Invertendo a ordem geracional: a relação das crianças da zona rural de Orobó (PE) com as novas TIC’s

Patrícia Oliveira S. dos Santos, Maria de Assunção Lima de Paulo

Resumo


O presente trabalho, desdobramentos de pesquisas sobre a infância rural na cidade de Orobó
(PE), objetiva discutir um fenômeno relativamente recente na região e que nos tem chamado
a atenção: o crescente uso do acesso à internet pelas crianças da zona rural e uma inversão da
ordem geracional, através da qual as crianças ensinam aos adultos a como fazer uso das novas
TIC’s, contribuindo para um processo de subversão da ordem do processo de transmissão do
conhecimento no mundo rural. Nesse cenário, destacamos, sobretudo, o acesso à internet por meio do smartphone, ganhando destaque a relação com as redes sociais como o whatsapp e o youtube. Metodologicamente, o trabalho se enquadra numa perspectiva qualitativa, na qual a etnograia foi a base para o desenvolvimento da pesquisa atrelada ao uso da observação participante.
Palavras-chave: crianças, geração, zona rural, novas TIC’s.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, A. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: FARIA, A. L. G. de; FINCO, D. (Org.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

ALMEIDA, N. A.; ALVES, N. de A.; DELICADO, A. As crianças e a internet em Portugal: perfis de uso. Sociologia, problemas e práticas, n. 65, p.9-30, 2011.

ALMEIDA, N. A. et al. Crianças e internet: a ordem geracional revisitada. Análise Social, 207, XLVIII (2.º), 2013.

BERNARDES, J. C.; VIEIRA, S. C.; BOMFIM, E. B.; SANT’ANA, R. C. G. O uso das tecnologias de informação e comunicação na agricultura familiar: um caminho para a sustentabilidade. Fórum Ambiental da Alta Paulista, 11, 2015, p. 113-127.

CABELLO, P.; CLARO, M.; CABELLO-HUTT, T. Mediação parental no uso de tic segundo a percepção de crianças e adolescentes brasileiros: reflexões com base na pesquisa tic kids online brasil 2014. In: Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil 2015. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

CARDOSO, D. S. A cultura do quarto e o uso excessivo da internet. Resultados nacionais do inquérito Eu kids online. In: PONTE, C.; JORGE, A.; SIMÕES, J. A.; CARDOSO, D. S. (Org.). Crianças e internet em Portugal. Acessos, usos, riscos, mediações: resultado do inquérito Europeu Eu kids online. Coimbra: Ed. Minerva, 2012.

CARNEIRO, M. J. (Org.). Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad, 2012.

CARVALHO, M. R.; NUNES, A. Questões metodológicas e epistemológicas suscitadas pela Antropologia da Infância. Anais do 31º Encontro da ANPOCS, Caxambu, 2007.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL – CGI.br. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Domicílios e Empresas do Brasil – TIC Domicílios 2014. Coord. Alexandre F. Barbosa. São Paulo: CGI.br, 2015.

DANTAS, T.; GODOY, R. Youtubers mirins: mera expressão artística ou trabalho infantil? In: Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

FRIEDMANN, A. O brincar na educação infantil: observações, adequações e inclusão. São Paulo: Moderna, 2012.

LIVINGSTONE, S. et al. (Org.). UE Kids on Line. Comparing Children’s Online Opportunities and Risks across Europe [relatório]. Londres: LSE, 2008.

MARTINS FILHO, A. J.; BARBOSA, M. C. S. Metodologias de pesquisas com crianças. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.18, n. 2, p. 8-28, jul./dez, 2010.

PAIVA, N. M. N. de; COSTA, J. da S. A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça. Psicologia.pt: o portal dos psicólogos, 2015.

PAULO, L. A. M.; WANDERLEY, B. N. M. Jovens rurais de Orobó: a realidade do presente e os sonhos para o futuro – pesquisa exploratória. In: SCOTT, P.; CORDEIRO, R. Agricultura familiar e gênero: práticas, movimentos e políticas públicas. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2006.

PIRES, F. F. O que as crianças podem fazer pela antropologia? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 137-157, jul./dez.2010.

PRENSKY, M. Nativos digitais, imigrantes digitais. 2001. Disponível em: .

RIBEIRO, E. M. et al. Rural e urbano, crianças e agricultores: os encontros no sítio de Saluzinho. Revista Agriculturas: experiências em agroecologia, v.12, n.2, p. 15-22, 2015.

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – SECOM. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira.

SILVA, L. A. O sertão para além da estética da boniteza da dor: reflexões a partir de Catingueira – PB. Inter Espaço, Grajaú, v. 3, n. 9, p. 66-87, mai./ago. 2017.

SILVA, L. A. As Crianças e a Etnografia: Criatividade e imaginação na pesquisa de campo com crianças. Iluminuras, Porto Alegre, v. 16, n. 38, p.140-164, jan./jul. 2015.

SOUSA, L. E. Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, 2014.

WOORTMANN, K. Com parente não se ‘neguceia’. O campesinato como ordem moral. Brasília: Editora Universitária de Brasília/Tempo Brasileiro, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902