Bacharel ou Licenciado Ampliado: a Relevância da Formação em Educação Física para o Gestor na Seleção Profissional para uma Academia

Andreza Scheffer Sanches, Ana Paula Hossel Garcia, Alexandre Scherer

Resumo


A Formação em Educação Física tem sofrido alterações significativas nos últimos anos e foi dividida em licenciatura e bacharelado. Em consequência, a intervenção na sociedade brasileira também tem se mostrado diferente. Objetivo: pensando na formação de um perfil profissional do bacharel em Educação Física e no atendimento das academias de ginástica, este estudo teve por objetivo verificar se os gestores de academias de Porto Alegre realizam a contratação de um novo profissional de Educação Física levando em consideração a sua formação acadêmica. Metodologia: foi utilizada uma metodologia qualitativa descritiva que envolveu entrevistas semiestruturadas com quatro gestores experientes responsáveis pela contratação e acompanhamento de profissionais de Educação Física nas academias. Resultados: a análise das informações foi realizada através da categorização dos dados onde foi possível constatar que os gestores consideram indispensável a formação em Educação Física, porém, não dão preferência em contratar profissional para a intervenção nas academias a partir do currículo de licenciatura ampliada ou de bacharelado. Conclusão: os entrevistados, entretanto, apontaram como aspectos mais relevantes o conhecimento de disciplinas biológicas como fisiologia e cinesiologia, além de valorizar os conhecimentos pedagógicos com relação ao atendimento dos clientes. Levam também em consideração a formação continuada e a proatividade.


Palavras-chave


Mercado de Trabalho; Educação Física e Treinamento; Desenvolvimento de Pessoal.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da educação. Conselho nacional de educação. Parecer CNE/CP 9/2001, de 17 de janeiro de 2002. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 18 jan. 2002.

BRASIL. Ministério da educação. Conselho nacional de educação. Resolução CNE/CP 01/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 17 jan. 2002.

BRASIL. Ministério da educação. Conselho nacional de educação. Resolução CNE/CP 02/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 17 jan. 2002.

BRASIL. Ministério da educação. Câmera de Educação Superior. Parecer CNE/CES 58/2004, de 19 de março de 2004. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 18 mar. 2004.

BRASIL. Ministério da educação. Câmera de Educação Superior. Resolução CNE/CES 07/2004, de 31 de março de 2004. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 18 mar. 2004.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. RESOLUÇÃO CONFEF Nº 046/2002. Disponível em: . Acesso em: 10 janeiro 2014.

NUNES, Marcello; VOTRE, Sebastião; SANTOS, Wagner dos. O profissional em educação física no Brasil: Desafios e perspectivas no mundo do trabalho. Motriz, Rio Claro, v.18, n. 2, p.280-290, abr./jun. 2012.

PRONI, Marcelo Weishaupt. Universidade, profissão Educação Física e o mercado de trabalho. Motriz, Rio Claro, v.16 n.3 p.788-798, jul./set. 2010.

SABA, Fábio. Aderência: à prática do exercício físico em academias. Barueri: Manole, 2001.

TAFFAREL, Celi Nelza Zulke. Currículo, formação profissional na educação física & esporte e campos de trabalho em expansão: antagonismos e contradições da prática social. Movimento, Porto Alegre, ano IV, n 7, p.43-51, 1997/2.

VEGA, Eunice Helena Tamiosso. As competências do professor de Educação Física na pós-modernidade: da realidade para a utopia. 2002. 159f. Dissertação (Mestrado) – Fac. De Educação Física, PUCRS, Porto Alegre, 2002.

QUADROS, A. S. O mundo do trabalho e as novas diretrizes curriculares na formação do profissional de Educação Física. 2005. 40f. Trabalho de Conclusão de curso (TCC) - Centro Universitário Metodista - IPA, Porto Alegre, 2005.

SEMINÁRIO UNIVERSIDADES REGIONAIS BRASILEIRAS, 2004, Lajeado. Anais do Seminário Universidades Regionais Brasileiras: elementos para uma proposta. Organização de Cristiane Reimers, Kleber Eckert. Lajeado: UNIVATES, 2004.

MILAGRES, Érica Fialho et al. Motivos de adesão à atividade física em academias de ginástica. Coleção Pesquisa em Educação Física, Vol. 8, nº1-2009, p. 143-148.

FURINO, Veronica Silva; SOARES, Lilian Fabiana da Silva; SANTOS, Daniela Lopes dos. Características de frequentadores de academias de ginástica do Rio Grande do Sul. Kinesis, Santa Maria, nº. 22, 2000.

FURTADO, Roberto Pereira. Novas tecnologias e novas formas de organização do trabalho do professor nas academias de ginástica. Pensar a Prática. v.10, n.2, p. 307-322, jul./dez. 2007.

SABA, Fábio. Mexa-se: atividade física, saúde e bem-estar. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2011.

ANGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. 7.reim. São Paulo: atlas, 2006

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luis Antero Reto, Augusto Pinheiro. Lisboa: 70, 2011.

RAMOS, Glauco N. S. Os estágios extracurriculares na preparação profissional em educação física. Movimento Percepção, Espírito Santo do Pinhal, v.1, p.127-141, 2002.

MARTINS, Christiane et al. Perfil do enfermeiro e necessidades de desenvolvimento de competências profissionais. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, p. 472-478, jul./set. 2006.

JOSSO, Christine Marie. Experiências da vida e formação. Editora Cortez: São Paulo, 2004.

GOMES, Paola Luzia. Licenciatura x Bacharelado: o currículo da educação física como uma arena de luta. Impulso, Piracicaba, p. 97-108, jan.-jun. 2011.

Lei 9.696, de 1º de setembro de 1998

GUAITA, Nicole R.; SILVA, Marcelo M. O professor de educação física e o status social: o caso regulamentação da profissão. Movimento, Porto Alegre, v.13, n. 01, p.131-149, janeiro/abril de 2007.

ZACARIAS, Ariceli Morais et al. Percepção dos profissionais em educação física sobre os conhecimentos de gestão para atuação no mercado de trabalho. In: Congresso Centro-Oeste de Ciências do Esporte, 4. Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 de outubro de 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº: 274/2011 de 06 de julho de 2011. Diário oficial da união, Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 de outubro de 2014.

PERRENOUD, Philippe et al. Formando professores profissionais: quais estratégias? quais competências? 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

GHILARDI. Formação profissional em educação física: a relação teoria e prática. Revista Motriz, São Paulo, V.4, nº.1, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556.

Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.