Considerações filosóficas sobre o autor e a obra literária

Marina Valesquino Affonso dos Santos

Resumo


A reflexão que aqui se registra tem como princípio norteador o pensamento do filósofo Michel Foucault e suas considerações sobre a historicidade ocidental da linguagem e seus campos discursivos, sobre seu interesse pelo saber como fonte de investigação, tendo como pano de fundo a escrita artística como um viés importante para se conhecer a especificidade dos saberes de cada época. O desenvolvimento central foi dividido em dois tópicos que constroem os seguintes raciocínios: no primeiro tópico, a palavra pronunciada e a escrita, assim como sua representação com uma cronologia e um caráter direcional que interliga o único ao todo, de acordo com sucessivos acontecimentos históricos – a epistémê e o a priori histórico –, que correspondem à origem e ao significado da linguagem e que foram consideradas, pelo filósofo, no livro As Palavras e as Coisas; a intencionalidade, os planos discursivos e a ação em relação ao autor, autoria e autoridade são temáticas do segundo tópico, que tem como ponte para reflexão o ensaio O que é um Autor?, no qual essas questões se encontram bem delineadas, e que nos faz repensar sobre a causa principal daquilo que está escrito.


Texto completo:

PDF

Referências


EAGLETON, Terry. Estruturalismo e semiótica. In: Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 137-189.

FOUCAULT, Michel. Las meninas. In: As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Lisboa: Edições 70. 2005. p. 59-71.

______. A prosa do mundo. In: As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Lisboa: Edições 70. 2005. p. 73-99.

______. O que é um Autor? In: Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2006. p. 264-298.

SOARES, Maria Lúcia de Amorim; PETRANELLA, Leandro. 1968, o ano que ainda faz pensar: intelectuais indagam sobre a irrupção dos jovens na sociedade industrial. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), Sorocaba, vol.14, nº 2, jul. 2009. Disponível em: Acesso em 30 jun. 2017>.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.