Reflexões sobre o cotidiano na poesia de Manuel Bandeira

Wilson José Flores Jr

Resumo


Na lírica de Manuel Bandeira, encontramos um tipo de olhar para o cotidiano que, à sua maneira, aproxima-o dos principais autores da literatura do século XX e de outros poetas modernos brasileiros, sobretudo de Carlos Drummond de Andrade, e que pouco foi tratado pela crítica. O objetivo deste artigo é, por meio das discussões de Walter Benjamin, Henri Lefebvre e Agnes Heller, repensar a noção de “cotidiano”, tão repetida pela recepção de Bandeira, entendendo-a como uma categoria histórica, ligada à tomada da memória e da subjetividade por lógicas que levam a uma regulação minuciosa e mutiladora da vida, mas que não provocam reação organizada e sim paralisia, medo e sensação de impotência. E, para tanto, são analisados os poemas “Balõezinhos”, de O ritmo dissoluto, e “A Virgem Maria”, de Libertinagem.

Palavras-chave: Manuel Bandeira, cotidiano, poesia brasileira moderna, declínio da experiência, Walter Benjamin.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 20.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

_________. Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. São Paulo: Edusp/IEB, 2000.

_________. Itinerário de Pasárgada. 3.ed. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1966.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 2000. (Obras escolhidas V.3).

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 2.ed. São Paulo: Cultrix, 1980.

CANDIDO, Antonio; MELLO E SOUZA, Gilda de. Introdução, In BANDEIRA, Manuel. op. cit., 1993. (pp. 3-17). HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

_________. Sociología de la vida cotidiana. Barcelona: Península, 1991.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Trajetória de uma poesia, In Cobra de vidro. São Paulo: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia; Perspectiva, 1978. (pp.29-44).

JAY, Martin. A imaginação dialética: história da Escola de Frankfurt e do Instituto de Pesquisas Sociais, 1923-1950. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

KOTHE, Flávio R. Benjamin & Adorno: confrontos. São Paulo: Ática, 1978.

LEFEBVRE, Henri . A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

_________. La conscience mystifiée. Paris: Le Sycomore, 1979.

_________. Critique de la quotidienne. Paris: L'Arche, 1981.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARTINS, José de S. (org.). Henri Lefebvre e o retorno à dialética. São Paulo: Hucitec, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.