Invertiendo el orden geracional: la relación de los niños de la zona rural de Orobó (PE) con las nuevas TIC

Patrícia Oliveira S. dos Santos, Maria de Assunção Lima de Paulo

Resumo


El presente trabajo, proveniente de investigaciones sobre la infancia rural en la ciudad de Orobó
(PE), tiene como objetivo discutir un fenómeno relativamente reciente en la región y que nos ha
llamado la atención, el creciente uso del acceso a Internet por los niños de la zona rural y una
inversión del orden generacional donde los niños enseñan a los adultos a cómo hacer uso de las
nuevas TIC, contribuyendo a un proceso de subversión del orden del proceso de transmisión del
conocimiento en el mundo rural. En este escenario, si destacamos, sobre todo, el acceso a internet a través del smartphone, destáquese hace signiicativa la relación con las redes sociales del whatsapp y el youtube. Metodológicamente el trabajo se encuadra en una perspectiva cualitativa, donde la etnografía fue la base para el desarrollo de la investigación vinculada al uso de la observación participante.
Palabras clave: niños, generación, zona rural, nuevas TIC.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, A. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: FARIA, A. L. G. de; FINCO, D. (Org.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

ALMEIDA, N. A.; ALVES, N. de A.; DELICADO, A. As crianças e a internet em Portugal: perfis de uso. Sociologia, problemas e práticas, n. 65, p.9-30, 2011.

ALMEIDA, N. A. et al. Crianças e internet: a ordem geracional revisitada. Análise Social, 207, XLVIII (2.º), 2013.

BERNARDES, J. C.; VIEIRA, S. C.; BOMFIM, E. B.; SANT’ANA, R. C. G. O uso das tecnologias de informação e comunicação na agricultura familiar: um caminho para a sustentabilidade. Fórum Ambiental da Alta Paulista, 11, 2015, p. 113-127.

CABELLO, P.; CLARO, M.; CABELLO-HUTT, T. Mediação parental no uso de tic segundo a percepção de crianças e adolescentes brasileiros: reflexões com base na pesquisa tic kids online brasil 2014. In: Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil 2015. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

CARDOSO, D. S. A cultura do quarto e o uso excessivo da internet. Resultados nacionais do inquérito Eu kids online. In: PONTE, C.; JORGE, A.; SIMÕES, J. A.; CARDOSO, D. S. (Org.). Crianças e internet em Portugal. Acessos, usos, riscos, mediações: resultado do inquérito Europeu Eu kids online. Coimbra: Ed. Minerva, 2012.

CARNEIRO, M. J. (Org.). Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad, 2012.

CARVALHO, M. R.; NUNES, A. Questões metodológicas e epistemológicas suscitadas pela Antropologia da Infância. Anais do 31º Encontro da ANPOCS, Caxambu, 2007.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL – CGI.br. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Domicílios e Empresas do Brasil – TIC Domicílios 2014. Coord. Alexandre F. Barbosa. São Paulo: CGI.br, 2015.

DANTAS, T.; GODOY, R. Youtubers mirins: mera expressão artística ou trabalho infantil? In: Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

FRIEDMANN, A. O brincar na educação infantil: observações, adequações e inclusão. São Paulo: Moderna, 2012.

LIVINGSTONE, S. et al. (Org.). UE Kids on Line. Comparing Children’s Online Opportunities and Risks across Europe [relatório]. Londres: LSE, 2008.

MARTINS FILHO, A. J.; BARBOSA, M. C. S. Metodologias de pesquisas com crianças. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.18, n. 2, p. 8-28, jul./dez, 2010.

PAIVA, N. M. N. de; COSTA, J. da S. A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça. Psicologia.pt: o portal dos psicólogos, 2015.

PAULO, L. A. M.; WANDERLEY, B. N. M. Jovens rurais de Orobó: a realidade do presente e os sonhos para o futuro – pesquisa exploratória. In: SCOTT, P.; CORDEIRO, R. Agricultura familiar e gênero: práticas, movimentos e políticas públicas. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2006.

PIRES, F. F. O que as crianças podem fazer pela antropologia? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 137-157, jul./dez.2010.

PRENSKY, M. Nativos digitais, imigrantes digitais. 2001. Disponível em: .

RIBEIRO, E. M. et al. Rural e urbano, crianças e agricultores: os encontros no sítio de Saluzinho. Revista Agriculturas: experiências em agroecologia, v.12, n.2, p. 15-22, 2015.

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – SECOM. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira.

SILVA, L. A. O sertão para além da estética da boniteza da dor: reflexões a partir de Catingueira – PB. Inter Espaço, Grajaú, v. 3, n. 9, p. 66-87, mai./ago. 2017.

SILVA, L. A. As Crianças e a Etnografia: Criatividade e imaginação na pesquisa de campo com crianças. Iluminuras, Porto Alegre, v. 16, n. 38, p.140-164, jan./jul. 2015.

SOUSA, L. E. Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, 2014.

WOORTMANN, K. Com parente não se ‘neguceia’. O campesinato como ordem moral. Brasília: Editora Universitária de Brasília/Tempo Brasileiro, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902