Gênero e Esporte: Análise de reportagens sobre a participação de mulheres nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

Vitória Teixeira Cabral, Vagner Matias do Prado

Resumo


Representações de machismo e sexismo ainda são fortemente visíveis na sociedade, sendo o esporte também é atravessado por tais práticas. O objetivo do presente trabalho foi compreender de que maneira a mídia esportiva retratou a performance de mulheres atletas durante a edição dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016. A pesquisa se caracterizou pela abordagem qualitativa do tipo documental e o corpus empírico foi constituído por nove reportagens da mídia esportiva compiladas pelo web jornal El País-Brasil, das quais três foram analisadas. Os resultados foram analisados a partir da elaboração de três categorias: 1) Reportagens que focavam na estética corporal das atletas e não suas performances; 2) Reportagens que, mesmo com o feito da atleta, evocavam figuras masculinas para “explicar” suas performances; e 3) Reportagens que visavam comparar as performances das mulheres com a de atletas homens. A partir dos resultados, percebe-se que a representação da mídia sobre a participação de mulheres atletas nos Jogos Olímpicos no Brasil (re)produz o machismo e a misoginia. A partir das análises, percebe-se que há uma subjugação da mulher no âmbito esportivo, seja por meio de ridicularização de seu corpo, comparação com o masculino ou colocando-a à sombra do homem.


Palavras-chave


Mulheres no esporte; Machismo; Jogos Olímpicos; Rio 2016

Texto completo:

PDF

Referências


ADELMAN, M. Mulheres no esporte: corporalidades e subjetividades. Movimento, Rio Grande do Sul, v. 11, jul./dez. 2006.

BARRETO, S. A representação feminina na mídia esportiva: o caso Fernanda Colombo. Observatorio Journal, Pernambuco, v. 10, n. 1, p. 137-149, 2016.

BELTRÃO, K. I.; ALVES, J. E. A reversão do hiato de gênero na educação brasileirano século XX. Cadernos de Pesquisa, Minas Gerais, v. 39, n. 136, jan./abr. 2009.

CONTI, M. A.; BERTOLIN, M. N.; PERES, S. V. A mídia e o corpo: o que o jovem tem a dizer?. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, v. 15, p. 2095-2103, 2010.

BRASIL. Lei N° 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 8 ago. 2006. Disponível em:

. Acesso em: 3 set. 2018.

CASTAÑEDA, M. O machismo invisível. São Paulo: A Girafa, 2006.

CELLARD, A.; tradução de Ana Cristina Nasser. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

DRUMONT, M. P. Elementos para uma análise do machismo. São Paulo: Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, 1980.

FERRERO, C. Os 9 títulos mais machistas dos Jogos Olímpicos do Rio. El País Brasil, [S.l.], 10 ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 9 dez. 2017.

EL PAÍS BRASIL. El País, o jornal digital em espanhol mais lido do mundo. El País Brasil, Madri, 23 nov. 2016. Disponível em:

. Acesso em: 5 abr. 2018

FERNANDES, V. Mulheres em Combate: representações de feminilidades em lutadoras de boxe e MMA. Revista da Educação Física, Maringá, v. 26, n. 3, p. 367-376, 3. trim. 2015.

GOELLNER, S. V. Jogos Olímpicos: a generificação de corpos performantes. Revista USP, n 108, p. 29-38, jan./mar. 2016.

GOELLNER, S. V. Feminismos, mulheres e esportes. Questões epistemológicas sobre o fazer historigráfico. Movimento, Porto Alegre, v.13, n. 02, p.171-196, maio/ago. 2007a.

GOELLNER, S. V. O Esporte e a Cultura Fitness como Espaços de Generificação dos Corpos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 15., 2007, Recife.

Anais... Recife: Editora, 2007b.

GOELLNER, S. V. Mulheres e esporte: sobre conquistas e desafios. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, Brasília, n. 4, dez. 2012.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa: Tipos Fundamentais. Revista administração de empresa, Vol.35, no.3, São Paulo Maio/Junho1995.

GONÇALVES, A. L. Gênero e história das mulheres na historiografia. Estudos Feministas, Florianópolis, v.16, n. 3, p.1107-1133, set/dez - 2008.

GUAZINA, L. O conceito de mídia na comunicação e na ciência política: desafios interdisciplinares. Revista Debates, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 49 - 64, jul./dez. 2007.

HIRATA, H. et al. Dicionário Crítico do feminismo. São Paulo: UNESP, 2009.

JAEGER, A. A. Gênero, Mulheres e Esporte. Movimento, Porto Alegre, v.12, n. 01, p. 199- 210, jan./abr. de 2006.

LOURO, G. L. Gênero, Sexualidade e Educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. 6ª. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOVISOLO, H. et al. Esporte, mulheres e masculinidades. Esporte e sociedade, Rio de Janeiro, ano 5, n. 13, fev. 2010.

MARTINS, H. H. T. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p. 289-300, mai./ago. 2004.

MORENO, M. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. São Paulo: Moderna, 1999.

MOURÃO, L. Representação social da mulher brasileira nas atividades físico-desportivas: da segregação à democratização. Movimento, Porto Alegre, Ano VII – nº 13. 2000.

PRADO, V; ALTMANN, H; RIBEIRO, A. Condutas naturalizadas na educação física: uma questão de gênero? Currículo sem Fronteiras, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 59-77, jan./abr. 2016

PFISTER, G. Líderes femininas em organizações esportivas – Tendências mundiais.

Movimento, Porto Alegre, v. 09, n. 2, p. 11-35, mai./ago. 2003.

PROCÓPIO, L; VALENÇA, J. Machismo invisível e exercício profissional. In: XII COLÓQUIO NACIONAL REPRESENTAÇÕES: GÊNERO E SEXUALIDADES, 1., 2016, Campina Grande.

RISCADO, L. C.; PERES, S O. “Contribuição da categoria gênero para os estudos sobre adolescência e juventude no âmbito da psicologia e das ciências sociais como meio de evidenciar a permanência das desigualdades e a necessidade de enfrentar a exclusão social”. Revista Ártemis, Rio de Janeiro, v. 9, p.77 - 91, dez. 2008.

SALVINI, L.; JÚNIOR, W. M. Uma história do futebol feminino nas páginas da Revista Placar entre os anos de 1980-1990. Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 1, p. 95-115, jan/mar 2013.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-91, jul/dez 1995.

VIGARELLO, G. História da beleza. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

WELZER-LANG, D. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Estudos feministas, Santa Catarina, ano 9, p.460-482l, 2001.

WOLF, N. O mito da beleza. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556. Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.