NILTON VIROU MILTON: A MORTE QUASE IGNORADA DE UM EXILADO POLÍTICO NAS PÁGINAS DOS JORNAIS BRASILEIROS

Maurício Marques Brum

Resumo


Exilado no Chile por razões políticas, o estudante brasileiro Nilton Rosa da Silva foi assassinado em Santiago, em 15 de junho de 1973, durante um confronto de rua entre militâncias políticas opostas. Filiado ao Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR), Nilton foi alvejado por membros da Frente Nacionalista Patria y Libertad (FNPL), grupo de ultradireita que naquele dia participava de uma marcha contrária ao governo de Salvador Allende. A análise do conteúdo de seis jornais brasileiros de grande circulação, durante a segunda quinzena de junho de 1973, possibilitou levantar o noticiário a respeito do assassinato. Constatou-se que, num contexto de censura, autocensura e repressão, os diários analisados tiveram sua cobertura prejudicada, dependendo fortemente do material proveniente de agências de notícias estrangeiras. A falta de aprofundamento da imprensa brasileira no caso parece ter sido um fator importante para que Nilton Rosa da Silva fosse ignorado em muitas narrativas posteriores sobre o exílio. Para esta análise, foram consultados os acervos de Correio do Povo e Zero Hora, em Porto Alegre, de Correio da Manhã e Jornal do Brasil, no Rio de Janeiro, e de O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo, na capital paulista.

Palavras-chave


Agências de notícias; Imprensa brasileira; Nilton Rosa da Silva;

Texto completo:

PDF

Referências


Livros

BASSO PRIETO, Carlos. La CIA en Chile. Santiago de Chile: Aguilar, 2013.

CONGER, Amy. Nilton da Silva Rosa, June 17, 1973, Santiago: “We Don’t Forget the Color

of Blood”. Telluride: Nolvido Press, 2010.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: O breve século XX (1914-1991). São Paulo:

Companhia das Letras, 1995.

MARAMBIO, Max. Las armas de ayer. Santiago de Chile: La Tercera, 2007.

MONIZ BANDEIRA, Luiz Alberto. Fórmula para o caos: Ascensão e queda de Salvador

Allende (1970-1973). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

PRATS GONZÁLEZ, Carlos. Memorias: Testimonio de un soldado. 3.ed. Santiago de Chile:

Pehuén, 1985.

RIVAS, Patricio. Chile, un largo septiembre. Santiago de Chile: LOM, 2007.

SECRETARÍA GENERAL DE GOBIERNO. Libro Blanco del Cambio de Gobierno en

Chile. 2.ed. Santiago de Chile: Lord Cochrane, 1973.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro: Mauad,

TORRES, Osvaldo. Democracia y Lucha armada: MIR y MLN-Tupamaros. Santiago de

Chile: Pehuén, 2012.

TOURAINE, Alain. Vida e Morte do Chile Popular. Amadora: Bertrand, 1974.

VERDUGO, Patricia. Chile, 1973: como os EUA derrubaram Allende. Rio de Janeiro: Revan,

WINN, Peter. A Revolução Chilena. São Paulo: UNESP, 2010.

Capítulos

BOURDIEU, Pierre. A influência do jornalismo. In: ______. Sobre a Televisão. Rio de

Janeiro: Zahar, 1997, p. 99-120.

CHAMPAGNE, Patrick. A visão mediática. In: BOURDIEU, Pierre (org.). A miséria do

mundo. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 63-79.

KUCINSKI, Bernardo. A primeira vítima: a autocensura durante o regime militar. In:

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci (org.). Minorias silenciadas: História da Censura no Brasil.

São Paulo: Editora da USP, 2002, p. 533-551.

LISBÔA, Susana Keniger. Anexo II – Rio Grande do Sul: Militantes Mortos e Desaparecidos.

In: PADRÓS, Enrique Serra et al (org.). A Ditadura de Segurança Nacional no Rio Grande

do Sul (1964-1985): história e memória, vol. 2, Repressão e Resistência nos “Anos de

Chumbo”. Porto Alegre: Corag, 2010, p. 267-301.

SMITH, Anne-Marie. Um acordo forçado: o consentimento da imprensa à censura no Brasil.

Rio de Janeiro: FGV, 2000.

Textos em jornais

ELLWANGER, Raul. Chile: 11 de setembro de 1973. Zero Hora, Porto Alegre, 11 set. 2012,

p. 18.

Artigos de periódicos

HESTER, Albert L. The news from Latin America via a world news agency. International

Communication Gazette, v. 20, n. 2, p. 82-98, 1974.

NARANJO, Pedro et al (org.). Miguel Enríquez y el proyecto revolucionario en Chile:

Discursos y documentos del Movimiento de Izquierda Revolucionaria, MIR. Santiago de

Chile: LOM, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com