VIDA E OBRA DE JEAN-MARIE LE CLÉZIO: UM CRÍTICO DA SOCIEDADE POSCOLONIAL

Rodrigo Gonçole Lage

Resumo


O objetivo desse trabalho é apresentar a vida e obra do escritor Jean-Marie Gustave Le Clézio. Analisamos seu estilo e os temas com os quais trabalha – examinando como sua história pessoal e familiar foi utilizada para a crítica das sociedades poscoloniais. Abordamos igualmente algumas questões referentes às traduções e a fortuna crítica em português.

Palavras-chave


Jean-Marie Gustave Le Clézio; Literatura pós-colonial; Literatura moderna;

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUNÇÃO, Islene França de. 35 f. “Villa Autore”, de J.-M. Gustave Le Clézio: duplicações

literárias. Monografia (Bacharelem Letras) – UNESP, Araraquara, 2010. Disponível em:

________. “Villa Autore”, de Le Clézio: o conto da infância. Cadernos de Pós-Graduação

em Letras, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 1-19, 2012. Disponível em:

.

CAMARANI, Ana Luiza Silva. A tradição literária poética e sensorial em Le Clézio.

Itinerários, Araraquara, n. 31, p. 59-68, 2010. Disponível em:

.

CASTELLO, José. Leia entrevista de Le Clézio publicada no 'Estado' em 1997. O Estado,

São Paulo, 09 out. 2008. Disponível em:

entrevista-de-le-clezio-publicada-no-estado-em-1997,256740,0.htm>.

CIRELLI, Gabriella. Nobel laureate Le Clezio gives book reading and signing at UNC. The

Daily Tar Heel, Chapel Hill, 17 abr. 2013. Disponível em:

.

COLOMBIA, Universia. Pela primeira vez um Prêmio Nobel coincidirá à Feira

Internacional do Livro de Bogotá. 15 fev. 2013. Disponível em:

nobel-concurrira-feria-internacional-libro-bogota.html>.

CORRÊA, Marília Alves. A coexistência entre realismo e mitologia em Le chercheur d‟or.

Anais do SILEL, Uberlândia, v. 3, n. 1, p. 1-12, 2013. Disponível em:

.

CUNHA, Betina Ribeiro Rodrigues da. J.M.G. le Clézio, prêmio Nobel de Literatura: prazer

em conhecê-lo. Evidência, Araxá, v. 05, n.05, p. 175-178, 2009. Disponível em:

.

________. Eu e o outro que me habita: memória e criação em Le Clézio. Revista ALPHA,

Patos de Minas, n. 11, p. 96-104, 2010. Disponível em:

.

________. Ficção e memória: o universal, o particular e o fragmentado em Le Clézio.

Evidência, Araxá, v. 05, n. 05, p. 179-190, 2009. Disponível em:

.

FERREIRA, Rui Diogo Marques. 117 f. A tradução literária numa perspectiva metodológica:

problemas de tradução em Le Livre des fuites, de J.M.G. Le Clézio. Dissertação (Mestrado

em Tradução) – Universidade de Coimbra, Coimbra, 2010. Disponível

em:

mestrado_prjecto_Rui%20Ferreira.pdf >.

GARRIDO, Maria Dolores Martins das Neves Sousa. 200 f. ERRÂNCIA: uma busca de

comunhão universal em contos de J.M.G. Le Clézio. Dissertação (Mestrado em Línguas e

Literatura Românicas Modernas e Contemporâneas) – Universidade do Porto, Porto, 1998.

Disponível em: .

GIL, María Luisa Bernabé. 430 f. Narración y mito, dimensiones del viaje en Le chercheur

d'or y La Quarantaine de J.M.G. Le Clézio. Tese (Doutorado em Filología Francesa) –

Universidad de Granada, Granada, 2005. Disponível em:

GUTIÉRREZ, Yvonne Cansigno. Las traducciones sagradas de J.M.G. Le Clézio en México,

Palabra y el Hombre, México, n 121, p. 53-67, 2002. Disponível em:

.

LAGE, Rodrigo Conçole. As Marcas da Herança Colonial em V. S. Naipaul. O Guari, União da Vitória, v. 01, p. 1, 2013a. Disponível em:

marcas-da-heranca-colonial-em-v-s.html >.

________. A literatura engajada de Toni Morrison. O Guari, União da Vitória, v. 01, p. 1,

b. Disponível em:

morrison.html>.

LE CLÉZIO, Jean-Marie Gustave. A febre. Trad. Liberto Cruz. Lisboa: Ulisseia, 1967. 341p.

________. Deserto. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Brasiliense, 1987. 405p.

________. Índio Branco. Trad. Júlio Henriques. Lisboa: Edições Fenda, 1989. 132p.

________. Estrela Errante. Trad. Maria do Carmo Abreu. Lisboa: Publicações Dom Quixote,

295p.

________. O caçador de tesouros. Trad. Ernesto Sampaio. Lisboa: Edições Assírio & Alvim,

306p.

________. A Quarentena. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras,

368p.

________. O Peixe Dourado. Trad. Maria Helena Rodrigues de Souza. São Paulo:

Companhia das Letras, 2001. 216 p.

________. O Africano. Trad. Leonardo Fróes. São Paulo: Cosac Naify, 2007. 136 p.

________. O Processo de Adão Pollo. Trad. Manuel Vilaverde Cabral. Lisboa: Europa-

América, 2008. 200 p.

________. Refrão da Fome. Trad. Leonardo Fróes. São Paulo: Cosac Naify, 2009. 248p.

________. Pawana. Trad. Leonardo Fróes. São Paulo: Cosac Naify, 2009. 64 p.

________. Diego e Frida. Trad. Vera Lúcia dos Reis. Rio de Janeiro: Record, 2010. 240p.

________. Raga: abordagem do continente invisível. Trad. Clóvis Marques. Rio de Janeiro:

Record, 2011. 126p.

________. História do pé e outras fantasias. Trad. Leonardo Fróes. São Paulo: Cosac Naify,

320 p.

MAIA, Maria Fernanda Costa Moreira de Oliveira. 101 f. Memória e Ficção em L‟Africain e

em Ritournelle de la faim de J.-M.G.Le Clézio. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários

Culturais e Interartes - Estudos Comparatistas) – Universidade do Porto, Porto, 2010.

Disponível em: .

MARTINS, André de Carvalho. 144 f. EN e Y nas traduções dos romances 'O africano',

'Pawana' e 'Refrão da fome' de J.M.G. Le Clézio. Dissertação (Mestrado em Estudos da

Tradução) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013. Disponível em:

.

MENDES, Ana Paula Coutinho. Nobel da Literatura: J.M.G. Le Clézio: um hino à literatura

e ao mundo sustentáveis. Brotéria, Lisboa, 2008, ano 6, v. 167. p. 437-442. Disponível em:

.

MILANEZE, Érica. 207 f. Viagens „ao outro lado‟: o percurso poético lecleziano. Tese

(Doutorado em Estudos Literários) – UNESP, Araraquara, 2008. Disponível em:

.

PADILLA, Nelson Fredy. Le Clézio y Villoro: la charla más comentada del Hay Festival de

Cartagena; por Nelson Freddy Padilla. Prodavinci, 04 fev. 2015. Disponível em:

hay-festival-de-cartagena-por-nelson-freddy-padilla/>.

PETEAN, Antonio Carlos Lopes. Breves comentários sobre a obra O Africano, de Jean-

Marie Gustave Le Clézio. SOLETRAS, Rio de Janeiro, ano XI, n. 22, p. 82-87, 2011.

Disponível em: .

PITILLO, Giovanni Ferreira. 198 f. Le Clézio e a aventura do narrar: um estudo de La

Quarantaine. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – UNESP, Araraquara, 2009.

Disponível em: .

SABOGAL, Winston Manrique. La literatura del mundo vence al diluvio en Bogotá. El País,

Madrid, 01 mai. 2013. Disponível em:

.

________. Vargas Llosa y Le Clézio, dos nómadas que se cruzan en Segovia. El País, Madrid,

set. 2014. Disponível em:

.

SANTOS, Daniel Baz dos. Autobiografia e memória em O africano, de Le Clézio. E-scrita,

Nilópolis, v. 4, n. 4, p. 44-55, 2013. Disponível em:

SANTOS, Luciane Alves. 219 f. Désert e Poison d‟or: reescritura da memória e busca de

origens. Tese (Doutorado em Língua e Literatura Francesa) – USP, São Paulo, 2008a.

Disponível em:

br.php>.

________. A Memória do Deserto. EUTOMIA, Recife, ano 1, n. 1, p. 367-375, 2008b.

Disponível em:

artigos/Luciane-ALves-Santos-USP.pdf>.

SANTOS, Maria Paula Silva Costa Alves dos. 138 f. Viagem e Utopia em J.- M. G. Le Clézio

– Le Chercheur d‟or e Voyage à Rodrigues. Dissertação (Mestrado em Estudos Românicos –

Área de Especialização: Estudos Franceses) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2009.

Disponível em: .

SIMÕES, Maria João. Novos Veios da Literatura Comparada: Imagologia e Estereótipos em

Le Clézio, Lídia Jorge e Fay Weldon. Ata Virtual. In: VI Congresso Nacional Associação

Portuguesa de Literatura Comparada. Universidade do Minho, 2009. Disponível em:

.

SOUSA, Germana Henriques Pereira de. Le livre des fuites, de J. M. G. Le Clezio: errância e

linguagem. Revista Cerrados, Brasília, 2012, v. 21, n. 33, p. 73-92. Disponível em:

.

________. Traduzindo Mondo, de Jean-Marie-Gustave Le Clézio. Cadernos de Literatura em

Tradução, São Paulo, 2011, n. 12, p. 295-307. Disponível em:

.

SUTIL, Cruz Alonso. 423 f. El tema del viaje em la narrativa francesa contemporanea: J.

M.G. Le Clézio y Jean Echenoz. Tese (Doutorado em Filologia Francesa) – Universidad

Complutense de Madrid, Madrid, 2005. Disponível em: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com