A GINÁSTICA ARTÍSTICA EM PERIÓDICOS BRASILEIROS (1979-2016)

Diego Falce Ferreira, Wallace Nascimento de Almeida, Neil Franco

Resumo


Analisou-se como a Ginástica Artística vem sendo evidenciada em seis periódicos nacionais de referência para a área de Educação Física no período entre 1979 a 2016. Consiste de uma pesquisa indireta, de caráter bibliográfico e do tipo descritiva cujas análises se pautaram numa abordagem quanti-qualitativa. Foram encontradas 5279 publicações nos periódicos analisados em um período de trinta e sete anos. Dessas publicações 172 abordam o tema ginástica, sendo 28 com foco específico para a GA. Dessas publicações, 23 contextualizam sobre o contexto não escolar e 5 se destinam ao contexto escolar. Independente do contexto evidenciado, foi identificado que a GA aparece de forma tímida nos periódicos analisados com ênfase na formação profissional para o alto rendimento, portanto, reiterando a vertente da aptidão física como fator predominante na Educação Física. 


Palavras-chave


Ginástica Artística; Pesquisa bibliográfica; Periódicos; Educação Física; contexto escolar; Contexto não escolar.

Texto completo:

PDF 13

Referências


ALEIXO, I. S. et al. A instrução do professor na apresentação de tarefas no ensino de ginástica artística. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 313-330, jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/19391/16736. Acesso em: 6 nov. 2017.

ALEIXO, I. M. S.; MESQUITA, Isabel. O impacto de diferentes estratégias de ensino no desenvolvimento do conhecimento declarativo de iniciantes na ginástica artística. RBCE, Campinas, v. 38, n. 4, p. 349-357, out./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32892016000400349. Acesso em 08 jan. 2019.

AYOUB, E. Ginástica Geral e Educação Física Escolar. Campinas:Unicamp, 2003.

BARBIERI, A. F.; PORELLI, A. B. G.; MELLO, R. A. Abordagens, Concepções e Perspectivas de Educação Física Quanto à Metodologia de Ensino nos Trabalhos Publicados na Revista Brasileira de Ciências do Esporte (Rbce) em 2009. Motrivivência, Florianópolis, n. 31, p. 223-240, dez. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2008n31p223/13003. Acesso em: 25 fev. 2018.

BARROS, T. E. S. et al. Análise das publicações científicas sobre a ginástica artística. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 47, p. 67-81, mai. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/2016.Barrosetal.AnliseDasPublicaesCientficasSobreGA.RevMotrivivncia.pdf. Acesso em 8 jan. 2019.

BENCK, B. T.; DAVID, A. C.; CARMO, J. C. Déficits no equilíbrio muscular em jovens atletas de ginástica feminina. RBCE, Campinas, v. 38, n. 4, p. 342-348, out./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32892016000400342.. Acesso em 08 jan. 2019.

BRACHT, Valter. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRACHT, V.; MACHADO, T. S. O impacto do movimento renovador da educação física nas identidades docentes: uma leitura a partir da “teoria do reconhecimento” de Axel Honneth. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p. 849-860, jul./set. 2016.

BRUZI, A. T. et al. Comparação do tempo de reação entre atletas de basquetebol, ginástica artística e outros atletas. RBCE, Campinas, v. 35, n. 2, p. 469-480, abr./jun. 2013. Disponível em: hfile:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/1125-9005-1-PB.pdf. Acesso em: 6 nov. 2017.

CARBINATTO, M. V. et al. Campos de atuação em ginástica: estado da arte nos periódicos brasileiros. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p. 917-928, jul./set. 2016. Disponível em http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/61648/38860.. Acesso em 10 set. 2017.

CARBINATTO, M. V. et al. Motivação e Ginástica Artística no Contexto Extracurricular. Conexões, Campinas, v. 8, n. 3, p. 124-145, set./dez. 2010. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/issue/view/503/.. Acesso em: 5 set. 2017.

CARBINATTO, M. V. et al. Produção do conhecimento em ginástica: uma análise a partir dos periódicos brasileiros. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 4, p. 1293-1308, out./dez. de 2016b. Disponível em http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/61223.. Acesso em 10 set. 2017.

CARRARA, P.; MOCHIGUEKI, L. Análise biomecânica do crucifixo nas argolas. RBCM, Brasília, v. 16, n. 2, p. 83-91, 2008. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/825/880.. Acesso em: 6 nov. 2017.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA. História. 2017. Disponível em: http://www.cbginastica.com.br/. Acesso em: 20 nov. 2017.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

DIANNO, M. V. A ginástica olímpica no Brasil. RBCM, Brasília, v. 2, n. 2, p. 57-58, jul./ago. 1988. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/152/85.. Acesso em: 5 set. 2017.

DIANNO, M. V.; RIVET, R. E. Progressão de variáveis antropométricas e neuromotoras em um ano de treinamento de ginastas olímpicas femininas. RBCM, Brasília, v. 4, n. 1, p. 7-13, 1990. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/118/295.. Acesso em: 5 set. 2017.

DIANNO, M. V.; RIVET, R. E.; VATAVUK, M. C. Perfil de aptidão física de ginastas femininas. RBCM, Brasília, v. 3, n. 1, p. 26-36, 1989. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/73/94.. Acesso em: 6 nov. 2017.

FREITAS, M. V.; STIGGER, M. P. A formação de crianças para o esporte de alto rendimento: sobre “manobras” e diferentes apropriações nos treinos. Pensar a Prática, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 81-91, jan./mar. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/36808-Texto%20do%20artigo-170782-1-10-20160408.pdf. Acesso em: 6 nov. 2017.

GÜNTHER, H.. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22, n. 2, p. 201-209, mai./ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v22n2/a10v22n2. Acesso em: 14 ago. 2017.

LIMA, L. B. Q. et al. A ginástica artística na proposta curricular para Educação Física em São Paulo. Pensar a Prática, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 395-406, abr./jun. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/32162-Texto%20do%20artigo-153899-2-10-20160315.pdf. Acesso em: 6 nov. 2017.

LOPES, P.; OLIVEIRA, M. S.; NUNOMURA, M.. Motivação e ginástica artística na escola: a perspectiva do professor. RBCM, Brasília, v. 24, n. 1, p. 69-79, jan./mar. 2016. Disponível em: https://bdtd.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/5883/0. Acesso em: 5 set. 2017.

MATTOS, M.; ROSSETTO JUNIOR, A.; BLECHER, S. Metodologia da pesquisa em Educação Física. São Paulo: Phorte, 2008.

MEIRA, T. B.; NUNOMURA, M. Interação entre leptina, ginástica artística, puberdade e exercício em atletas do sexo feminino. RBCE, Campinas, v. 32, n. 1, p. 185-199, set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32892010000400013. Acesso em: 5 set. 2017.

NEVES, C. M. et al. Influência da mídia e comportamento alimentar de adolescentes atletas e não atletas de ginástica artística. RBCM, Brasília, v. 24, n. 2, p. 129-137, abr./jun. 2016. Disponível em: http://cev.org.br/biblioteca/influencia-da-midia-e-comportamento-alimentar-de-adolescentes-atletas-e-nao-atletas-de-ginastica-artistica. Acesso em: 5 set. 2017.

NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V. L. Compreendendo a Ginástica Artística. São Paulo: Phorte, 2005.

NUNOMURA, M. A Formação dos técnicos de ginástica artística: os modelos internacionais. RBCM, Brasília, v. 12, n. 3, p. 63-69, set. 2004. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/576/600.. Acesso em: 6 nov. 2017.

NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V. L. A ginástica artística no Brasil: reflexões sobre a formação profissional. RBCE, Campinas, v. 24, n. 3, p. 175-194, mai. 2003. Disponível em: http://www.revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/770/444.. Acesso em: 6 nov. 2017.

NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V. L.. Ginástica olímpica ou ginástica artística? Qual a sua denominação? RBCM, Brasília, v. 12, n. 4, p. 69-74, dez. 2004. Disponível em: http://cev.org.br/biblioteca/ginastica-olimpica-ginastica-artistica-qual-sua-denominacao. Acesso em: 5 set. 2017.

NUNOMURA, M.; PIRES, F. R.; CARRARA, P.. Análise do treinamento na ginástica artística brasileira. RBCE, Campinas, v. 31, n. 1, p. 25-40, set. 2009. Disponível em: http://www.rbce.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/viewFile/630/390. Acesso em: 6 nov. 2017.

NUNOMURA, M.; CARBINATTO, M. V.; CARRARA, P. D. S. Reflexão sobre um programa de formação profissional na ginástica artística. Pensar a Prática, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 469-483, abr./jun. 2013. Disponível em: file:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/ReflexaoFormPUBLICADO.pdf. Acesso em: 5 set. 2017.

NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V. L.; PÚBLIO, N.. S. Uma reflexão sobre o código de pontuação da Ginástica Artística. RBCE, Campinas, v. 20, n. 2e3, p. 148-153, abr./set. 1999. Disponível em: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/issue/viewIssue/86/1. Acesso em: 3 set. 2017.

NUNOMURA, M.; OLIVEIRA, M. S. Detecção e Seleção de Talentos na Ginástica Artística Feminina: A Perspectiva dos Técnicos Brasileiros. RBCE, Florianópolis, v. 36, n. 2, p. 311-325, abr./jun. 2014. Disponível em: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/1288/929.. Acesso em: 17jan. 2018.

PUBLIO, N. S. História da ginástica olímpica. RBCM, Brasília, v. 6, n. 1, p. 88-90, 1992. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/207/366. Acesso em: 5 set. 2017.

SANTOS, S. P. et al. Contribuições da aula de ginástica artística para o desenvolvimento das habilidades fundamentais. Conexões, Campinas, v. 13, n. 3, p. 65-84, jul./set.2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8640871. Acesso em: 6 nov. 2017.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Cientifico. São Paulo: Cortez, 2016.

SCHAIVON, L. M. et al. Análise da formação e atualização dos técnicos de ginástica artística do estado de São Paulo. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 3, p. 618-635, jul./set. 2014. Disponível em: file:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/29749-Texto%20do%20artigo-135021-2-10-20141010.pdf. Acesso em: 6 nov. 2017.

SCHIAVON, L. M.; NISTA-PICCOLO, V. L. A ginástica vai à escola. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 03, p. 131-150, set./dez. 2007. Disponível em file:///C:/Users/Neil/AppData/Local/Temp/3572-12211-1-PB.pdf. Acesso em 8 jan. 2019.

TRAJANO, R. W.; FRANCO, N. Time amador juvenil de futsal feminino de Barra do Garças-MT: rompendo limitações na construção do gênero mulher. Conexões, Campinas, v. 15, n. 1, p. 65-91, jan./mar.2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8646350/16136. Acesso em: 25 fev. 2017.

TSUKAMOTO, M. H. C.; NUNOMURA, M. Iniciação esportiva e infância: um olhar sobre a ginástica artística. RBCE, Campinas, v. 26, n. 3, p. 159-176, mai. 2005. Disponível em: http://cev.org.br/biblioteca/iniciacao-esportiva-infancia-um-olhar-sobre-ginastica-artistica. Acesso em: 5 set. 2017.

VIANA, A. R. et al. Controle postural e uso de informação visual em crianças praticantes e não praticantes de ginástica artística. RBCE, Campinas, v. 33, n. 3, p. 747-760, jul./set. 2011. Disponível em: http://www.revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/951/689.. Acesso em: 6 nov. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556.

Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.