POESIA, PAISAGEM, DESAPROPRIAÇÃO

Raúl Antelo

Resumo


Partimos do pressuposto de uma conexão entre a política-por-vir e a poiesis. É um
nexo entre a atitude afirmativa da contemplação, que torna o in-operante o alvo
lógico vinculado à vontade de poder da biopolítica, em que a desapropriação não
cria nada novo per se mas estimula um movimento ao entre-lugar de ação e inação
característico da potencialidade. Libera-se assim a potência em modos alternativos
à biopolítica.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106X/20212312333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons