O IMPOSSÍVEL DIZER DE LEILA DANZIGER: (DES)ESCRITA, APORIA E ESPANTO / The impossible saying of Leila Danziger: (dis)writing, aporia and amazement

Thiago Grisolia Fernandes

Resumo


Este artigo lança um olhar sobre a noção de apagamento na obra da artista e poeta Leila Danziger, a partir do procedimento de arrancar a camada mais superficial de folhas de jornal, presente em vários de seus trabalhos. Pensando sua produção plástica e poética a partir deste mesmo procedimento, desdobramos conceitos como os de aporia, testemunho e desescrita, recorrendo a pensadores como Jean-Luc Nancy, Paul Celan e Jacques Derrida, contribuindo para a construção de um campo ampliado da poesia.

Palavras-chave: Leila Danziger; Apagamento; Aporia.

Abstract

This article takes a look at the notion of erasure in the work of the artist and poet Leila Danziger, based on the procedure of removing the most superficial layer of newspaper sheets, present in several of her works. Thinking about his plastic and poetic production based on this same procedure, we unfold concepts such as aporia, testimony and diswriting, using thinkers like Márcio Seligmann-Silva, Jean-Luc Nancy, Paul Celan and Jacques Derrida, contributing to the construction of an expanded field of poetry.

Keywords: Leila Danziger; Erasure; Aporia.

 


 


Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Variações sobre a escrita. In: BARTHES, Roland. O prazer do texto precedido de Variações sobre a escrita. Lisboa: Edições 70, 2009.

CELAN, Paul. A morte é uma flor: poemas do espólio. Tradução de João Barrento. Lisboa: Ed. Cotovia, 1998.

COSTA, Luiz Cláudio da. A melancolia na arte: um artefato da vida pública. In: DANZIGER, Leila. Todos os nomes da melancolia. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012.

DANZIGER, Leila. Ano novo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

DANZIGER, Leila. Diários Públicos: sobre memória e mídia. Rio de Janeiro: Contracapa/FAPERJ, 2013.

DANZIGER, Leila. “O artista por ele mesmo: entrevista com Leila Danziger”. Site da Editora Subversos, publicado em 27/11/2012. Disponível em: http://subversos.com.br/o-artista-por-ele-mesmo-entrevista-com-leila-danziger/, acesso em 24/07/2019.

DANZIGER, Leila. Três ensaios de fala. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

DERRIDA, Jacques. Edmond Jabès e a Questão do Livro. In: DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 2002.

DERRIDA, Jacques. Uma certa possibilidade impossível de dizer o acontecimento. Revista Cerrados, v. 21, n. 33, 3 set. 2012.

NANCY, Jean-Luc. Fazer, a poesia. Tradução de Letícia Della Giacoma de França, Janaína Ravagnoni e Maurício Mendonça Cardozo. Revista ALEA. Rio de Janeiro, vol. 15/2, p. 414-422, jul-dez. 2013.

PUCHEU, Alberto. Que porra é essa: poesia? Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2018.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Uma arca para a memória: Leila Danziger e a videoarte como prática de descascar o mundo. In: DANZIGER, Leila. Todos os nomes da melancolia. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012.




DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n39.4

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 
 Revista arte e ensaios

e-ISSN: 2448-3