia, n. 1, 1945.

PORTUGAL. Constituição, 11 de Abril de 1933.

PURDY, Sean. A história comparada e o desafio da transnacionalidade. Revista de História Comparada, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 64-84, 2012.

RAYNAL, M. J. A Formação Didática de Nosso Licenciado. Arquivo da Universidade da Bahia, Salvador, v. 0, n. 6, 1957-1958.

ROCHA, N. O éter e a Teoria da Relatividade (tradução de um texto de Albert Einstein). Cultura. Centro de Estudos dos Alunos da Faculdade de Filosofia da Bahia, n.1, 1945.

ROSAS, F. O salazarismo e o homem novo: ensaio sobre o Estado Novo e a questão do totalitarismo. Análise Social, v. XXXV, n. 157, 2001.

ROXO, E. A Matemática na Escola Secundária. São Paula: Companhia Editora Nacional, 1937.

SANTOS, M. E. B.; FONSECA, T. Entrevista a Eduardo Veloso. Revista Noesis, Lisboa, n. 69, abr./jun., 2007.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE. Boletim de Educação e Saúde. Bahia: Bahia, v. II, 1941. p. 89. Biblioteca da Faculdade de Educação (FACED/ UFBa).

SILVA, J. S. Sobre o Ensino da Matemática na Alemanha. Revista Gazeta da Matemática, Lisboa, n. 55, p. 8-13, 1953.

SILVA, J. S. Textos Didácticos, v. III. Lisboa: Fundação CalousteGulbenkian, s/d.

SOUZA, M. Aspectos Pedagógicos. Revista dos Estudantes da Faculdade de Ciência de Lisboa, Lisboa, n. 18. 1960.

TINAUT, Z. M. J. Será que a todos interessa? Cultura. Centro de Estudos dos Alunos da Faculdade de Filosofia da Bahia, n. 1, 1945.

TOLEDO, M. R. A; REVAH, D. A indústria cultural e a política educacional do regime militar: o caso da revista Escola. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 30, n. 60, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista de História Comparada



A Revista de História Comparada é um periódico do PPGHC/UFRJ.

http://www.ppghc.historia.ufrj.br/index.php/destaque/publicacoes/revista-de-historia-comparada

ISSN 1981-383X

Revista indexada no DialNet, Latindex e REDIB.