REDES DE COOPERAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO À LUZ DA ESTRUTURA MULTICAMPI DE UM INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

Karina Andressa Ferrari de Oliveira, Edelvino Razzolini Filho

Resumo


Objetivou-se identificar o conceito de redes de cooperação para classificar a estrutura multicampi do Instituto Federal de Educação Profissional, Cientifica e Tecnológica do Paraná – IFPR, e inferir quais aspectos do planejamento estratégico são abordados, identificando os predominantes nas unidades da rede. Metodologicamente utilizou-se, além da pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, com observação participante e pesquisa de campo, em abordagem quanti-qualitativa por meio de um estudo de caso único. Como instrumento de coleta de dados utilizou-se um questionário encaminhado aos gestores de cada um dos diferentes campi. Os resultados possibilitaram classificar o IFPR como rede do tipo formal e vertical devido a sua tipologia, em rede horizontal quanto à relação de cooperação entre as unidades e em rede híbrida com poder simétrico e assimétrico, evoluindo para uma rede simétrica de poder. Inferiu-se que a maioria dos campi realizam e controlam o planejamento estratégico anualmente, que não há prevalência quanto a periodicidade de revisão; que há um entendimento que a qualidade é predominante como diferencial competitivo e que a oportunidade traz vantagens de qualidade e visa a um setor educacional orientado ao crescimento. Conclui-se, ainda, existirem benefícios ao se trabalhar em rede, porém se não for bem administrada, desafios serão maiores que as vantagens.


Palavras-chave


Rede de Cooperação; Estrutura Multicampi; Planejamento Estratégico.

Texto completo:

PDF

Referências


AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

BALESTRIN, A; VARGAS, L. M. A Dimensão Estratégica das Redes Horizontais de PMEs: Teorização e Evidências. RAC - Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 8, n. especial, p. 203-227, 2004. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2016.

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. São Paulo: Bookman, 2008.

BERGUE, S. T. A redução gerencial no processo de transposição de tecnologias de gestão para organizações públicas. In XXXII ENCONTRO DA ANPAD, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

BERGUE, S. T. The managerial reduction in the management Technologies transposition process to public organizations. Brazilian Administration Review v. 7, n. 2, p. 155-171, 2010.

BOWERSOX, D. J; CLOSS, D. J.; COOPER, B.C. Gestão logística de cadeias de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BRASIL. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

BRASIL. Decreto n. 6.095, de 24 de abril de 2007. Estabelece diretrizes para o processo de integração de instituições federais de educação tecnológica, para fins de constituição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFET, no âmbito da Rede Federal de Educação Tecnológica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n 79, p. 6, 25 de abril de 2007. Disponível em:. Acesso em: 15 mar. 2016.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n 253, p. 1, 30 de dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Disponível em: . Acesso em: 16 agosto de 2016.

BRASIL. Portaria Ministerial n. 1.291, de 30 de dezembro de 2013. Estabelece diretrizes para a organização dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e define parâmetros e normas para a sua expansão. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n 253, p. 10, 31 de dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2016.

BRULON, V.; OHAYON, P.; ROSENBERG, G. A reforma gerencial brasileira em questão: contribuições para um projeto em construção. Revista do Setor Público v. 50, n. 1, p. 66-96, 2012.

CAMPBELL, A.; GOOLD, M.; ALEXANDER, M. Estratégia corporativa. In: HARVARD

BUSINESS REVIEW. Estratégia corporativa. Rio de Janeiro: Campus, 2000. p. 196-227.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 5ª. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

COLLINS, D.J.; MONTGOMERY, C.A. Criando vantagem corporativa. In: HARVARD BUSINESS REVIEW. Estratégia corporativa. Rio de Janeiro: Campus, 2000. p. 70-83.

FERNANDES, F.C.M. Gestão dos Institutos Federais: o desafio do centenário da Rede Federal de Educação do Profissional e Tecnológica. Revista Holos, Natal, ano 25, v. 2, p. 3-9, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2016.

GOLDSMITH, S.; EGGERS, W.D. Governar em Rede: O Novo Formato do Setor Público. Brasília: ENAP, 2006.

GOOLD, M.; CAMPBELL, A. A busca desesperada pela sinergia. In: Harvard Business Review. Estratégia corporativa. Rio de Janeiro: Campus, 2000. p. 65-93.

KEAST, R.; MANDELL, M. P.; BROWN, K.; WOOLCOCK, G. Network structures: Working differently and changing expectations. Public Administration Review, v.64, n.3, p.363-371, 2004.

MARCON, M.; MOINET, N. La Stratégie-Réseau. Paris: Éditions Zéro Heure, 2000.

MATIAS-PEREIRA, J. Curso de gestão estratégica na administração pública. São Paulo: Atlas, 2012.

MINTZBERG, H.; QUINN, J.B. Lidando com estrutura e sistemas. In: O processo da estratégia. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 165 – 167. Cap. 6.

NEZ, E. Os Dilemas da gestão de universidades multicampi no Brasil. Revista Gestão Universitária na América Latina – GUAL v. 9, n. 2, p. 131-153, 2016.

OLIVER, C. Determinants of inter-organizational relationships: integration and future directions. Academy of Management Review, v. 15, n.2, p.241-265, 1990.

PEREIRA, L. C. B. Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. 1ª. ed. São Paulo: Editora 34, 1998.

RIBEIRO, G.L. Poder, redes e ideologia no campo do desenvolvimento. Arquitetura e coopetição em redes interorganizacionais. Revista Novos Estudos Cebrap, São Paulo, ed. 80, p. 109-125, 2008. Disponível em:. Acesso em: 20 fev. 2016.

RODRIGUES, L.C.; MACCARI, E.A.; RISCAROLLI, V. Arquitetura e coopetição em redes interorganizacionais. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 175-196, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2016.

SANTOS, S. A.; PEREIRA, H. J.; ABRAHÃO FRANÇA, S. E. Cooperação entre as micro e pequenas empresas. São Paulo: SEBRAE, 1994.

TORRES, M. D. F. Estado, democracia e administração pública no Brasil. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ZACARELLI. S.B. Estratégia e sucesso nas empresas. São Paulo: Saraiva, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Práticas em Gestão Pública Universitária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E DIRETÓRIOS

Google Acadêmico | sumários.org  | LivRe! | Diadorim | Latindex | DOAJ