Por que odeiam tanto as cotas raciais?

Adelmir Fiabani

Resumo


Este artigo discute as cotas raciais no Brasil, com análise do processo histórico das ações afirmativas. As relações étnico-raciais foram alvo de debates a partir do processo de redemocratização, quando o Estado reconheceu a existência do racismo e ampliou as ações afirmativas, entre elas, a reserva de vagas para negros nas universidades e concursos públicos. Nenhuma política direcionada à população negra sofreu tanta resistência como as cotas. Parte da população brasileira, majoritariamente branca, não aceita a presença do negro no ensino superior, pois acredita que este espaço é seu. Se não bastasse a contestação deste direito, desde que a reserva de vagas tornou-se obrigatória verificaram-se muitas fraudes, quando estudantes brancos tentaram se passar por negros. As universidades passaram a fiscalizar e criaram comissões verificadoras da autodeclaração, para que a justiça seja feita.


Palavras-chave


Relações raciais; Negros; Cotas; Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Sharyse Piroupo do. História do negro no Brasil. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Salvador: Centro de Estudos Afro Orientais, 2009.

ANDIFES. Sistema de cotas raciais aumentou a presença de negros em universidades públicas. Disponível em: http://www.andifes.org.br/sistema-de-cotas-raciais-aumentou-presenca-de-negros-em-universidades-publicas/. Acesso em: 18 de mai de 2018.

ANDREWS, George Reid. América Afro-Latina, 1800-2000. São Carlos: EdUFSCar, 2007.

ATLAS DA VIOLÊNCIA 2017. Rio de Janeiro: IPEA, 2017.

BONADIMAN, Daniela. A inconstitucionalidade do sistema de cotas para negros. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n. 117, out 2013. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=13745. Acesso em: 01 de jun de 2018.

CARNEIRO, M. L. T. Preconceito racial em Portugal e Brasil colônia. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CARVALHO, Igor. Dez anos de cotas nas universidades. O que mudou? Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/digital/138/sistema-de-cotas-completa-dez-anos-nas-universidades-brasileiras/. Acesso em: 09 de mai de 2018.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. [Org.]. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

CORDEIRO, Maria José de Jesus Alves. Negros e Indígenas Cotistas da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: desempenho acadêmico do ingresso à conclusão de curso. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008. [Tese].

FREIRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt; José Olympio, 1933.

FRIAS, Lincol. As cotas raciais e sociais em universidades públicas são injustas? Direito, Estado e Sociedade. n. 41, p. 130 a 156 jul/dez 2012.

FRY, Peter et al. [Orgs]. Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. 4. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2010.

HENRIQUES, Ricardo. Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições na década de 90. Brasília: IPEA, 2001.

JACCOUD, Luciana de Barros; BEGHIN. Desigualdades Raciais no Brasil: um balanço da intervenção governamental. Brasília: IPEA, 2002.

LACERDA, João Batista. Sur les métiers au Brésil. Paris: Imprimerie Devouge, 1911.

LIEDKE FILHO, Enno D. A Sociologia no Brasil: história, teorias e desafios. Sociologias, Porto Alegre, ano 7, nº 14, jul/dez 2005, p. 376-437.

LOPES, Maria Auxiliadora; BRAGA, Maria Lúcia de Santana [Orgs]. Acesso e permanência da população negra no ensino superior. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: Unesco, 2007.

MALHEIRO, Agostinho Marques Perdigão. A escravidão no Brasil: ensaio histórico, jurídico, social. 3ª edição. 2 v. Petrópolis/Brasília: Vozes/INL, 1976.

MOEHLECKE, Sabrina. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 197-217, novembro/2002.

MUNANGA, Kabengele. [Org.]. Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008.

MUNANGA, Kabengele. Prefácio. In: D'ADESKY, Jacques. Pluralismo étnico e multi-culturalismo: racismos e anti-racismos no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2005.

PINTO, L. A. C.; CARNEIRO. E. As Ciências Sociais no Brasil. Rio de Janeiro: CAPES, 1955.

SANTOS, Jocélio Teles dos. [Org.]. Cotas nas universidades: análises dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. 1. ed. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

SOUZA, Andreliza Cristina de; BRANDALISE, Mary Ângela Teixeira. A política de cotas da UEPG: da implantação à implementação de uma política pública. XI ANPED SUL. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 2012.

TRAPP, Rafael Petry. A conferência de Durban e o antirracismo no Brasil (1978-2001). Porto Alegre: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, 2014. [Dissertação].

VIANNA, Oliveira. Populações meridionais do Brasil (1918). Rio de Janeiro: José Olympio, 1952.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 METAXY: Revista Brasileira de Cultura e Políticas em Direitos Humanos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

METAXY é uma Revista semestral do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas em Direitos Humanos do NEPP-DH/UFRJ. ISSN 2526-5229.