Do espaço em branco no percurso da construção da escrita de sujeitos típicos e atípicos – habilidades e práticas requeridas em sala de aula

Maria Cecilia Mollica, Andreia Quadrio, Hadinei Ribeiro Batista

Resumo


Este texto trata de mecanismos pedagógicos atualizados para se trabalhar as hipossegmentações (doravante hipo), que são processos previsíveis na ontogênese da escrita. No início, o aprendiz precisa conhecer que os espaços em branco têm uma funcionalidade e que não há biunivocidade entre o processamento da fala e o sistema grafemático. Ao aludir à pesquisa de Quadrio (2016), comprova-se que a hipo ocorre sensivelmente mais em sujeitos de desenvolvimento atípicos em comparação aos típicos. A amostra é extraída de material escolar, como exercícios e provas, de uma escola municipal de Petrópolis, cujos dados receberam tratamento qualitativo e quantitativo. Os resultados comprovam que as dificuldades podem perdurar em todos os estágios de ensino se não há uma prática dirigida. Várias são as propostas de intervenção para introduzir, em sala de aula, uma nova pedagogia que respeite as singularidades dos sujeitos na nova Escola Inclusiva, com base em consciência fonológica fundamentalmente. Defende-se que, na ausência de orientações pedagógicas, dificilmente os obstáculos dos aprendizes podem ser sanados, colocando-se em risco a escola contemporânea.

Palavras-chave


Hipossegmentação; Ensino; Sujeitos típicos e atípicos

Texto completo:

PDF

Referências


ABAURRE, M. B. M. Problemas e perspectivas da alfabetização no Brasil. In: Anais do Encontro de Alfabetizadores. Juiz de Fora: EDUFJF, 1991.

ÁVILA, Clara Regina Brandão; CARVALHO, Carolina Alves Ferreira; KIDA, Adriana de Souza Batista. Estimulação da consciência fonológica na prática educacional e na clínica fonoaudiológica. In: MOUSINHO, Renata; ALVES, Luciana Mendonça; CAPELLINI, Simone Aparecida (Orgs.). Dislexia: novos temas, novas perspectivas. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2015, pp. 63-71, volume III.

BERBERIAN, Ana Paula. Princípios norteadores da avaliação clínica fonoaudiológica de crianças portadoras de distúrbios de leitura e escrita. In: BERBERIAN, Ana Paula; MASSI, Giselle de Athayde; GUARINELLO, Ana Cristina (Orgs.). Linguagem escrita: referenciais para a clínica fonoaudiológica. São Paulo: Plexus Editora, 2003.

BISOL, Leda. A palavra fonológica pós-lexical. In: MOLLICA, Maria Cecília; GUIMARÃES, Eduardo Augusto (Orgs.). A palavra: forma e sentido. Campinas: Pontes & RG Editores, 2007.

BOTONI-RICARDO, Stella Maris; MACHADO, Veruska Ribeiro; CASTANHEIRA, Salete Flôres (Orgs.). Formação do professor como agente letrador. São Paulo: Contexto, 2010.

BOTONI-RICARDO, Stella Maris; MACHADO, Veruska Ribeiro (Orgs.). Os doze trabalhos de Hércules: do oral para o escrito. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

CAPOVILLA, Alessandra Gotuzo Seabra & CAPOVILLA, Feranando Cesar. Alfabetização: método fônico. São Paulo: Memnon, 2002.

COTAS, Fabiane Adela Tonetto (Org.). Educação, seducação especial e inclusão: fundamentos, contextos e práticas. Curitiba: Editora Appris, 2012.

CUNHA, Ana Paula Nobre. As segmentações não-convencionais da escrita inicial: uma discussão sobre o ritmo linguístico do português brasileiro e europeu. 2010. 188f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

DINIZ, Vera Cleiva Flamia et al. Transtornos de aprendizagem em presença de respiração oral em indivíduos com diagnósticos de transtornos de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH). Revista CEFAC, v. 8, n. 4, dezembro de 2006, p. 441-455.

ECKERT, Penelope. Linguistic Variation as Social Practice. Oxford: Blackwell, 2000.

GERMANO, Giseli Donadon; CAPELLINI, Simone Aparecida. Habilidades metafonológicas em escolares com dislexia do desenvolvimento: implicações educacionais. In: MOUSINHO, Renata; ALVES, Luciana Mendonça; CAPELLINI, Simone aparecida (Orgs.). Dislexia: novos temas, novas perspectivas. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2015, p. 45-56, volume III.

HIGOUNET, Charles. História concisa da escrita. Trad. Marcos Marcionilo. 10ª ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

MOLLICA, Maria Cecilia. Fala, letramento e inclusão social. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

________. Da fala coloquial à escrita padrão. Rio de Janeiro: Editora 7Letras, 2003.

MOLLICA, Maria Cecilia; RIBEIRO, Andressa da Silva; LOURENÇO, Gabrielle Costa de Jesus; SILVA, Raquel Fernandes. Patologia, distúrbio e variação: como distingui-los? Apresentação em Jornada PIBIC/UFRJ, 2012.

MOLLICA, Maria Cecilia; LEAL, Marisa Bezerra (Orgs.). Construindo o capital formal das linguagens. Curitiba: Editora CRV, 2010.

MOLLICA, Maria Cecilia; LEAL, Marisa Bezerra. Lendo matemática. In: BOTYONI-RICARDO et. al (Orgs.). Leitura e Mediação Pedagógica. São Paulo: Parábola Editorial, 2012, p. 181-202.

MOLLICA, Cecilia; LOPES, Natália. Patologia, distúrbio e variação: a difícil tarefa de diagnosticar. In: RESENDE, Briseida Dôgo de; LIMA-HERNANDES, Maria Célia; PAULA, Fraulein Vidigal de; MODOLO, Marcelo; CAETANO, Sheila Cavalcante (Orgs.). Linguagem e Cognição – um diálogo interdisciplinar. Lecce: Pensa Multimedia Editore, 2015, p. 269-275.

MOLLICA, M. C. M.; SILVA, C. P. G.; BATISTA. Em busca de novo paradigma nas ciências humanas. In: Revista Interfaces, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Letras e Artes, Ano 20, nº 21. Rio de Janeiro: UFRJ/CLA, 2014.

MOUSINHO, Renata; ALVES, Luciana Mendonça; CAPELLINI, Simone Aparecida (Orgs.). Dislexia: novos temas, novas perspectivas. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2015, volumes I, II e III.

NOAM, Chomsky. Aspects of the Theory of Syntax. Cambridge: The MIT Press, 1965.

NUNES DA SILVA, Elisane. O diagnóstico de dislexia e a postura do professor do Ensino

Fundamental II. Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado, PROFLETRAS/UFRJ. Mimeo, 116 p.

OLIVEIRA, Lou. Distúrbios de aprendizagem e de comportamento. Rio de Janeiro: Editora WAK, 2007.

PELOSI, Estratégias e recursos facilitadores para leitura e escrita. In: MOUSINHO, Renata; ALVES, Luciana Mendonça; CAPELLINI, Simone Aparecida (Orgs.). Dislexia: novos temas, novas perspectivas. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2015, p. 29-44, volume III.

QUADRIO, Andreia. A hipossegmentação no segundo segmento do ensino fundamental – alunos típicos e atípicos. Rio de Janeiro: Dissertação de mestrado/UFRJ, 2016.

QUEIROZ, Esmeralda Figueira; PEREIRA, Aline de Souza. Negligência com a consciência fonológica e o princípio alfabético. In: BORTONI-RICARDO, Stella Maris; MACHADO, Veruska Ribeiro (Orgs.). Os doze trabalhos de Hércules: do oral para o escrito. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 31-43.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Princípios do sistema alfabético do português do Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2003.

STAMPA, Mariangela. Aquisição da leitura e da escrita: uma abordagem a partir da consciência fonológica. Rio de Janeiro: WAK, 2009.

_______. Aprendizagem e desenvolvimento das habilidades auditivas. Entendendo e Praticando. Estimulando a Aprendizagem através das Habilidades Auditivas. Da teoria à prática. Rio de Janeiro: WAK, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES