CORPO E AUTOEXPERIMENTAÇÃO: UMA LEITURA DA ARTCHARNELDE ORLAN A PARTIR DO PENSAMENTO PÓS-FEMINISTA DE PAUL B. PRECIADO / Body and self-experimentation: a reading of ORLAN's artcharnel from Paul B. Preciado's post-feminist thinking

Rejane Lopes Rodrigues

Resumo


A partir da década de 1960 teve início na Europa e nos EUA um novo movimento artístico conhecido como arte performativa. ORLAN, artista plástica francesa, insere-se neste movimento através de obras que incluem intervenções cirúrgicas em seu próprio corpo com o objetivo de questionar o status do corpo feminino na sociedade ocidental contemporânea. Diante disso, propomos no presente artigo, uma análise do seu trabalho a partir das considerações teóricas do filósofo e escritor transgênero Paul B. Preciado.

Palavras-chave: Arte performativa; ORLAN; Gênero; Feminismo; Paul. B. Preciado.

Abstract

From the 1960s, a new artistic movement known as performative art began in Europe and the USA. ORLAN, a French artist, is part of this movement through works that include surgical interventions on her own body in order to question the status of the female body in contemporary Western society. Therefore, in this article, we propose an analysis of his work based on the theoretical considerations of the transgender philosopher and writer Paul B. Preciado.

Keywords: Performative art; ORLAN; Genre; Feminism; Paul B. Preciado.



Texto completo:

PDF

Referências


BOURCIER, M., 2014. ‘Prefácio’. In. PRECIADO, B. Manifesto contrassexual, São Paulo, n-1 edições.

FARIAS, F. R. de; BARBOSA, C. M., 2012. Memórias na carne, Curitiba, CRV.

GONZAGA, R. M.,2012. ‘O corpo como rascunho: ORLAN, o verbo feito carne feito imagem feita verbo’. In. Congresso Internacional da Associação de Pesquisadores em Crítica Genética, X Edição, pp. 798-807. Disponível em: < http://www.anpap.org.br/anais/2011/pdf/cpa/ricardo_mauricio_gonzaga.pdf>. Acesso em: 19 Nov. 2017.

HEUZE, S., 2000.Changer le corps? Paris, Éditions La Musardine.

ORLAN, 1997.De l’art charnel aubaiser de l’artiste, Paris, Éditions Jean-Michel Place.

PRECIADO, B., 2014.Manifesto contrassexual, São Paulo, n-1 edições.

PRECIADO, B. P., 2018. Testo Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica, São Paulo, N-1 edições.

SMITH, R., 2000.‘Arte conceitual’. In. STANGOS, N. Conceitos da arte moderna: com 123 ilustrações, Rio de Janeiro, Jorge Zahar.




DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n39.8

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 
 Revista arte e ensaios

e-ISSN: 2448-3