A Última Rosa: a guerra permanente de Anna Akhmátova

Maria do Socorro Carvalho

Resumo


Inicialmente, já se pode perceber a preocupação da poetisa com a destruição do seu país e do mundo, “bosque queimadog, e mais forte é o sentimento de perda humana “na aldeia, ecoa o pranto das viúvas”. A movimentação preocupava pelas ameaças de guerra. É precisa fazer uma retrospectiva histórica de alguns acontecimentos que afetaram a Rússia e o mundo. Desde a segunda metade do século XIX, as principais potências capitalistas passaram a competir seus mercados de forma brutal. Quanto à economia, o capitalismo atingia a sua fase imperialista, com o predomínio de um pequeno número de países sobre o resto do mundo. Em termos sociais, as contradições se acentuavam nas cidades e no campo. A situação era crítica e de incerteza.

Texto completo:

PDF

Referências


AKHMÁTOVA, Anna. Antologia Poética. Trad. Lauro Machado Coelho. Porto Alegre:L&PM POCKET, 2009.

ADORNO, T. N. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas cidades/ ED. 34, 2003.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. São Paulo> Martins Fontes, 2003.

CARPEAUX, O. M. Tendências contemporâneas na Literatura. Rio de Janeiro: Ed. Tecnoprint S. A., s/d.

TADIÉ, Jean-yves. A crítica Literária no século XX. Trad. Wilma F. Ronald de Carvalho. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S.A., 1992.

ELIOT, T. S. Ensaios de doutrina crítica. Lisboa: Guimarães Editores, 1997.

SCHILLER, F. A educação estética do homem: numa série de cartas. São Paulo:Iluminuras, 1990.

RANCÃŒERE, J. Políticas da escrita. São Paulo: Editora 34, 1995.

COELHO, L. M. Apresentação. IN: AKHMÁTOVA, A. Antologia Poética. Porto Alegre: L&PM POCKET, 2009.

SZABOLCSI, Miklós. Literatura universal do século XX: principais correntes. Brasília: UNB, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.