A TRAGÉDIA ÁTICA E O TEATRO DE SCHILLER

Géssica Góes Guimarães Gaio

Resumo


Este artigo tem como objetivo explorar a influência das lições de Aristóteles e do teatro ático na concepção schilleriana de tragédia. Acredito que, mesmo de maneira indireta, Schiller tenha sido grandemente afetado pela tradição grega, e que suas peças, por vezes, se aproximavam do papel social que as tragédias desempenharam na Grécia antiga. Sem nenhuma pretensão de minimizar a presença dos categóricos kantianos na reflexão e produção artística de Schiller, meu intuito aqui consiste em investigar a extensão da arte clássica na construção do ideal de teatro e nação na obra de um dos maiores expoentes da cultura germânica na passagem do século XVIII para o XIX.

Palavras-chave


Friedrich Schiller; Tragédia; Poética;

Texto completo:

PDF

Referências


Livros

ALLISON, Henry E. Kant’s Transcendental Idealism. New Haven, CT: Yale University

Press, 1983.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Edipro, 2011.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo:

Perspectiva, 2004.

BARBOSA, Ricardo. Schiller e a cultura estética. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BEISER, Frederick. SCHILLER as a Philosopher: a Re-Examination. Oxford: Oxford

University Press, 2005.

CORNEILLE, Pierre. O Cid e Horácio. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

COURTINE, Jean-François. A tragédia e o tempo da História. São Paulo: Editora 34, 2006.

DETIENNE, Marcel. Os mestres da verdade na Grécia arcaica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,

ÉSQUILO. SÓFOCLES. EURÍPIDES. Os persas, Electra e Hécuba. Rio de Janeiro: Jorge

Zahar, 2007.

EURÍPIDES. Medéia/As bacantes. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês.

Rio de Janeiro: EdUerj/Contraponto, 1999.

LESSING. Dramaturgia de Hamburgo. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2005.

______. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. São Paulo: Iluminuras,

LESKY, Albin. A tragédia grega. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LIMA, Luiz Costa. Mímesis e modernidade: formas das sombras. São Paulo: Paz e Terra,

MACHADO, Roberto. O nascimento do trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia ou Helenismo e pessimismo. São Paulo:

Companhia das Letras, 1992.

PANOFSKY, Erwin. Idea: contribuição à história do conceito da antiga teoria da arte. São

Paulo: Martins Fontes, 1994.

SCHILLER, Friedrich. A noiva de Messina, ou Os irmãos inimigos: tragédia com coros. São

Paulo: Cosac & Naify, 2004.

______. A educação estética do homem. São Paulo: Iluminuras, 2002.

______. Maria Stuart. São Paulo: Abril Cultural, 1977.

______. Teoria da tragédia. São Paulo: EPU, 1991.

SHAKESPEARE, William. Hamlet, Rei Lear, Macbeth. São Paulo: Abril, 2010.

SNELL, Bruno. A descoberta do espírito. Rio de Janeiro: Edições 70, 1992.

VEIGA, Guilherme. Teatro e teoria na Grécia Antiga. 2a ed. Brasília: Thesaurus, 2008.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São

Paulo: Perspectiva, 2008.

Artigos

SANTOS, Adilson. “A tragédia grega um estudo teórico”. In: Revista Investigações, vol. 18,

no 1, pp. 45-67, 2005.

Capítulos de livros

CURY, Mário da Gama. “Apresentação”. In: Os Persas/Ésquilo. Electra/Sófocles.

Hécuba/Eurípides. 6a ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

ROSENFELD, Anatol. Introdução. In: SCHILLER, Friedrich. Teoria da tragédia. São Paulo:

EPU, 1991.

SCHELLING, Friedrich. Sobre o coro. In: SCHILLER, Friedrich. A noiva de Messina, ou Os

irmãos inimigos: tragédia com coros. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com