A EXPRESSÃO DO CORPO PELA CONDUTA MOTORA ORAL: UMA QUESTÃO DE GÊNERO

Julia Gonçalves Feitosa, Elaine Romero

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar se as questões de gênero influenciam a decisão dos responsáveis por
crianças de 4 a 6 anos, com distúrbios na conduta motora oral, a buscarem auxílio da Fonoaudiologia. A metodologia
escolhida insere-se no paradigma fenomenológico, fazendo uso da abordagem qualitativa. Participaram da investigação
quarenta e oito sujeitos, sendo doze meninos, doze meninas e vinte e quatro responsáveis pelos mesmos. Os instrumentos
empregados com as crianças foram: uma despistagem fonética/fonológica e uma entrevista sobre a construção do
gênero acompanhada por uma caixa de brinquedos; com os responsáveis, o instrumento utilizado foi uma entrevista
semi-estruturada. A despistagem revelou que todas as crianças avaliadas apresentavam distúrbios articulatórios. A entrevista
acompanhada pela caixa com brinquedos indicou que elas escolheram os brinquedos culturalmente considerados
adequados ao seu sexo. Os dados revelaram também que os responsáveis pelas crianças do estudo são influenciados
pelas questões de gênero a buscarem auxílio da Fonoaudiologia prioritariamente e predominantemente para os meninos.
Isso nos remete à escola, principalmente, quando as atividades recreativas permitem ao professor de Educação Física
contribuir na formação da imagem corporal do seu aluno e ainda favorecer o desenvolvimento da motricidade fina
infantil.
Palavras-chave: Conduta motora -- Gênero -- Fonoaudiologia -- Distúrbios articulatórios -- Educação Física

Palavras-chave


Conduta motora -- Gênero -- Fonoaudiologia -- Distúrbios articulatórios -- Educação Física

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556. Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.