A PRESENÇA DO SOFRIMENTO NA RELAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO COM A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

Cecilia Melo Calado, Denilson Bezerra Marques

Resumo


A presente pesquisa investigou o sofrimento na relação de servidores técnicos administrativos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) com a organização do trabalho. Procurou conhecer a história pessoal e profissional dos servidores para identificar se existe sofrimento psíquico no desenvolvimento de suas funções e, sobretudo, compreender se tal vivência tem relação com a organização do trabalho. Adotou-se uma abordagem qualitativa com a utilização da entrevista individual semiestruturada para a coleta de dados. Apreendeu-se que o servidor da UFPE, de modo geral, traz para a prática profissional vários elementos que fazem parte da construção da sua história de vida, os quais se refletem na sua relação com a organização do trabalho. Pôde também extrair registros diversos de insatisfação, prazer, incômodo, sofrimento psíquico e, em alguns casos, adoecimento, ligados em sua maioria, a aspectos da organização de trabalho.

 


Palavras-chave


Sofrimento; Organização; Servidor; UFPE

Texto completo:

PDF

Referências


BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 11. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

BELLUSCI, S. M. Doenças profissionais ou do trabalho. 5. ed. São Paulo: SENAC, 2003.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, v. 2, n. 1 (3), p. 68-80, jan.-jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2016.

BORSOI, I. C. F. Da relação entre trabalho e saúde à relação entre trabalho e saúde mental. Revista Psicologia & Sociedade, v. 19, 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde do Brasil. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília, DF: 2001. 580 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos,114).

CAMPOS, F. E. A desprecarização é urgente. Radis: Comunicação em Saúde, Rio de Janeiro, n. 46, p. 8-10, jun. 2006.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 6. ed. São Paulo: Forense Universitária, 2009.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Ed.Cortez, 1998.

_______. Por um novo conceito de saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 14, n. 54, p. 7-11,abr./jun. 1986. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

_______. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994. 145p.

_______. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. In: CHANLAT, J.-F. et al. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. V. 1. São Paulo: Atlas, 1996. p. 149-173.

DURAND, M. Doença ocupacional: psicanálise e relações de trabalho. São Paulo: Escuta, 2001.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. 4. ed. São Paulo: Editora Ideias e Letras, 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

LANCMAN, S. et al. O trabalho na rua e a exposição à violência no trabalho: um estudo com agentes de trânsito. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, v. 11, n. 21, p. 79-92, 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2015.

MENDES, A. M. B.; TAMAYO, A. Valores e vivências de prazer-sofrimento no contexto organizacional. Psico USF, v. 6, n. 1, p. 39-46, 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

MENDES, R. Patologia do Trabalho. Rio de Janeiro: Atheneu, 1995.

MENDES, R.; DIAS, E. C. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhado. Rev. Saúde Publ., v. 25(5), p. 341, 1991. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.

MORRONE, L. C. et al. Saúde e segurança do trabalho de servidores públicos estaduais: resultados iniciais de um programa em São Paulo. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 94-102, 2004.

NUNES, A. V. L.; LINS, S. L. B. Servidores públicos federais: uma análise do prazer e sofrimento no trabalho. Psicologia: Organização e Trabalho, Brasília, v. 9, n. 1, p. 51-67, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2016.

PIRES, J. C. S.; MACEDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Rev. Adm. Pública. 2006, v. 40, n. 1, p. 81-104. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

SILVA, E. S. Pesquisas brasileiras em saúde mental e trabalho. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE SAÚDE E TRABALHO,1º, Ribeirão Preto, 1990. Anais... Ribeirão Preto. EERP-USP,1991.

SILVA, E. S. et al. Crise, trabalho e saúde mental no Brasil. São Paulo: Traço, 1994.

SIQUEIRA, M. V. S.; MENDES, A. M. Gestão de pessoas no setor público e a reprodução do discurso do setor privado. Revista do Serviço Público. Brasília, v. 60(3), p. 241-250, jul.-set. 2009. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2015.

SOUZA, A. L. Saúde mental e trabalho: dois enfoques. Rev. Bras. Saúde Ocupacional, v. 20 (75), p. 65-71, 1992. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016.

TEIXEIRA, S. A depressão no meio ambiente do trabalho e sua caracterização como doença do trabalho. Revista Tribunal Regional Trabalhista 3ª Região, Belo Horizonte, 2014. Disponível em acesso em 19 de ago 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Práticas em Gestão Pública Universitária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E DIRETÓRIOS

Google Acadêmico | sumários.org  | LivRe! | Diadorim | Latindex | DOAJ