Caracterização Física da Formação Rio Claro para Potencial Uso Industrial e na Construção Civil

João Carlos Cerqueira, Fábio Augusto Gomes Vieira Reis, Victor Hugo Hoffmann, Alan de Oliveira

Abstract


A areia é um produto mineral muito importante para a construção civil e indústria, como agregado e insumo de pisos cerâmicos, vidro e fundição. Os grandes centros urbanos são os principais consumidores de areia, o que tem ocasionado a exaustão de várias minas em suas proximidades, principalmente, na região sudeste do país, o que cria a necessidade de pesquisa de novas jazidas em localidades cada vez mais distantes. O presente trabalho apresenta o estudo desenvolvido sobre a Formação Rio Claro, que visou caracterizar tecnologicamente sua litologia e solo. A pesquisa envolveu etapas de preparação de bases cartográficas, delimitação da ocorrência da Formação Rio Claro em áreas passíveis de serem exploradas, coleta de amostras, análise das amostras pelos ensaios de peneiramento e sedimentação, índices físicos, análise em lupa e comparação com as normas existentes para uso industrial e construção civil. Foram coletadas 33 amostras em 15 diferentes pontos entre solo, arenito friável do arenito esbranquiçado e areias beneficiadas pela mineração existente na região que já explora essa formação. As análises de granulometria, índices físicos e impurezas nos grãos, demonstraram uma variação de atributos ao longo da formação, mais viável economicamente no arenito esbranquiçado situada em profundidades de 4 a 10 m, com 10 a 15 m de espessura. Em comparação aos outros materiais da formação, essa sequência apresenta cerca de 10% menos finos, grãos de areia sem crosta de ferro e ausência de magnetita, salientando sua maior espessura no relevo de colinas tabuliformes. Pelas normas, os materiais arenosos da formação, após beneficiamento, podem ter uso como agregado miúdo, na fabricação de vidro plano e vasos de cristal. Os resultados buscam ampliar a caracterização tecnológica da formação e seus usos, possibilitando uma correlação com outras unidades relacionadas a depósitos cenozoicos.


Keywords


Formação Rio Claro; Construção Civil; Areia industrial

References


ABNT. 1992. Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR 12672: Areia-padrão para ensaios em fundição - Especificação. Rio de Janeiro, 2p.

ABNT. 1995. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6502: Rochas e solos. Rio de Janeiro, 18p.

ABNT. 2001. Associação Brasileira de Normas Técnicas. 2001. NBR NM 26: Agregados - Amostragem. Rio de Janeiro, 10p.

ABNT. 2003. Associação Brasileira de Normas Técnicas. 2003. NBR NM 248: Agregados - Determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro, 6p.

ABNT. 2009. Associação Brasileira de Normas Técnicas. 2009. NBR 7211: Agregados para concreto - Especificação. Rio de Janeiro, 11p.

ABNT. 2010. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7218: Agregados – Determinação do teor de argila em torrões e materiais friáveis. Rio de Janeiro, 2p

Fernandes, A.J. & Mello, C.L. 2004. Coberturas cenozóicas e estruturas deformadoras na Depressão Periférica Paulista, Campinas, São Paulo. Revista do Instituto Geológico, 25(1-2): 49-66.

Ferreira, F.G. 1995. Estudo dos Mercados Produtor e Consumidor de Areia Industrial no Estado de São Paulo. Programa de Pós-graduação em Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Tese de Doutorado, 142p.

Ferreira, T.M.; Chang, H.K. & Soto, M.A.A. 2018. Avaliação da aplicação de vinhaça em solo arenoso da Formação Rio Claro. Revista Águas Subterrâneas, 32: 354-363.

Ferreira, S.R. 2005. Análise pedoestratigráfica das formações Rio Claro e Piraçununga, no Centro-Leste do Estado de São Paulo. Programa de Pós-graduação em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista, Tese de Doutorado, 157p.

Gonçalves, R.D. & Chang, H.K. 2018. Condutividade hidráulica da formação rio claro a partir de ensaios granulométricos. Holos Environment, 18: 44-58.

IG. 1986. Instituto geológico de São Paulo. Folha geológica de Rio Claro. 1 mapa: 60,0 cm x 74,5 cm. Escala 1:50.000.

IG. 1987. Instituto geológico de São Paulo. Folha geológica de Araras. 1 mapa: 60,0 cm x 74,5 cm. Escala 1:50.000.

Kahn, H.; Ulsen, C.; França, R.R.D.; Hawlitschek, G. & Contessotto, R. 2014. Quantificação das fases constituintes de agregados reciclados por análise de imagens automatizada. Holos, 3: 44-52.

Loughbrough, R. 1993. Silica sand: The essential ingredient. London, Raw Materials for the Glass & Ceramics Industries, 7p.

Luz, A.B. & Almeida, S.L.M. 2012. Manual de agregados para a construção civil. 2 ed. Rio de Janeiro, CETEM-MCTI, 413p.

Luz, A.B. & Lins, F.A.F. 2008. Areia Industrial. In: LUZ, A. B. (Ed.). LINS, F. A. F. (Ed.). Rochas & minerais industriais: Usos e especificações. 2 ed. CETEM-MCT, 103-123.

Massoli, M. 1981. Geologia do município de Santa Rita do Passa Quatro. Revista do Instituto Geológico, 2(2): 35-45.

Mechi, A. & Sanches, D.L. 2010. Impactos ambientais da mineração no Estado de São Paulo. Revista Estudos avançados, 24(68): 209-220.

Melo, M.S. & Ponçano, W.L. 1983. Gênese, distribuição e estratigrafia dos depósitos cenozóicos no Estado de São Paulo. IPT, Série Monografias, 9: 1-74.

Melo, M.S. 1995. A Formação Rio Claro e depósitos associados: sedimentação neocenozóica na Depressão Periférica Paulista.. Programa de Pós-graduação em Geologia Sedimentar, Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado, 144p. 1995.

Melo, M.S.; Coimbra, A.M. & Cuchierato G. 1997. Fácies sedimentares da Formação Rio Claro, neocenozóico da depressão periférica paulista. Revista do Instituto Geológico, 18(1-2): 49-63.

Nogueira, G.E.H & Kiang, C.H. 2015. Simulação numérica de fluxo de águas subterrâneas do aquífero rio claro, porção nordeste do município de Rio Claro, SP. Revista Águas Subterrâneas, 29: 175-190.

Nogueira, J.B. 2005. Mecânica dos solos: Ensaios de laboratório. São Carlos, EESC-USP, 248p.

Oliva, A.; Chang, H.K. & Caetano-Chang, M.R. 2005. Deteminação da Condutividade Hidráulica da Formação Rio Claro: Análise Comparativa através da Análise Granulométrica e Ensaios com Permeâmetro Guelph e Testes de Slug. Revista Águas Subterrâneas, 19: 1-18.

Oliva, A. 2006. Estudo hidrofaciológico do aquífero Rio Claro no município de Rio Claro-SP. Programa de Pós-graduação em Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Dissertação de Mestrado, 196p.

Oliva, A. & Chang, H.K. 2007. Mapeamento do lençol freático no município de Rio Claro (SP) empregando a técnica de sondagem elétrica vertical. Geociências, 26(1): 27-34.

Oliva, A. & Chang, H.K. 2009. Mapeamento do Lençol Freático no Município de Rio Claro (SP) Empregando a Técnica de Sondagem Elétrica Vertical. Revista Brasileira de Geociências, 26(1): 27-34.

Penteado, M.M. 1976. Geomorfologia do Setor Centro-Ocidental da Depressão Periférica Paulista. Programa de Pós-graduação em geografia, Universidade de São Paulo, Dissertação de Mestrado, 86p.

Perinotto J.A.D.J; Etchebehere, M.L.; Saad, A.R. & Zaine, J.E. 2006. Nova contribuição ao conhecimento da Formação Rio Claro (T) na folha Rio Claro (SP). Geociências, 25: 297-306.

São Paulo. 2018. Informe Mineral do Estado de São Paulo: Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais – CFEM – ano base 2017. 47p.

Sisto, F.P.; Reis, F.A.G.V.; Giordano, L.C. & Oliveira, A. 2018. Estudo da vulnerabilidade à contaminação na porção norte da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Claro, SP. Geologia Usp. Série Científica, 18(3): 33-44.

Soares, P.C. & Landim, P.M.B. 1976. Depósitos cenozóicos na região Centro Sul do Brasil. Notícia Geomorfológica, 16(31): 17-39.

Soto, M.A.A.; Basso, J.B.; Kiang, C.H. & Van Genuchten, M.T. 2015. Simulação de fluxo e transporte de íons de vinhaça através de vertente da formação Rio Claro. Revista Águas Subterrâneas, 29: 162-174.

Stow, D.A.V. 2005. Sedimentary rocks in the field: A colour guide. Cleveland, CRC Press, 316p.

Suslick, S.B.; Obata, O.R. & Sintoni, A. 2008. A mineração no Estado de São Paulo: situação atual, perspectivas e desafios para o aproveitamento dos recursos minerais. Geociências, 27(2): 171-192.

Teramoto, E. & Chang, H.K. 2018. Métodos WTF e simulação numérica de fluxo para estimativa de recarga - exemplo Aquífero Rio Claro em Paulínia/SP. Revista Águas Subterrâneas, 32: 173-180.

Teramoto, E.H.; Benjumea, M.T.; Gonçalves, R. & Kiang, C.H. 2018. Séries Temporais do Índice NDVI na Avaliação do Comportamento Sazonal do Aquífero Rio Claro. RBC. Revista Brasileira De Cartografia, 70(3): 1135-1157.

Teramoto, E.H.; Chang, H.K. & Caetano Chang, M.R. 2019. Caracterização preliminar do Aquífero Rio Claro em Paulínia/SP. Geociências, 38(2): 575-586.

Zaine, J.E. 1994. Geologia da formação Rio Claro na Folha de Rio Claro (SP). Programa de Pós-graduação em Geologia Regional, Universidade Estadual Paulista, Dissertação de Mestrado, 90p.

Zaine, J.E. 2000. Mapeamento geológico-geotécnico por meio do método do detalhamento progressivo: ensaio de aplicação na área urbana do município de Rio Claro (SP). Programa de Pós-graduação em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista, Tese de Doutorado, 149p.

Zaine, J.E.; Yamada, D.T. & Oliveira, E.M. 2010. Avaliação geológico-geotécnica aplicada à instalação de postos de combustíveis em Rio Claro (SP), Brasil. Geotecnia, 120: 89-103.

Zdunczyk, M.J. & Linkous, M.A. 1994. Industrial Sand and Sandstone. In: CAR, D.D. (Ed.) Industrial Minerals and Rocks. 6th ed. Society for Mining, Metallurgical

Zuquette, L.V. 1987. Análise crítica sobre cartografia geotécnica e proposta metodológica para as condições brasileira. Programa de Pós-graduação em Geotecnia, Universidade de São Paulo, 673p.




DOI: https://doi.org/10.11137/1982-3908_2021_44_38148

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexers and Bibliographic DatabasesFollow us
SCImago Journal & Country Rank
ISSN
ROAD
Clarivate
Diadorim
DOAJ
DRJI
GeoRef
Google Scholar
Latindex
REDIB
Oasisbr
Twitter
Instagram
Facebook
All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International Public License (CC BY-NC 4.0).