PARA ALÉM DO ENSINO DA HISTÓRIA NACIONAL: O EUROCENTRISMO E SUAS INTERPRETAÇÕES TEÓRICAS

Daniel Tiago de Vasconcelos

Resumo


Este trabalho descreve uma oposição entre a História Nacional e a História Geral que gera problemas para o ensino de História, tanto em nível dos conteúdos da cultura local quanto em aspectos macronarrativos. Para tal propósito, realizou-se uma revisão bibliográfica dos trabalhos que explicitamente propuseram-se a avaliar questões sobre o eurocentrismo nos debates da BNCC. A partir dos principais autores que discutem o eurocentrismo em nível internacional, esboçam-se caminhos que possam ser utilizados para criticar elementos comuns da herança eurocêntrica existente na disciplina, sem reproduzir marcos narrativos da historiografia do século XIX, como o de que o ensino deveria alcançar uma narrativa do grande Estado nacional em modernização, assim como uma avaliação das interpretações teóricas feitas sobre o que é o eurocentrismo no Brasil. Em contrapartida, propõe-se a aprendizagem das formas analíticas e narrativas segundo James Morris Blaut para a superação do difusionismo.

Palavras-chave


Eurocentrismo no ensino de História; BNCC; Difusionismo e História

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Bibliografia

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

BENNINGEN, Alexandre A. Muslim National Communism in the Soviet Union: A Revolutionary Stratagy for the Colonial Word. Chicago: The University of Chicago Press, 1980.

BLAUT, James Morris. The Colonizer’s Model of the World: Geographical Diffusionism and Eurocentric History. Nova Iorque: The Guildford Press, 1993.

BOYCE, Robert W. D. “Falácias na interpretação de dados históricos e sociais”. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George(orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. Tradução Pedrinho A. Guareschi . Petrópolis: Vozes, 2002. p. 445-469.

FRANK, Andreas Gunder. ReOrient: Global Economy in the Asian Age. Londres: University of California Press, 1998.

GOODY, Jack. O roubo da história: Como os europeus se apropriaram das ideias e invenções do Oriente. (tradução de Luiz Sérgio Duarte da Silva) São Paulo: Contexto, 2015.

LIAKOPOULOS, Miltos. “Análise Argumentativa.” In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George(orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. Tradução Pedrinho A. Guareschi . Petrópolis: Vozes, 2002. p. 218-243.

SAID, Edward W. O Orientalismo: O Oriente Como Invenção do Ocidente. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Artigos de Periódicos

CARDOSO, O. “Para uma definição de Didática da História.” In: Revista Brasileira de História. Vol. 28, n. 55, 2008. p. 153–170.

CHERVEL, André. “História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa.” In: Teoria e Educação. Porto Alegre, n. 2, 1990. p. 177-229.

FRANCISCO, G. DA S. “O Lugar da História Antiga no Brasil.” In: Mare Nostrum. Estudos sobre o Mediterrâneo Antigo. Vol. 8. 2017. p. 30–61.

GALVÃO, Cauê Almeida. “De mentes atadas se condiciona o saber: Eurocentrismo e colonialidade no ensino de história.” In: Educação no Século XXI. Vol. 44. 2019. p. 172-181.

LAVILLE, Christian. “A Guerra das Narrativas: Debates e Ilusões em torno do Ensino de História.” In: Revista Brasileira de História. São Paulo, Vol. 19, n. 36, 1999. p. 125-138.

LIMA, Douglas Mota Xavier de. “Uma História Contestada: A História Medieval na Base Nacional Comum Curricular (2015-2017).” In: Anos 90. Porto Alegre, Vol. 26. 2019. p. 1-21.

MATOS ANTONIO, Edna Maria. “Curriculum, historia atlântica y enseñanza de la historia, los desafíos de la BNCC Brasil (2015).” In: Clio & Associados. Vol. 29. 2019. p. 129-137.

MOERBECK, Guilherme; SOUZA, Francisco Gouveia. “Teoria, Escrita e Ensino da História: Além ou Aquém do Eurocentrismo?” In: In: Transversos. Rio de Janeiro, n. 16. 2019. p. 6-20.

MORENO, Jean Carlos. “Didática da História e Currículos Para o Ensino de História: Relacionando Passado, Presente e Futuro na Discussão Sobre o Eurocentrismo.” In: Transversos. Rio de Janeiro, n. 16. 2019. p. 125-147.

PEREIRA, N. M.; RODRIGUES, M. C. M. “BNCC e o passado prático: Temporalidades e produção de identidades no ensino de história.” In: Arquivos Analíticos de Políticas Educativas. Vol. 26, n. 107. 2018. p. 1-22.

SANTOS DE SÁ, Ana Paula dos. “Por que (não) Ensinar o Cânone Escolar: A(s) Literatura(s) nas Versões Preliminares da BNCC.” In: Cadernos de Letras UFF. Niterói, Vol. 27, n. 55. 2017. p. 209-236.

SILVA JÚNIOR, Astrogildo Fernandes da. “BNCC, Componentes Curriculares de História: Perspectivas e Superação do Eurocentrismo.” In: EccoS. N. 41. São Paulo, 2016. p. 91-106.

SILVA, Marcos Antônio da Silva; SELVA, Guimarães Fonseca. “Ensino de História hoje: errâncias, conquistas e perdas.” In: Revista Brasileira de História. Vol. 31. n. 60. São Paulo, 2010. p. 13-33.

SOUZA, Matheus Vargas. “O Ensino de História Antiga em Debate: Educação com Pluralidade ou Tradicionalismo Acadêmico?” In: História & Ensino. Londrina, Vol. 25, n. 1. 2019. p. 571-588.

TEIXEIRA, Igor Salomão; PEREIRA, Nilton Mullet. “A Idade Média nos currículos escolares: as controvérsias nos debates sobre a BNCC.” In: Diálogos. Vol. 20, n. 3. 2017. p. 16-29.

Publicações em anais de Congresso

BRAZÃO, Diogo Alchorne. “A BNCC como um território de disputas de poder: As permanências e rupturas do pensamento eurocêntrico no componente curricular de História da Base Nacional Comum Curricular.” In: XXIX Simpósio Nacional de História. (Disponível em: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502851 740_ARQUIVO_BNCCcomoterritoriodedisputas-DiogoBrazao-ANPUH.pdf , Acesso em: 05/02/2020).

Teses e Dissertações

BORTOLUCCI, José Henrique. Pensamento Eurocêntrico, Modernidade e Periferia: Reflexões sobre o Brasil e o Mundo Muçulmano. DISSETAÇÃO. São Paulo: USP, 2009.

BRAZÃO, Diogo Alchorne. Entre o Colonial e o Decolonial: A Base Nacional Comum Curricular como Território de Disputas. DISSETAÇÃO. São Gonçalo: UERJ, 2018.

SAMPAIO, Leonardo Grokoski. Projetos de Modernidade: Crítica ao Fundamentalismo Epistemológico na Construção do Ensino de História na Base Nacional Comum Curricular. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Brasília: UnB, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com