Escrita, Poder e Utopia em Pepetela

Carolina Bezerra Machado

Resumo


O presente artigo tem como objetivo partir das diferenças e contradições que fizeram parte da trajetória intelectual do escritor angolano Pepetela para compreender as suas representações sobre a sociedade angolana no pós independência, partir da chave da utopia e desilusão. Todavia, compreende-se que de diferentes formas o escritor revela realidades complexas e múltiplas que contribuem para ressignificar conceitos e afirmar posições políticas, influenciando diretamente o nosso olhar para a sociedade angolana.


Palavras-chave


Pepetela, Angola, Literatura, utopia, poder

Texto completo:

PDF

Referências


PEPETELA. Mayombe. São Paulo: Leya, 2013.

PEPETELA. Se o Passado não tivesse asas. Lisboa: Leya, 2016.

PEPETELA. Sua excelência de corpo presente. Portugal: Dom Quixote, 2018.

PEPETELA. Desejo de Kianda. São Paulo: Leya, 1995.

PEPETELA. Geração da Utopia. São Paulo: Leya, 2013.

PEPETELA. Predadores. Rio de Janeiro: Lingua Geral, 2008.

PEPETELA. O Cão e os Caluandas. Portugal: Dom Quixote, 2006.

PEPETELA. Crônicas maldispostas. Lisboa: Leya, 2015.

CARVALHO, Silvio. Predadores: A escrita de si como subtexto da escrita do outro. Trabalho apresentado na 28ª. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 02 e 05 de julho de 2012, em São Paulo, SP, Brasil.

CHAVES, Rita. Pepetela: Romance e Utopia na História de Angola. Via Atlântica nº2. Jul. 1999. São Paulo: USP.

BAYART, Jean François. El estado em África: La política del vientre. Bellaterra: 1999.

BERSTEIN, Serge. A cultura política. In.: SIRINELLI, Jean François e RIOUX, Jean Pierre. Para uma história cultural. Lisboa: editorial Estampa, 1998.

CHABAL. Las políticas de violência. In: Revista Académica de Relaciones Internacionales, Núm. 6 Abril de 2007.

CASTRO, Fernanda. Entrevista a Pepetela. Navegações, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 209-213, jul.-dez. 2014.

CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. A identidade literária na literatura angolana (1975-1985). In.: Caderno CESPUQ de pesquisa, Belo Horizonte, nº5, p.68-77, abril,1999.

FREITAS, Almir de. Pepetela, passado, futuro. In.: Revista Bravo, 20 de setembro de 2016.

JULIA, Santos. “Por la autonomia de la história. Claves de razón prática”, 207 [Consultado: 01/07/2013] http://www.essayandscience.com/upload/ficheros/noticias/201105/julia_2_2.pdf

MEMENTO - Revista de Linguagem, Cultura e Discurso Mestrado em Letras - UNINCOR - ISSN 1807-9717 V. 07, N. 2 (julho-dezembro de 2016)

MATA, Inocência. Ficção e História na Literatura Angolana. Op. Cit. 1993.

MOTA, Denise. “independência e Justiça”, Raça Brasil, nº97, São Paulo. APUD.: CHAVES, Rita MACEDO, Tãnia. (Orgs). Portanto...Pepetela. São Paulo: Atêlie editorial, 2009. p. 37.

MATTOS, Tatiane Reghini. As vozes narrativas de Pepetela: A Geração da Utopia e Predadores. Dissertação apresentada ao Programa de Estudos Comparados de Literaturas de Língua portuguesa da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. São Paulo:2013.

MARTINS, Aulus Mandagará. Sátira, Utopia e Distopia em o Cão e os Caluandas de Pepetela. In.: Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC - Tessituras, Interações, Convergências. São Paulo: 13 a 17 de julho de 2008.

MABEKO-TALI. Dissidências e poder de Estado. O MPLA perante si próprio. (1962-1977), V.2. Luanda:Nzila. 2001.

OLIVEIRA, Ricardo Soares. Magnífica e Miserável. Angola desde a Guerra Civil. Lisboa: Tinta da China, 2015.

SERRANO, Carlos. O Romance como documento social: o caso de Mayombe. In.: Via atlântica. Nº 3, dez. 1999.

PADILHA, Laura. Entre voz e Letra, o lugar da ancestralidade angolana do século XX. Rio de Janeiro: Editora Pallas/ Eduff, 2007.

RICOUER, P. Apud.: REIS, José Carlos. O entrecruzamento entre narrativa histórica e narrativa de ficção. In.: O desafio historiográfico. Rio de Janeiro: FGV de bolso, 2010.

SALGADO, Maria Teresa. O Cão e os Caluandas: o Texto, o Leitor e o Mundo. In.: CHAVES, Rita. MACEDO, Tãnia. (Orgs). Portanto...Pepetela. São Paulo: Atêlie editorial, 2009. P. 272.

SARLO, Beatriz. Tempo Passado. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. (org.) História, memória, literatura: O testemunho na era das catástrofes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003.

TRAVERSO, Enzo. O Passado. Modos de Usar. Lisboa: Edições Unipop, 2012.

VIDAL, Nuno. Multipartidarismo em Angola. In: VIDAl, Nuno e ANDRADE, Justino Pinto. (orgs). O Processo de Transição para o Multipartidarismo em angola. Luanda: Firmamento, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 AbeÁfrica: Revista da Associação Brasileira de Estudos Africanos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

AbeÁfrica: revista da associação brasileira de estudos africanos, ISSN 2596-0873

 

Indexadores: