Treinamento Intervalado de Alta Intensidade ou Treinamento Aeróbio Moderado Contínuo na Reabilitação Cardíaca de Idosos? Uma Revisão Sistemática.

Rafael Sampaio de Oliveira Queiroz Silveira, Fabio Cahue

Resumo


As doenças cardiovasculares (DCVs) são consideradas uma grande epidemia, afetando milhões de pessoas em todo o planeta. Diversos estudos vêm demonstrando a importância dos exercícios na reabilitação cardíaca (RC) daqueles que sobrevivem a eventos agudos provocados pelas DCVs e diferentes protocolos de treinamento estão sendo utilizados para estas intervenções. O presente estudo tem como objetivo uma avaliação dos protocolos de treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) e aeróbio moderado contínuo (MCT), na reabilitação cardíaca de idosos através de uma revisão sistemática acerca deste tema. Para tanto foram selecionadas palavras chaves combinadas e selecionados os artigos conforme os critérios de exclusão adotados por esta revisão. Apesar de todos os estudos sugerirem um incremento das variáveis fisiológicas acerca do tema, não foi possível afirmar com segurança qual destes protocolos possui resultados mais eficiente. Portanto, deixa-se em aberto para futuros estudos, questionamentos de como determinar e avaliar o protocolo a ser utilizado e não necessariamente aquele que por via de regra será superior ao outro.


Palavras-chave


Reabilitação Cardíaca; HIIT; MCT; Idosos

Texto completo:

PDF

Referências


American College of Sport Medicine. Quantity and Quality of Exercising for Developing and Maintaning Cardiorespiratory, Musculoskeletal and Neuromotor Fitness in Apparently Healthy Adults: Guidance for Prescribing Exercise, Medicine & Science in Sports & Exercise, p 1334-1359, 2011.

Albouaini, K. et al. Cardiopulmonary exercise testing and its application, Postgrade Medical Journal, Liverpool, UK, p.675-682. Nov., 2007.

Bin, Xie et al. Effects of High-Intensity Interval Training on Aerobic Capacity in Cardiac Patients: A Systematic Review with Meta-Analysis – Hindawi Biomed Research International, China, Vol. 2017, Mar 2017.

BRASIL. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde. Brasília, p.120. 2014

Bittencourt, Célia Regina de Oliveira et al . Efeitos de Exercício Crônico Sobre Células Progenitoras Endoteliais e Micropartículas em Corredores Profissionais. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo , v. 108, n. 3, p. 212-216, Mar. 2017.

Currie, Katharine , D. et al, Low-volume, high-intensity interval training in patients with CAD. Medicine & Science in Sports & Exercise, p 1436-1442, 2013.

Dickstein, Kenneth et al. ESC Guidelines for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure 2008. European Journal of Heart Failure, Norway, n.10, p. 2388–2442, Ago 2008.

Ellingsen, Øyvind et al, High-Intensity Interval Training in Patients With Heart Failure With Reduced Ejection Fraction, Circulation, Norway, p. 839-849, Fev 2017

Fox EL et al. Intensity and distance of interval training programs and changes in aerobic power. Med Sci Sports, n 5, p.18–22, 1973.

Herdy, AH et al . South American Guidelines for Cardiovascular Disease Prevention and Rehabilitation. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo , v. 103, n. 2, supl. 1, p. 1-31, Ago 2014.

Horgan, J et al. Working party report on cardiac rehabilitation. British Heart Journal, Dublin, n 67(5), p. 412–418.

Malta, Deborah Carvalho et al . Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 23, n. 4, p. 599-608, Dez 2014.

MacInnis, MJ, Gibala, MJ. Physiological adaptations to interval training and the role of exercise intensity, The journal of Physiology, Ontario, Canada, p.2915-2930, Mai 2017

MCardlle, Willian, D. et al. Fisiologia do Exercício, 5 ED, Editora Guanabara Koogan, USA, 2003.

Mezzani, Alessandro et al. Speeding of pulmonary VO2 on-kinetics by light-to-moderate-intensity aerobic exercise training in chronic heart failure: clinical and pathophysiological correlates, International Journal of Cardiology, Ireland, n 167, p 2189-2195, Jun 2012.

Nobrega, Antonio Claudio Lucas da et al . Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Rev Bras Med Esporte, Niterói , v. 5, n. 6, p. 207-211, Dez 1999 .

Piepoli, Massimo F. et al. Exercise training in heart failure: From theory to practice. A consensus document of the heart failure association and the european association for cardiovascular prevention and rehabilitation, European Journal of Heart Failure, Poland, vol. 13, no. 4, p. 347–357, 2011.

Shigenori, Ito et al. Review of High-intensity Interval Training in Cardiac Rehabilitation, Internal Medicine, Japan, n 55, p. 2329-2336 Nov 2015.

Tschentscher, Marcus et al. High-intensity interval training is not superior to other forms of endurance training during cardiac rehabilitation, European Journal of Preventivy Cardiology, Austria, p 1-7, Nov 2014

WHO. Global Atlas on cardiovascular disease prevention and control. Genebra, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556.

Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.