Da loucura ao delírio como força política: Arthur Bispo do Rosário

Tania Cristina Rivera

Resumo


O artigo visa suspender o véu de romantização da figura de Arthur Bispo do Rosário como gênio louco e marginal, que tende a naturalizar sua condição como patologia e ocultar sua condição de imigrante, pobre e negro.


Texto completo:

PDF

Referências


CORPAS, Flavia. Arthur Bispo do Rosário: Do Claustro Infinito à Instalação de um Nome. Tese apresentada no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da PUCRio, 2014.

CASTELLO, José. “Quando explode a vida”. In IstoÉ, São Paulo, 31 de julho de 1985.

FREUD. Sigmund. “Notas Psicanalíticas sobre um Relato Autobiográfico de um Caso de Paranóia (Dementia Paranoides)” (1911). In Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, Rio de Janeiro: Imago, vol. XIII, 1996.

______. “O Inconsciente” (1915). In Edição Standart Brasileira das Obras Completas de S. Freud. Rio de Janeiro: Imago, vol. XIV, 1996.

MERLEAU-PONTY, Maurice. “A Dúvida de Cézanne”. In O Olho e o Espírito. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

MORAIS, Frederico. Arthur Bispo do Rosário. Arte além da Loucura (org. Flávia Corpas). Rio de Janeiro: Nau, 2013.

WANDERLEY, Lula. “Mito revela nossa culpa”. In Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 13 de mar. de 1994.




DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n37.23225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.