O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE ATLETAS BRASILEIRAS NA GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO

Luciana Grafulim, Francine Costa de Bom, Alexandre Pacheco, Pedro Gabriel Ambrosio, Carolina Michels, Mariane de Oliveira Filastro, Guilherme de Sá, Elizangela Just Steiner, Kristian Madeira

Resumo


O objetivo deste estudo foi realizar uma análise bibliométrica das produções científicas relacionadas ao processo de formação de atletas na Ginástica Artística Feminina (GAF). Foram realizadas buscas de artigos científicos publicados até o mês de maio de 2018 em periódicos nacionais e bases de dados eletrônicas. A estratégia de busca foi elaborada utilizando-se palavras-chave e combinações entre elas por meio de operadores Booleanos. Foram identificados inicialmente 272 artigos. Após a exclusão dos artigos que não corresponderam com o objetivo da pesquisa, restaram 8 artigos para serem analisados. O ano de 2016 apresentou o maior número de publicações, sendo 3 de um total de 8. O autor que mais publicou foi Nunomura, com 4 publicações, e índice H de 3 pontos. A revista com mais publicações foi a Motriz (Jounal of Physical Education, UNESP), com 3 artigos publicados e Qualis B1. A universidade que mais publicou sobre o tema foi a Universidades de São Paulo (USP), com 4 publicações, representando metade das publicações. Portanto, conclui-se que há necessidade do aumento da carga de treinamento, o que indiretamente reflete na iniciação precoce das atletas, fenômeno que pode ocorrer pela demanda dos resultados, que decorre do processo de profissionalização da GAF no Brasil.


Palavras-chave


Ginástica Artística; Formação de atleta; Treinamento; Bibliométrica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, I.M. S.; MESQUITA, I. Impacto de diferentes estratégias de ensino no desenvolvimento do conhecimento declarativo de iniciantes na ginástica artística. Revista Brasileira Ciência Esporte. 2016.

ARKAEV, L.; SUCHILIN, N. Gymnastics: how to create champions. Oxford: Meyer & Meyer Sport, 2004.

BALYI, I. O desenvolvimento do praticante a longo prazo – sistema e soluções. Treino Desportivo, Lisboa, n. 23, p. 22-27, 2003.

BOMPA, T. O. Treinamento total para jovens campeões. São Paulo: Manole, 2002. 248 p.

BORTOLETO, M. A. C.; TOLEDO E.; AYOUB E; PAOLIELLO E. Ginástica: movendo pessoas, construindo cidadania. Unicamp/fef: Sesc, Campinas, p.1-418, 2014. Disponível em: <. https://www.fef.unicamp.br/fef/sites/uploads/posgraduacao/ebook-vii-forum-gg-outubro-2014.pdf>. Acesso em: 18 maio 2018.

DECIAN, Marluce Raquel et al. A produção do conhecimento em Educação Física e suas subáreas: um panorama a partir de periódicos nacionais da área. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, [s.l.], v. 22, n. 3, p.261-269, 1 maio 2017.

FALCÃO, José Luiz Cirqueira. A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA E A NECESSIDADE DE DIÁLOGOS COM OS MOVIMENTOS DA CULTURA POPULAR. Rev. Bras. Ciên. do Esporte, Campinas, v. 29, n. 1, p.143-161, set. 2007.

FREITAS, M. V.; STIGGER, M. A formação de crianças para o esporte de alto rendimento: sobre ‘manobras’ e diferentes apropriações dos treinos. Pensar a Prática, Goiânia, v. 19, n. 1, jan/mar. 2016.

HADJIEV, N. (12-13, setembro 1991). Gymnastics Chronic Trauma: Methodological Aspects. Trabalho apresentado em Simpósio Médico e Científico da Federação Internacional de Ginástica, Indiana, USA.

LIMA, L. B. Q.; MURBACH M. A.; FERREIRA M. D. T. O; SCHIAVON L. M. Análise das condições de desenvolvimento da ginástica artística no Estado de São Paulo. Revista Brasileira Educação Física Esporte, (São Paulo) 2016 Jan-Mar; 30(1):133-43 • 133.

NORMILE, D. Another milestone for Brazil. International Gymnast, Santa Monica, p. 17-19, dez. 2007.

NUNOMURA, M. Lesões na Ginástica Artística: principais incidências e medidas preventivas. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo. v. 8, n. 1, p. 21 – 29, jan./abr. 2002.

NUNOMURA, M.; CARRARA, P.; CARBINATTO, M. Análise dos objetivos dos técnicos na Ginástica Artística. Motriz, Rio Claro, v.16 n.1 p.95-102, jan./mar. 2010.

NUNOMURA, M.; CARRARA, P.; CARBINATTO, M. Ginástica artística competitiva: considerações sobre o desenvolvimento dos ginastas. Motriz, Rio Claro, v.15 n.3 p.503-514, jul/set. 2009.

NUNOMURA, M.; CARRARA, P.; TSUKAMOTO, M. Ginástica Artística e especialização precoce: cedo demais para especializar, tarde demais para ser campeão. Revista Brasileira Educação Física Esporte, São Paulo. v. 24, n. 3, p. 305 – 14, jun. / set. 2010.

NUNOMURA, M.; OLIVEIRA, M. Centro de excelência e ginástica artística feminina: A perspectiva dos técnicos brasileiros. Motriz, Rio Claro, v.18 n.2, p.378-392, abr./jun. 2012.

SCHIAVON, L. M. et al. Etapas e volume de treinamento das ginastas brasileiras participantes de Jogos Olímpicos (1980-2004). Motricidade © FTCD/CIDESD 2011, vol. 7, n. 4, pp. 15-26.

SCHIAVON, L. M.; PAES R. R.; TOLEDO E.; DEUTSCH S. Panorama da ginástica artística feminina brasileira de alto rendimento esportivo: progressão, realidade e necessidades. Educação Física Esporte, São Paulo, p.1-15, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v27n3/aop_1713.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2018.

SIMÕES, Regina et al. A produção acadêmica sobre ginástica: estado da arte dos artigos científicos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 30, n. 1, p.183-198, mar. 2016

TRICOLI, V.; SERRÃO, J. Aspectos científicos do treinamento esportivo aplicado à ginástica artística. In: NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V. N. Compreendendo a ginástica artística. São Paulo: Phorte, 2005.

WEINECK, J. Treinamento ideal. 9. ed. São Paulo: Ed. Manole, [2000?]. 740 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556.

Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.