Da solidão do deserto ao caos das trevas exteriores: ascese e invenção em Paulo Leminski

Everton de Oliveira Moraes

Resumo


A partir de meados da década de 1970, o poeta Paulo Leminski escreve alguns ensaios manifestando sua preocupação com o problema do esgotamento dos “recursos naturais”, a iminente catástrofe ambiental, a possível hecatombe nuclear, e com a consequente crise dos modos de vida dominantes no mundo moderno-ocidental. Leminski se dedica, sobretudo, a investigar o modo como a literatura participa desse momento histórico de escassez. Buscando pensar o lugar da arte nessa crise, ele recorre a uma série de personagens conceituais e históricos que, sob o signo da ascese, se contrapõem à cultura da afluência, ao ativismo e à teleologia progressista, que caracterizam a sociedade brasileira da década de 1970, e seu correlato artístico: as literaturas engajadas, tanto nas suas versões experimentais como nas ideológicas. Esse artigo busca pensar que tipo de experiência do tempo está em jogo nessa ascese poética leminskiana.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERS, Gunter. Teses para a era atômica. Sopro: panfleto político-cultural. n. 87, pp. 2-10, 2013.

CÁMARA, Mario. Corpos pagãos: usos e figurações na cultura brasileira (1960-1980). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

CUNHA, Manuela Carneiro da & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Vingança e temporalidade: os Tupinamba. Journal de la Société des Américanistes, n. 71, 1985, pp. 191-208.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac &Naify, 2003.

DANOWSKI, Deborah & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há Mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie: Instituto Socioambiental, 2014.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2016. FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

LEITE, Elizabeth Rocha. Leminski: poeta da diferença. São Paulo: Edusp, 2012. LEMINSKI, Paulo. Ascese e escassez. Diário do Paraná. Anexo. Curitiba, 30 jun. 1977a.

LEMINSKI, Paulo. Ensaios e anseios crípticos. Curitiba: Pólo Editorial do Paraná, 1997b.

LEMINSKI, Paulo. Ensaios e anseios crípticos. 2. ed. ampliada. São Paulo: Unicamp, 2012.

LEMINSKI, Paulo. Toda Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 32. Originalmente publicado em: VÁRIOS AUTORES. Sangra: cio. Curitiba, 1980.

LEMINSKI, Paulo. Rigor (Futebol Clube) x Invenção (Esporte e Regatas). Diário do Paraná. Anexo, Curitiba, 1. fev. 1977c.

LEMINSKI, Paulo. Eu quero viver de verdade, eu fico com o cinema americano. Em: LEMINSKI, Paulo. Memória de vida: Paulo poeta Leminski. Curitiba, 23 ago. 1989.

LEMINSKI, Paulo. Pajé. Diário do Paraná. Anexo. Curitiba, 7. jan. 1977d. LEMINSKI, Paulo. Alegria, alegria: a post-literatura. Diário do Paraná. Anexo. Curitiba, 16 jul. 1977e.

LEMINSKI, Paulo. X poetas e uma geração possível. Pólo Cultural. Curitiba, 1978.

NODARI, Alexandre. Limitar o limite: modos de subsistência. Em: Os mil nomes de Gaia: do Antropoceno à Idade da Terra, 2014.

SUSSEKIND, Flora. Hagiografias. Em: GARRAMUÑO, Florencia; AGUILAR, Gonzalo; DI LEONE, Moisés (org.). Experiencia, cuerpo y subjetividades: literatura brasileña contemporánea. Buenos Aires: BVE, 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Desenvolvimento econômico e reenvolvimento cosmopolítico: da necessidade extensiva à suficiência intensiva. Sopro: panfleto político-cultural, n. 51, pp. 3-10, 2011.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais. São Paulo: Cosac Naify/N-1, 2015.




DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106x/20182027491

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons