Zoneamento Hidrogeoquímico dos Sistemas Aquíferos do Estado de São Paulo como Ferramenta de Gestão das Águas Subterrâneas

Carolina Stager Quaggio, Didier Gastmans, Marina Lunardi, Lucas Vituri Santarosa, Sebastian Balbin Betancur, Hendryk Gemeiner

Abstract


No estado de São Paulo, cinco sistemas aquíferos (Bauru, Serra Geral, Guarani, Tubarão e Pré-Cambriano) são responsáveis pelo abastecimento da população. Apesar do amplo conhecimento a respeito dessas unidades, pouco foi feito no sentido de se avaliar como a evolução hidroquímica das águas desses aquíferos poderia ser utilizada como indicador dos tempos de residência, fornecendo informações para a gestão do recurso. Dessa forma, é proposto um zoneamento geoquímico unificado das águas subterrâneas do
Estado de São Paulo, baseado na evolução hidroquímica e inferindo-se seus tempos de residência, que podem ser associados a tempos de renovação dos aquíferos e sustentabilidade do uso do recurso em face da crescente explotação. Nesse estudo foram reanalisados resultados provenientes do programa de monitoramento de qualidade das águas subterrâneas do estado de São Paulo, realizado em 2015 pela CETESB. São propostas três zonas geoquímicas no estado de São Paulo, que correspondem à definição de parâmetros hidroquímicos e de tempos de residência. A Zona I representa aquíferos livres, de baixo tempo de residência, em sistema aberto perante
o CO2, com idades médias das águas subterrâneas entre 1.000-5.000 anos. A Zona II representa aquíferos semiconfinados, de médio tempo de residência, em transição entre um sistema aberto e fechado, com idades entre 5.000-70.000 anos. A Zona III representa aquíferos confinados, de alto tempo de residência, em sistema fechado, com idades entre 15.000-834.000 anos. As águas subterrâneas que apresentam baixo tempo de residência são as menos vulneráveis à superexplotação, uma vez que sua renovação é mais rápida em
comparação às águas das outras duas zonas; no entanto, são mais expostas a contaminação. Já águas classificadas com alto tempo de residência podem apresentar melhor qualidade e menor risco de contaminação, porém sua renovação será muito lenta e o uso extensivo pode acarretar o esgotamento do recurso.


Keywords


Águas Subterrâneas; Hidrogeoquímica; Gestão de Recursos Hídricos

References


Aggarwal, P.K.; Matsumoto, T.; Sturchio, N.C.; Chang, H.K.; Gastmans, D.; Araguas-Araguas, L.J.; Jiang, W.; Lu, Z.T.; Mueller, P.; Yokochi, R.; Purtschert, R. & Torgersen, T. 2014. Continental degassing of 4He by superficial discharge of deep groundwater. Nature Geoscience, 8: 35-39.

Appelo, C.A.J. & Postma, D. 2005. Geochemistry, groundwater and pollution. Amsterdam, A.A. Balkema Publichers, 647p.

Bonotto, D.M. 2006. Hydro(radio)chemical relationships in the giant Guarani aquifer, Brazil. Journal of Hydrology, 323: 353-386.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente. 2007. Águas subterrâneas: um recurso a ser conhecido e protegido. Brasília, Petrobras, Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, 40 p.

CETESB. 2016. Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental. Relatório de Qualidade de Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo: Período 2013 – 2015. São Paulo, Cetesb. 308 p.

Chebotarev, I.I. 1955. Metamorphism of natural water in the crust of weathering. Geochimica et Cosmochimica Acts, 8: 137-170.

Childs, C. 2004. Interpolating Surfaces in ArcGIS Spatial Analyst. ArcUser, July-September: 32-35.

Clark, I. 2015. Groundwater, Geochemistry and Isotopes. New York, CRC Press. 438p.

Costa, M.L.M.; Medeiros, C.M.; Batista, M.L.C. & Ribeiro, M.M.R. 2008. Análise da integração das águas superficiais e subterrâneas no aparato legal de recursos hídricos do Brasil e estado da Paraíba. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, 15, Natal, 2008. Resumo expandidos, Natal, ABAS, p. 1-11.

DAEE/IG/PT/CPRM. 2005. Departamento de Águas e Energia; Instituto Geológico; Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo & CPRM, Serviço Geológico do Brasil. 2005. Mapa das águas subterrâneas do Estado de São Paulo. 1 mapa. Escala 1:1.000.000.

Engelbrecht, B.Z. 2017. Modelo conceitual de circulação de água subterrânea em aquífero cristalino no município de Itu/SP. Programa de Pós-Graduação em Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Dissertação de Mestrado, 91p.

ESRI. 2014. Enviromental Systems Research Institute. ArcGis, versão 10.3: Html help control version 10.3.0.4322.

Ezaki, S.; Oda, G.H.; Iritani, M.A.; Veiga, C. & Stradioto, M.R. 2014. Hidroquímica dos aquíferos Tubarão e Cristalino na região de Indaiatuba-Rafard, Estado de São Paulo. Pesquisas em Geociências, 41(1): 65-79.

Ezaki, S.; Iritani, M.A.; Gastmans, D. & Matsumoto, T. 2019. 14C and 4He isotopes for the groundwater dating of the Tubarão aquifer system, central portion of the Parana Basin in the State of São Paulo, Brazil. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON ISOTOPE HYDROLOGY, Viena, 2019.

Ezaki, S.; Gastmans, D.; Iritani, M.A.; Santos, V. & Stradioto, M. R. 2020. Geochemical evolution, residence times and recharge conditions of the multilayered Tubarão Aquifer System (State of São Paul – Brazil) as indicated by hydrchemical stable isotope and 14C data. Isotopes in Environmental & Health Studies, DOI: 10.1080/10256016.2020.1797714.

Feitosa, F.A.C. & Filho, J.M. 2000. Hidrogeologia – Conceitos e Aplicações. Fortaleza, CPREM/REFO, LABHID-UFPE, 404p.

Freeze, A. & Cherry J. 1979. Groundwater. Englewood Cliffs, Prentice-Hall Inc, 604p.

Gallo, G. & Sinelli, O. 1980.Estudo hidroquímico e isotópico das águas subterrâneas na região de Ribeirão Preto (SP). Revista Brasileira de Geociências, 10: 129-140.

Gastmans, D.; Hutcheon, I.; Menegário, A.A. & Chang, H.K. 2016. Geochemical evolution of groundwater in a basaltic aquifer based on chemical and stable isotopic data: Case study from the Northeastern portion of Serra Geral Aquifer, São Paulo state (Brazil). Journal of Hydrology, 535: 598-611.

Gastmans, D.; Menegário, A.A. & Hutcheon, I. 2017. Stable isotopes, carbon-14 and hydrochemical composition from a basaltic aquifer in São Paulo State, Brazil. Environmental Earth Sciences, 76(150).

Gastmans, D.; Reis, M.M. & Chang, H.K. 2012. Geotermometria das águas hipertermais do Sistema Aquífero Guarani no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Geociências, 42(1): 208-255.

Gleeson, T.; Befus, K.M.; Jasechko, S.; Luijendik, Q. & Cardenas, B. 2015. The global volumen and distribution of modern groundwater. Nature Geoscience, 9: 161-167.

Hirata, R.; Suhogusoff, A.V.; Marcellini, S.S.; Villar, P.C. & Marcellini, L. 2019. A revolução silenciosa das águas subterrâneas no Brasil: uma análise da importância do recurso e os riscos pela falta de saneamento. São Paulo, Instituto Trata Brasil, 36p.

Marques, C.H.G.; Terada, R.; Galvão P. & Hirata, R. 2019. Evolução espacial e temporal da contaminação por nitrato no aquífero urbano de Urânia (SP). Revista Águas Subterrâneas, 33(3): 258-269.

Montanheiro, F.; Chang, H.K. & Gastmans, D. 2014. Estudo hidroquímico do sistema aquífero tubarão (SAT) no município de Americana, SP. Revista do Instituto Geológico, 35(1): 31-45.

Oda, G.H.; Takeuchi, D.M.; Ezaki, S.; Iritani, M.A.; Varnier, C.; Penteado, D.R.; Lima, C.V.F.; Silva, A.H.; Zuca, N.L. & Pacheco, R.P. 2012. Geometria do aquífero Tubarão, entre os municipios de Indaiatuba e Capivari (SP). Revista do Instituto Geológico, 33(1): 23-40.

Palmer, C.D. & Cherry, J.A. 1984. Geochemical evolution of groundwater in sequences of sedimentary rocks. Journal of Hydrology, 75: 27-65.

Parkhurst, D.L. & Appelo, P. 1999. User’s Guide to PHREEQC (Version 2) – A Computer Program for Speciation, batch-reaction, one-dimensional transport and inverse geochemical calculations. USGS.

Paula e Silva, F.; Chang, H.K. & Caetano-Chang, M.R. 2005. Hidroestratigrafia do Grupo Bauru (K) no Estado de São Paulo. Águas Subterrâneas, 19(2): 19-36.

Pereira, G.; Silva, M.E.S.; Moraes, E.C. & Cardozo, F.S. 2013. Avaliação dos dados de precipitação estimados pelo satélite TRMM para o Brasil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 18(3): 139-148.

Quaggio, C.S.; Gastmans, D.; Kirchhem, R. & Batista, L.V. 2018. Variações na composição das águas subterrâneas do Sistema Aquífero Serra Geral em território brasileiro e sua relação com anomalias hidrogeoquímicas. Águas Subterrâneas, 32(3): 283-294.

Rockware. 2020. Rockware: Earth Science Software, Consulting and Training. Disponível em: . Acesso em: 04 fev. 2020.

Rosenberger, M.; Varnier, C.; Iritani, M.A.; Ferreira, L.M.R.; Oda, G.H. & Viotti, M. 2013. Vulnerabilidade natural à contaminação do Sistema Aquífero Bauru na área urbana no município de Bauru (SP). Revista do Instituto Geológico, 34(2): 61-67.

São Paulo. 2019. Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos. Situação dos recursos hídricos no estado de São Paulo 2017. Disponível em: http://www.sigrh.sp.gov.br/relatoriosituacaodosrecursoshidricos>. Acesso em: 21 mar. 2019.

Silva, R.B.G. 1983. Estudo hidroquímico e isotópico das águas subterrâneas do aquífero Botucatu no estado de São Paulo. Programa de Pós-Graduação Pós-Graduação em Geologia Geral e de Aplicação, Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado, 156p.

Silva, S.R. & Chang, H.K. 2010. Hidroquímica dos Sistemas Aquífero Bauru e Guarani na Região Metropolitana de Bauru (SP). Águas Subterrâneas, 24(1): 69-84.

Siqueira, G.M.; Bezerra, J.M.; Vieira, S.R. & Camargo, M.B.P. 2012. Zoneamento de Parâmetros Climáticos no Estado de São Paulo (Brasil) Utilizando Técnicas de Geoestatística. Revista Brasileira de Geografia Física, 3: 612-629.

Sracek, O. & Hirata, R. 2002. Geochemical and stable isotopic evolution of the Guarani Aquifer System in the state of São Paulo, Brazil. Hydrogeology Journal, 10: 643-655.

Statsoft, Inc. 2020. Statistica (data analysis software system), version 10. Disponível em: < http://www.statsoft.com/Products/STATISTICA-Features>. Acesso em: 4 fev. 2020.

Stradioto, M.R. 2016. Caracterização Hidrogeoquímica, Isotópica e Diagenética do Sistema Aquífero Bauru no Estado de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista, Tese de Doutorado, 280p.

Thomas, B.F.; Vogel, R. M. & Famiglietti, J. S. 2015. Objective hydrograph baseflow recession analysis. Journal of Hydrology, 525: 102–112.

Varnier, C.; Iritani, M.A.; Viotti, M.; Oda, G.H. & Ferreira, L.M.R. 2010. Nitrato nas águas subterrâneas do Sistema Aquífero Bauru, área urbana do município de Marília (SP). Revista do Instituto Geológico, 31(1/2): 1-21.




DOI: https://doi.org/10.11137/2020_4_176_188

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexers and Bibliographic DatabasesFollow us
SCImago Journal & Country Rank
ISSN
ROAD
Clarivate
Diadorim
DOAJ
DRJI
GeoRef
Google Scholar
Latindex
REDIB
Twitter
Facebook
All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International Public License (CC BY-NC 4.0).