Caracterização Sedimentar e Tafonômica de Depósitos Bioclásticos na Reserva Tauá e Marina Búzios (Holoceno do Estado do Rio de Janeiro)

João Paulo Porto–Barros, Patrick Fuhr Dal’ Bó, Antonio Carlos Sequeira Fernandes, Leonardo Borghi

Abstract


O estudo sobre acumulações bioclásticas tem aumentado nos últimos anos, devido à sua grande fonte de informações sedimentar, tafonômica e paleoambiental. Entretanto o conhecimento sobre as características de feições associadas com ambiente meteórico em acumulações bioclásticas não é completamente compreendido. O objetivo deste estudo é o reconhecimento de feições de alteração superficial, integrando a identificação taxonômica com análises sedimentológicas e tafonômicas, que ocorrem em conchas de moluscos de depósitos holocênicos da planície costeira do estado do Rio de Janeiro. O depósito Reserva Tauá é composto por uma matriz lamosa com biotrama densa e com 54% das conchas com concavidades voltadas para baixo. A Marina Búzios é composta por uma matriz de areia com biotrama densa a frouxa e 65% das concavidades voltadas para cima. As análises tafonômicas mostraram que os depósitos possuem fracas alterações tanto físicas e químicas, entretanto o pavimento exposto da Reserva Tauá propiciou uma alteração de caráter microbiana, observado pelas microperfurações nas conchas. Apesar da bioestabilização do depósito da Reserva Tauá já ocorre há algumas centenas de anos, a evolução dos processos pedogenéticos é limitada pela proximidade com o lençol freático.

Keywords


Alteração meteórica; Tafonomia; Holoceno; Mollusca

References


Bernardes, A.P.; Figini, A.J. & Senra, M. C. E. 2007. Datação radiocarbônica

dos depósitos de moluscos da planície litorânea

de Cabo-Frio, RJ. In: CARVALHO, I.S; CASSAB, R.C.T.;

SWANKE, C.; CARVALHO, M.A.; FERNANDES, A.C.S.;

RODRIGUES, M.A.C.; CARVALHO, M.S.S.; ARAI, M. &

OLIVEIRA, M.E.Q. (Eds.), Paleontologia: Cenários da vida.

Rio de Janeiro, Editora Interciência, p.727-734.

Bernardes, A.P. 2008. Indicadores tafonômicos da malacofauna da

planície litorânea de Cabo Frio (Holoceno), RJ. Programa de

Pós-graduação em Geologia, Universidade Federal do Rio de

Janeiro, Dissertação de Mestrado, 51p.

Brito, I.A.M. & Carvalho, M.G.P. 1978. Distribuição de invertebrados

marinhos na planície costeira do rio São João, estado do Rio de

Janeiro. Anuário do Instituto de Geociências, 2: 56-70.

Castro, J.W.A.; Senra, M.C.E. & Ramos, R.R.C. 2009. Coquinas da reserva

tauá – pântano da malhada, Cabo-Frio, RJ. In: WINGE, M.;

SCHOBBENHAUS, C.; SOUZA, C.R.G; FERNANDES, A.C.S;

BERBERT-BORN, M. & QUEIROZ, E.T (eds.), Sítios Geológicos

e Paleontológicos do Brasil, Brasília, CPRM, p. 269-276.

Castro, J.W.A.; Suguio, K.; Seoane, J.C.S.; Cunha, A.M. & Dias, F.F.

Sea-level fl uctuations and coastal evolution in the state of

Rio de Janeiro, Southeastern Brazil. Anais da Academia Brasileira

de Ciências, 86: 671-683.

CBHLSJ. Comitê de Bacia Hidrográfi ca Lagos São João: Mapas das Bacias

Hidrográfi cas, Banco de dados. Bacia do rio Una e Cabo de

Búzios. Disponível em: http://www.lagossaojoao.org.br. Acessado

em dezembro 2016.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil: GEOBANK – Visualizador de

mapas GIS, Banco de dados. Disponível em: http://geowebapp.

cprm.gov.br/ViewerWEB/. Acessado em agosto de 2015

Cunha, A.M. 2012. Malacofauna das acumulações bioclásticas da planície

costeira do rio Una, Cabo Frio e Armação dos Búzios, RJ:

Identifi cação taxonômica, Geocronológica, Considerações Tafonômicas

e Paleoambientais. Programa de Pós-graduação em

Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Dissertação

de Mestrado, 82p.

Cunha, A.M. & Castro, J.W.A. 2011. Identifi cação taxonômica e parâmetros

paleoambientais da malacofauna holocênica da planície

costeira do rio Una, município de Cabo Frio, RJ. In: CONGRESSO

DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS

DO QUATERNÁRIO,13, ENCONTRO DO QUATERNÁRIO

SUL-AMERICANO,3, Armação dos Búzios, 2013, Anais, Armação

dos Búzios-Rio de Janeiro, p. 1295-1299.

Cunha, A.M.; Dias, F.F.; Fonseca, V.M. & Castro, J.W.A. 2011. Assembleia

de Moluscos da Região do Pântano do Ramalho, Cabo

Frio, RJ: Indicadores Biológicos de Variação do Nível Relativo

do Mar Durante o Holoceno. Anuário do Instituto de Geociências,

: 46-52.

Cunha, A.M.; Castro, J.W.A. & Dias, F.F.A. 2012. Importância da preservação

das acumulações bioclásticas da planície costeira do

rio Una, municípios de Cabo Frio e Armação dos Búzios, RJ,

Brasil. Anuário do Instituto de Geociências, 35: 58-67.

Davies, D.J.; Powell, E.N. & Stanton, R.J. 1989. Taphonomic signatures

as a function of environmental process: shells and shell beds in

hurricane-influenced inlet on the Texas coast. Palaeogeography,

Palaeoclimatology, Palaeoecology, 72: 317-356.

Darwin, C. 1839. Voyages of the Adventure and Beagle. London, Henry

Colburn, 615p.

Dias, F.F. 2009. Variações do nível relativo do mar na planície costeira

de Cabo Frio e Armação dos Búzios, Rio de Janeiro: Reconstrução

paleoambiental holocênica e cenários futuros. Programa

de Pós-graduação em Geologia, Universidade Federal do

Rio de Janeiro, Tese de Doutorado, 163p.

Dias Jr, O.F. 1979. A tradição Itaipu, costa central do Brasil. In: MEGGERS,

B.J. (Ed.), Pré História Sudamericana: Nuevas Pespectivas.

Washington, Taxaracun, p. 161 - 176

Figueiredo, A.M.F. 1981. Depositional Systems in the Lower Cretaceous

Morro do Chaves and Coqueiro Seco Formations, and their Relationship

to Petroleum Accumulations, Middle Rift Sequence,

Sergipe-Alagoas Basin, Brazil. The University of Texas, PhD.

Thesis, 275p.

Fürsich, F.T. & Oschmann, W. 1993. Shell beds as tools in basin analysis:

the Jurassic of Kachchh, western India. Journal of the Geological

Society, 150: 169-185.

Fujiwara, O.; Katamaki, T. & Masuda, F. 2004. Sedimentological timeaveraging

and 14C dating of marine shells. Nuclear Instruments

and Methods in Physicals Research, B 223-224: 540-544.

Holz, M. & Simões, M.G. 2002. Elementos Fundamentais de Tafonomia.

Porto Alegre, UFRGS, 231p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Geodésia

e Cartografia. CARTA DO BRASIL, folhas: SF-23-

Z-B-VI-2 (Morro de São João), segunda edição 1978 e SF-

-M-III-3 (Farol do Cabo), edição preliminar 1963. Escala:

:50.000. Disponível: em http://portaldemapas.ibge.gov.br/.

Acessado em dezembro de 2016.

Kidwell, S.M. 1991. The stratigraphy of shell concentrations. In: ALLISON,

P.A. & BRIGGS, D.E.G. (Eds.), Taphonomy: Releasing the Data

Locked in the Fossil Record. New York, Plenum Press, p. 211-290.

Kidwell, S.M.; Fursich F.T. & Aigner, T. 1986. Conceptual framework

for the analysis and classification of fossil concentrations.

Palaios, 1: 228-238.

Kidwell, S.M. & Bosence, D.W.J. 1991. Taphonomy and time-averaging

of marine shelly faunas. In: ALLISON, P.A. & BRIGGS,

D.E.G. (Eds.), Taphonomy: Releasing The Data Locked in the

Fossil Record. New York, Plenum Press, p. 115-209.

Kidwell, S.M. & Holland, S.M. 1991. Field description of coarse bioclastic

fabrics. Palaios, 6: 426-434.

Kidwell, S.M.; Rothfus, T.A. & Best, M.M.R. 2001. Sensitivity of taphonomic

signatures to sample size, sieve size, damage scoring

system, and target taxa. Palaios, 16: 26-52.

Leonel, R.M.V.; Magalhães, A.R.M. & Lunetta, J.E. 1983. Sobrevivência

de Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Mollusca: Bivalvia),

em diferentes salinidades. Boletim de Fisiologia Animal, 7: 63-72.

Mansur, D.R. 2004. Caminho dos jesuítas na região dos lagos. In: MANSUR,

D. R.; BUENO, C.; MANSUR, K. L.; SCHMITT, R.

TIELLET, S. & L. (Eds.), APA da Serra de Sapiatiba - Projeto

Conhecer para Preservar. Iguaba Grande. IPEDS - Centro de

Pesquisas Zen, p. 46.

Martin, L.; Suguio, K.; Flexor, J.M.; Dominguez, J.M.L. & Bittencourt,

A.C.S.P. 1996. Quaternary Sea-level History and Variation in

Dynamics along the Central Brazilian Coast: Consequences on

Coastal Plain Construction. Anais da Academia Brasileira de

Ciências, 68: 303-354.

Martin, L.; Suguio, K.; Dominguez, J.M.L. & Flexor, J.M. 1997. Geologia

do Quaternário Costeiro do litoral Norte do Rio de Janeiro

e do Espírito Santo. Belo Horizonte, CPRM, 112p.

Middleton, G.V. 1967. The orientation of concavo-convex particles deposited

from experimental turbidity currents. Journal of Sedimentary

Petrology, 37: 229-232.

Muniz, M.C. 2013. Tectono-Stratigraphic evolution of the Barremian-

Aptian Continental Rift Carbonates in Southern Campos Basin,

Brazil. Royal Holloway University of London, PhD. Thesis, 301 p.

Monaco, P. 2000. Biological and Physical Agents of Shell Concentrations

of Lithiotis Facies Enhanced by Microstratigraphy and

Taphonomy, Early Jurassic, Trento Arean (North Italy). Geo-

Research Forum, 6: 473-486.

Neves, J.P.; Rohn, R. & Simões, M.G. 2010. Tafonomia de Biválvios

em Calcários Oolíticos da Formação Teresina (Bacia do Paraná,

Permiano Médio, Prudentópolis, PR). Geologia USP: Série

Científica, 10: 19-36.

Neves, J.P.; Rohn, R. & Simões, M.G. 2011. Tafonomia de tempestitos conchíferos

amalgamados da Formação Teresina em Rio Preto (Estado

do Paraná, Permiano Médio, Bacia do Paraná) e suas implicações

paleoambientais. Geologia USP: Série Científica, 11: 131-147.

Noffke, N. 2011. Biostabilization. In: GARGAUD, M.; AMILS, R.;

QUINTANILLA, J.C.; CLEAVES, H.J.; IRVINE, W.M.; PINTI,

D.L. & VISO, M. (Eds.), Encyclopedia of Astrobiology.

Berlin, Springer Berlin Heidelberg, p. 1853.

Olóriz, F.; Reolid, M. & Rodríguez-Tovar, F.J. 2004. Microboring and taphonomy

in Middle Oxfordian to lowermost Kimmeridgian (Upper

Jurassic) from the Prebetic Zone (southern Iberia). Palaeogeography,

Palaeoclimatology, Palaeoecology, 212: 181-197.

Playford, P.E.; Cockbain, A.E.; Berry, P.F.; Roberts, A.P.; Haines, P.W.

& Brooke, B.P. 2013. The geology of Shark Bay: Geological

Survey of Western Australia. Perth, Bulletin, 146: 281p.

Pantazidou, A.; Louvrou, I. & Economou-Amilli, A. 2006. Euendolithic

shell-boring cyanobacteria and chlorophytes from the saline lagoon

Ahivadolimni on Milos Island, Greece. European Journal

of Phycology, 41(2):189 - 200.

Pawlowska, A.M.; Palińska, K.A. & Piekarek-Jankowska, H. 2008. Colonisation

and bioerosion of marine bivalve shells from the baltic

sea by euendolithic cyanobacteria: an experimental study.

In: WISSHAK, M. & TAPANILA, L. (Eds.), Current Developments

in Bioerosion. Berlin, Erlangen Earth Conference Series,

Springer-Verlag Berlin Heidelberg, p. 109-120.

Ponciano, L.C.M.O.; Fonseca, V.M.M. & Machado D.M.C. 2012 Taphofacies

analysis of late early Givetian fossil assemblages of the

Parnaíba Basin (State of Piauí, northeast Brazil). Palaeogeography,

Palaeoclimatology, Palaeoecology, 326–328: 95-108.

Radley, J.D. & Barker, M.J. 2000. Palaeoenvironmental significance of

storm coquinas in a Lower Cretaceous coastal lagoonal succession

(Vectis Formation, Isle of Wight, Southern England).

Geology Magazine, 137: 193-205.

Rios, E.C. 1994. Seashells of Brazil. Rio Grande, Editora da Fundação

Universidade do Rio Grande, 492p.

Rodrigues, S.C.; Simões, M.G.; Pires-Domingues, R.A. 2009. Viés Analítico

em Estudos Tafonômicos com Macroinvertebrados Implicações

(Paleo)Ambientais e (Paleo)Ecológicas. Geologia USP:

Série Científica, 9: 101-114.

Schaeffer-Novelli, Y. 1980. Análise populacional de Anomalocardia

Brasiliana (GMLEIN, 1791), na praia do saco da ribeira, Ubatuba,

Estado de São Paulo. Boletim do Instituto Oceanográfico,

: 351-355.

Schäfer, W. 1972. Ecology and Paleoecology of Marine Environments

(traduzido por Irmgard Oertel de Aktuo-paläontologie nach

Studien in der Nordsee). Chicago, The University of Chicago

Press, 568p.

Sant’ana, E.M. 1976. Estudo geomorfológico da área da Barra de São João

e Morro de São João. Revista Brasileira de Geografia, 37(3): 3-15.

Senra, M.C.E.; Silva, L.H.S.; Batista, D.S.; Assis, C.M. & Barreiro,

R.M.C. 2003. Tafonomia e paleoambientes do Pântano da Malhada-

Reserva Tauá, planície costeira de Armação dos Búzios/

Cabo-Frio (Quaternário superior), estado do Rio de Janeiro,

Brasil. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

DE ESTUDOS DO QUATERNÁRIO, 9, 2003, Livro de resumos,

Recife, p. 95.

Simões, M.G. & Kowalewski, M. 1998. Shell Beds as Paleoecological

Puzzles: a Case Study from the Upper Permiano f the Paraná

Basin, Brazil. Facies, 38: 175-196.

Simões, M.G.; Kowalewski, M.; Torello F.F.; Ghilhardi, R.P. & Mello,

L.H.C. 2000. Early onset of modern-style shell beds in

the Permian sequences of the Paraná Basin: Inplications for

the Phanerozoic trend in bioclastic accumulation. Revista

Brasileira de Geociências, 30(3): 499-503.

Tucker, M.E. & Wright, V.P. 1990. Carbonate Sedimentology. New

York, Blackwell Science, 482p.

Walker, R.G. 2006. Facies models revisited: introduction. In: POSAMENTIER,

H.W. & WALKER, R.G. (Eds.), Facies Models

Revisited. Society for Sedimentary Geology, Special Publication

, p. 1-19.

Verde, M. 2007. Bioerosão. In: CARVALHO, I.S. & FERNANDES,

A.C.S. (Eds.). Icnologia. São Paulo, Sociedade Brasileira de

Geologia, Série textos, p. 108-117.

WoRMS Editorial Board. World Register of Marine Species: Database. Disponível

em http://www.marinespecies.org. Acessado em setembro 2015.

Young, H.R & Nelson, C.S. 1988. Endolithic biodegradation of cool-water

skeletal carbonates on Scott shelf, northwestern Vancouver

Island, Canada. Sedimentary Geology, 60: 251-267.




DOI: https://doi.org/10.11137/2017_2_220_233

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.