PREVALÊNCIA DE LESÕES E SUAS IMPLICAÇÕES EM UM MURO DE ESCALADA INDOOR

Ricardo Sartorato, Sandro Sperandei

Resumo


Descrever a prevalência de lesões possivelmente relacionadas à escalada e suas implicações em um muro de escalada de uma academia. Materiais e Métodos: De 540 freqüentadores de um muro de escalada, foram selecionados 27 indivíduos para responder um questionário sobre lesões e seus hábitos de escalada. Os critérios mínimos de inclusão foram: ter escalado dois meses seguidos, com 23 dias de escalada e média de cinco dias de escalada por mês. Sete indivíduos não puderam ser encontrados no período do estudo. Os 20 indivíduos remanescentes apresentavam 19,4 anos (9,3) e nível técnico entre IV e 7a. Resultados: A prevalência de lesões em sete meses foi de 80%. A mão foi o principal local de lesão (75% - direita, 56% - esquerda). Devido à dor, 50% pararam de escalar, em média, por seis dias e 31% reduziram outras atividades físicas, em média, por 4,4 dias. A crioterapia foi o principal tratamento utilizado (31%). Métodos de prevenção foram adotados por 68,75% dos indivíduos. Conclusões: Mesmo em poucos meses, a prevalência de lesões é alta, sendo a mão o local mais afetado. Mais pesquisas são necessárias em relação ao treinamento com o objetivo de minimizar a prevalência de lesões em escalada.


Palavras-chave


Lesões Desportivas, Epidemiologia, Escalada

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556.

Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.