Personagem em ressurreição: sobre Félix de Machado de Assis

Luciana Barboza

Resumo


Como um mar que recua e avança sempre atravessado pela dor de não poder
simplesmente retornar ou avançar ao seu itinerário esperado, as personagens do
primeiro romance de Machado de Assis, Ressurreição, ultrapassam a mera noção de
objetos e passam a alcançar uma autonomia ante a própria voz. Entretanto a autonomia leva esta voz a um questionamento intrínseco, gerando um diálogo entre vozes em uma só voz. Veremos ao longo desta análise que a impossibilidade de escolha de apenas recuo ou avanço se dá não pelo descompasso entre personagens ou entre idéias: o que se dramatiza nesse romance marcado pelo movimento frenético da impossibilidade é o drama individual de cada personagem.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond de. “O Enterrado Vivo”. In.: José & outros. Rio de Janeiro: Record, 2006. p. 69

ASSIS, Machado de. Ressurreição. Belo Horizonte: Garnier, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da Poética de Dostoiévski. trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária , 2010.

CONRAD, Joseph. Juventude. trad. Flávio Moreira da Costa. Porto Alegre: L&PM, 2006.

DOURADO, Autran. O Meu Mestre Imaginário. Rio de Janeiro: Record, 1982.

KUNDERA, Milan. A Cortina: ensaio em sete partes. trad. Teresa Bulhões C. da Fonseca. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. A visão Dionisíaca do Mundo, e outros textos de juventude. trad. Marcos Pereira e Maria Cristina de Souza. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.