Borges contra Borges: más traduções de “O Aleph”

Roberto González Echevarría

Resumo


Borges parece haver argumentado que as traduções são frequentemente melhores do que os originais, mas ele próprio fez um grande esforço (por exemplo, aprender alemão, em sua juventude, para ler Kafka) para acessar a literatura em suas línguas originais. Em sua maturidade, fez um grande esforço para aprender o idioma nórdico das sagas para lê-las diretamente. Sua saída foi acatada de maneira literal demais pela crítica e, pior, por seus próprios tradutores, que foram descuidados na tradução de seus relatos, mostrando uma liberdade que compromete seus próprios textos. Este ensaio examina três traduções de “O Aleph”, ao inglês, francês e italiano, para demonstrar como Borges foi mal traduzido de maneira que afeta a correta leitura de seus textos. As equivocadas traduções são de uma palavra-chave para referir-se a um baú que o protagonista encontra em um porão, e que é uma espécie de representação correlativa do Aleph. A partir desses equívocos de tradução, o ensaio propõe uma interpretação do relato. 


Texto completo:

PDF

Referências


AGUSTÍN, San. Obras de San Agustín, Ed. Ángel Custodio de la Vega. Vol. II. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 1968.

BENJAMIN, Walter. fte Task of the Translator. In: Illuminations, edited with an introduction by Hannah Arendt, translated by Harry Zohn. Nueva York: Schocken Books, 1969, p. 69-82.

BLOCH, R. Howard. One Toss of the Dice: The Incredible Story of How a Poem Made us Modern. New York: Norton, 2016.

BORGES, Jorge Luis. Las versiones homéricas. In: Obras completas. Buenos Aires: Emecé, 1974, p. 239-43.

BORGES, Jorge Luis. El Aleph. In: Obras completas, Buenos Aires: Emecé, 1974, p. 617-30.

BORGES, Jorge Luis. fte Aleph. In: A Personal Anthology. Edited with a Foreword by Anthony Kerrigan. New York: Grove Press, 1967.

BORGES, Jorge Luis. fte Aleph. In: The Aleph and Other Stories 1933-1969. Together with Commentaries and an Autobiographical Essay. Edited and translated by Norman ftomas di Giovanni in collaboration with the author. New York: Dutton, 1970.

BORGES, Jorge Luis. fte Aleph. In: Collected Fictions, translated by Andrew Hurley. New York: Viking, 1998.

BORGES, Jorge Luis. L'Aleph. In: L'Aleph. Traduit par Rober Caillois. París: Gallimard, 1967.

BORGES, Jorge Luis. L'Aleph. In: L'Aleph. Trans. Francesco Tentori Montalto. Milán: Feltrinelli, 1959, p. 205-25.

DE MAN, Paul. Blindness and Insight: Essays in the Rhetoric of Contemporary Criticism. Nueva York: Oxford University Press, 1971.

DE MAN, Paul. Conclusions: Walter Benjamin's ‘fte Task of the Translator. In: The Resistance to Theory. Foreword by Wlad Godzich. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1986, p. 73-105.

GONZÁLEZ ECHEVARRÍA, Roberto. Myth and Archive: A Theory of Latin American Narrative. Cambridge: Cambridge University Press, 1990. [Mito y archivo: una teoría de la narrativa latinoamericana. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 2000; nueva edición 2011].

GONZÁLEZ ECHEVARRÍA, Roberto. fte Aleph. In: Cambridge Companion to Jorge Luis Borges. Edited by Edwin Williamson. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2013, p. 123-36.

KRISTAL, Efraín. Invisible work: Borges and translation. Nashville: Vanderbilt University Press, 2002.

RODRÍGUEZ MONEGAL, Emir. Borges and La nouvelle critique. In: Diacritics, Summer 1972, p. 27-34.

RODRÍGUEZ MONEGAL, Emir. Jorge Luis Borges: A Literary Biography. New York: Dutton, 1978.

SPITZER, Leo. La enumeración caótica en la poesía moderna. In: Lingüística e historia literaria, 2a. ed. Traducción de Raimundo Lida. Madrid: Gredos, 1961, p. 247-300.

WILLIAMSON, Edwin. Borges: A Life. New York: Viking, 2004.




DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106X/2017193479493

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons