ANNE RICE E O VAMPIRO DECADENTISTA

Danielle Costa

Resumo


No século XIX, esta não era uma pergunta difícil de ser respondida. Bastaria que se tentasse
imaginar que a figura do vampiro representaria o mal encarnado, uma criatura sobrenatural que iria de encontro às normas pelas quais os seres civilizados viveriam. Com seus hábitos noturnos, o vampiro sempre serviu de símbolo para as superstições do ser humano, evocando seus medos mais arraigados.


Referências


BENJAMIM, Walter. Obras escolhidas II. Magia e técnica, arte e política. Trad. José Carlos Martins Barbosa.São Paulo: Editora Brasiliense,

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Trad. Ivan Junqueira.São Paulo: Martin Claret, 2001.

____________________. Meu coração Posto a nu -- Poesia e prosa. Trad e Org. Ivo Barroso. Rio de Janeiro:

Editora Nova Aguillar, 1992.

COUTINHO, Luis Edmundo Bouças. Mascaramentos da cidade: poses da

modernização. In Terceira Margem. Rio de Janeiro, UFRJ, 1999.

CATHARINA, Pedro Paulo Garcia. Quadros literários em À Rebours de J. K. Huysman. Tese de Doutorado em Literatura Francesa.Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001

MORETTO, Fúlvia M.L. Os caminhos do Decandentismo Francês. São Paulo: Perspectiva, 1989.

RICE, Anne. Entrevista com o Vampiro.Trad. Clarice Linspector. São Paulo: Rocco, 1976.

_________.O Vampiro Lestat. Trad. Celso Vargas.São Paulo: Marco Zero, 1986.

_________.A rainha dos condenados. Trad. Eliana Sabino.São Paulo: Rocco, 1990.

_________.A história do ladrão de corpos.Trad. Aulyde Soares. São Paulo: Rocco, 1992.

WILDE, Oscar. As obras primas de Oscar Wilde. Trad: Marina Guaspari. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.