Sobrevivendo ao estigma da hipertrofia: notas etnográficas sobre o fisiculturismo feminino

Rafael da Silva Mattos, ELIANE GRIVET, Juliana Brandão Pinto de Castro, Wecisley Ribeiro do Espírito Santo, César Sabino, Jeferson José Moebus Retondar, Dirceu Gama

Resumo


Este estudo objetivou compreender o estigma da imagem do corpo hipertrofiado das fisiculturistas da modalidade bodybuilding em diferentes espaços sociais e as respectivas implicações na vida cotidiana. O referencial teórico-conceitual selecionado foi a teoria de Erving Goffman, privilegiando o conceito de estigma e de representação do eu; e a teoria de L. Wacquant sobre a construção socioantropológica do objeto de estudo a partir do próprio corpo. Para compreender os sentidos dessa problemática, realizou-se uma pesquisa qualitativa de campo etnográfico e entrevistas em academias de fisiculturismo no bairro da zona sul do Rio de Janeiro. Observou-se que, na construção de um corpo com grande volume muscular, para alcançar os padrões estéticos da modalidade, exagera-se no consumo de suplementos e esteroides anabolizantes andrógenos. A fim de obter uma imagem de corpo ideal, essas mulheres constroem uma espécie de obsessão por um corpo forte, musculoso, com baixo percentual de gordura e, ao mesmo tempo, maternal e feminino. Desse modo, permeia a desconstrução da imagem social da mulher frágil e dócil na história sociocultural do gênero feminino. Conclui-se que o bodybuilding insere-se num grupo especifico da sociedade contemporânea, reconhecida dentro dos espaços sociais de competições, adquirindo poder simbólico. Simultaneamente, as fisiculturistas tendem a ser estigmatizadas nas academias de musculação por serem consideradas exageradas, desproporcionais e monstruosas.

Palavras-chave


Estigma; Gênero; Fisiculturismo; Educação Física; Imagem Corporal

Texto completo:

PDF

Referências


ADELMAN, M. Mulheres atletas: ressignificações da corporalidade feminina. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 2, p. 445-465, 2003.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, G. L. (Org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

BOURDIEU, P. Pouvoir symbolique. Paris: Seuil, 2001.

______. La domination masculine. Paris: Seuil, 1998.

______. Méditations pascaliennes. Paris: Seuil, 1997.

______. Questions de sociologie. Paris, Ed. de Minuit, 1984.

BUTLER, J. Défaire Le Genre. Paris: Éditions Amsterdam, 2006.

CASTRO, J. B. P.; MATTOS, R. S.; PASSOS, M. D.; AQUINO, F. S. D.; RETONDAR, J. J. M.; MACHADO, A. S. Alimentação, corpo e subjetividades na Educação Física e na Nutrição: o ranço da adiposidade e a ascensão dos músculos. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 11, n. 3, 803-824, 2016.

DELEUZE, G. GUATTARI, F. O Anti-Édipo. Capitalismo e esquizofrenia 1. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DELEUZE, G. GUATTARI, F. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1996.

DOUGLAS, M. Purity and danger: an analysis of the concepts of pollution and taboo. New York: Routledge, 1984.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. The Established and the Outsiders: A Sociological Enquiry into Community Problems. 2 nd edition. London: Sage, 1994.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GLUCKAMN, M. O material etnográfico na antropologia social inglesa. GUIMARÃES, A. Z. Desvendando Máscaras Sociais. 2 ed. São José: Francisco Alves, 1980

FOUCAULT, M. Lex anormaux. Paris: Seuil, 1999.

______. Résumé des cours (1970-1982). Paris: Julliard, 1989.

FREUD, S. À guisa de introdução ao narcisismo. (1914). In: FREUD, S. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente. v. 1. Rio de Janeiro: Imago, 2004 (Obras Psicológicas de Sigmund Freud).

GOFFMAN, E. Stigmate. Paris: Editions de Minuit, 1975.

GOFFMAN, E. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2009.

JAEGER, A. A.; GOELLNER, S. V. O músculo estraga a mulher? A produção de feminilidades no Fisiculturismo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 955- 975, 2011.

MALINOWSKI, B. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos Arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1976. (Coleção Os Pensadores).

PERROT, M. DUBY, G. PARRISE, G. História das Mulheres no Ocidente. Vol. IV. O século XIX. Porto: Edições Afrontamento, 1994.

PRECIADO, B. Manifesto Contrassexual. Práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 Edições, 2014.

RADCLIFFE-BROWN, A. R. The Andamam Islanders. Chicago: The Free Press, 1965.

RUBIN, G. Políticas do Sexo. São Paulo: Ubu, 2017.

SABINO, C.; LUZ, M. Forma da dor e dor da forma: significado e função da dor física entre praticantes de bodybuilding em academias de musculação do Rio de Janeiro. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 467-490, 2014.

SABINO, C.; LUZ, M. Espelho da alma. Teoria social e subjetivação em um conto de Machado de Assis. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 237-250, 2011.

SABINO, C.; LUZ, M.; CARVALHO, M. C. O fim da comida: suplementação alimentar e alimentação entre frequentadores assíduos de academias de musculação e fitness do Rio de Janeiro. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 343-356, 2010.

SABINO, C.; LUZ, M. T. Ritos da forma: a construção da identidade fisiculturista em academias de musculação na cidade do Rio de Janeiro. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 51-68, 2007.

SABINO, C. Anabolizantes: drogas de Apolo. In: GOLDENBERG, M. (Org.). Nu e vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2007. p. 139-188.

REZENDE, C. B. Mágoas de amizade: um ensaio em antropologia das emoções. Mana, v. 8, n. 2, p. 69-89, 2002.

STRATHERN, M. O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Unicamp, 2006.

SOHN, A-M. Sois um homme: Construction de la masculinité au XIXe siècle. Paris: Le Seuil, 2009.

TURNER, V. O Processo Ritual. Estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

WACQUANT, L.J.D. Corps et ame: carnets ethnographiques d’ um aprrenti boxeur. Paris: Agone, 2002.

WEBER, M. L'éthique protestante et l'esprit du capitalisme Paris: Gallimard, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556. Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.