“Os deuses pintam borboletas...” Memória, exílio e risveglio em Alberto da Costa e Silva

Maria Aparecida Rodrigues Fontes

Resumo


Nos últimos meses venho estudando a densa obra poética de Alberto da Costa e Silva. Um paulistano que, ainda menino, transferiu-se para Fortaleza e fez dessa cidade, “feita para lágrimas e para adeuses”, o seu refúgio poético e sentimental, os seus sonhos de infância. Do Ceará, mudou-se para o Rio de Janeiro e depois, como diplomata, tornou-se um homem do mundo, visitando quase toda a África: Nigéria, Angola, Zaire, Senegal, Etiópia, Serra Leoa e tantos outros países da Europa e da América. Curiosamente, quando fui convidada por Angélica Soares para participar desse Colóquio sobre memorialismo na poesia, saltou-me da memória os versos, “os deuses pintam borboletas” e “Antônio,/ ensina-me a não ter medo/ de caminhar acordado”. Interessante refletir acerca da produção literária de Alberto da Costa e Silva; de um lado, eis o diplomata e historiador que se consumiu em terras distantes, que “sofreu tantos exílios simultâneos”, caminhando por terras sem fim, e, com uma consciência aguda e ativa da realidade social, escreveu inúmeros ensaios históricos sobre a África e a escravidão, ou seja, sobre a importância de conhecer a África para compreender o Brasil. Do outro lado, encontramos o poeta Alberto de contorno símbolo-modernista que reconstitui, em seus poemas, através da figura do menino (símbolo de sua infância), o ambiente familiar, a nostálgica Fortaleza. Trata-se de uma poesia que está sempre à procura do paraíso perdido e que é reencontrado a partir dos sonhos, dos afetos e do êxtase da memória. Uma escritura poética em constante estado de vigília.


Texto completo:

PDF

Referências


CAPRONI, Giorgio. Tutte le poesie. Milano, 1999.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Trad. Antônio Carlos Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1987.

FONTES, Maria A. R. “Da fratura original às desdobras da memória: a via-sacra adeliana”. In: LOBO, Luiza e Faria, Márcia G. S. (Orgs.). Poética das cidades. Rio de Janeiro, Relume-Dumará/Ciência da Literatura-UFRJ, 1999, p. 93-115.

PROUST, Marcel. No caminho de Swann. Trad. Mário Quintana. São Paulo, Globo (Em busca do tempo perdido I), 1997.

RELLA, Franco. Miti e figure del moderno. 2ª ed. Milano, Feltrinelli, 1993.

_____. Limina: il pensiero e le cose. 2ª ed. Milano, Feltrinelli, 1994.

_____. Pensare per figure: Freud, Platone, Kafka. Bologna, Pendragon, 1999.

_____. Dall'esilio: la creazione artística come testimonianza. Milano, Feltrinelli, 2004.

_____. Escritture estreme: Proust e Kafka. Milano, Feltrinelli, 2005.

SILVA, Alberto da Costa. Poemas reunidos. Rio de Janeiro, Nova Fronteira/ Biblioteca Nacional, 2000.

_____. Espelho do príncipe: ficções da memória. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.