UM DESAFIO PARA A EXPANSÃO UNIVERSITÁRIA: A INTERCULTURALIDADE

Wagner Rocha Gomes, Luciana Cramer

Resumo


O encontro de diversas culturas profissionais pressupõe uma convivência e troca de culturas de indivíduos oriundos de diversos estados ou países com as culturas de indivíduos nativos em um mesmo espaço organizacional. Dessa forma, neste artigo, buscou-se analisar o tema dentro de uma instituição federal de ensino superior na cidade de Caruaru, localizada no agreste pernambucano, região que se construiu em torno de um comércio. No intuito de atingir os objetivos do trabalho ora apresentado, empregou-se um estudo de natureza qualitativa e foram realizadas entrevistas semiestruturadas com quatorze sujeitos -- docentes e servidores técnico-administrativos ‒ da instituição denominada Centro Acadêmico do Agreste (CAA), unidade pertencente à Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O encontro das culturas profissionais dos nativos e estrangeiros proporcionou um choque de culturas e assinalou dificuldades e facilidades em diversos momentos. Ademais, a pesquisa enriquece as conclusões de estudos já elaborados que ressaltaram o respeito às culturas locais e estrangeiras como requisito essencial para um bom convívio entre os atores organizacionais em diversas instituições de cunho privado e/ou público.


Palavras-chave


Cultura; Culturas Organizacionais; Universidades Públicas; Expansão Universitária; Interculturalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRUCIO, F. L. Os avanços e os dilemas do modelo pós-burocrático: a reforma da administração pública à luz da experiência recente. In: BRESSER-PEREIRA, L. C.; SPINK, P. (Orgs.). Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 173-199.

ANTUNES, R. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

BARBOSA, L. Cultura administrativa: uma nova perspectiva das relações entre antropologia e administração. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 36, n. 4, p. 6-19, out./dez. 1996.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Ed. 70, 2011.

BERGUE, S. T. Cultura e mudança organizacional. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração. UFSC; [Brasília]: CAPES: UAB, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Reforma da nova gestão pública: agora na agenda da América Latina, no entanto. Revista do Serviço Público, Brasília, DF, v. 53, n. 1, p. 5-27, 2002.

_______. Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. São Paulo: Ed. 34; Brasília: ENAP, 1998.

CARRIERI, A. P. A opção teórica-metodológica para pesquisas sobre culturas nas organizações. In: CARRIERI, A. P.; CAVEDON, N. R.; SILVA, A. R. L. da (Coords.). Cultura nas organizações: uma abordagem contemporânea. Curitiba: Juruá, 2008. p. 19-33.

CARRIERI, A. P.; CAVEDON, N. R; SILVA, A. R. L. da. Da “integração” a uma forte fragmentação cultural: doze anos de transformação de uma empresa de telefonia fixa. In: CARRIERI, A. P.; CAVEDON, N. R.; SILVA, A. R. L. da (Coords.). Cultura nas organizações: uma abordagem contemporânea.Curitiba: Juruá, 2008. p. 83-100.

CAVEDON, N. R. "Administração de toga": desvendando a cultura organizacional da UFRGS e da UNISINOS. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração da UFRGS. Porto Alegre, 2000.

_______. Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

CHU, R. A.; WOOD JR., T. Cultura organizacional brasileira pós-globalização: global ou local? RAP, Rio de Janeiro, v. 42, n. 5, p. 969-991, set./out. 2008.

COELHO, E. C. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Record, 1999.

CRAIDE, A. Intramobilidade e interculturalidade intranacional: desafios contemporâneos para profissionais e organizações. Salvador. UFBA. 2011. Tese (Doutorado em Administração) NPGA -- Universidade Federal da Bahia. 2011. Disponível em: . Acesso em: nov. 2011.

CRAIDE, A.; DRUMOND-ABDALA, V.; FISCHER, T. M. D.; BRITO, A. C. de. “I came from there (but no one warned me!)”: reflections on people management policies that target intranational interculturality. Revista de Administração, São Paulo, v. 46, n. 4, p. 358-372, out./dez. 2011.

DAMATTA, R. Fé em Deus e pé na tábua ou Como e por que o trânsito enlouquece no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

DIMENSTEIN, M. A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estud. Psicol., Natal, v. 5, n. 1, p. 95-121, 2000.

DOMINGUES, C.; BUENO, J. M. Gestão internacional e cultura nacional brasileira: retratos das abordagens e pontos de contato. Revista Brasileira de Estratégia, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 89-105, jan./abr. 2008.

FREITAS, M. E. A mobilidade como novo capital simbólico nas organizações ou sejamos nômades?. In: BARBOSA, L. (Coord.). Cultura e diferença nas organizações: reflexões sobre nós e os outros. São Paulo: Atlas, 2009a. p. 89-115.

_______. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma?. 5. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

_______. Multiculturalismo e expatriação nas organizações: vida do executivo expatriado, a festa vestida de riso ou de choro. In: DAVEL, E.; VERGARA, S. C. Gestão com pessoas e subjetividade. São Paulo: Atlas, 2009b. p. 289-302.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2006.

_______. Nordeste: a influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste no Brasil. São Paulo: Global, 2004.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. 1. ed. [reimpr]. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

GOMES, L. 1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

GUITEL, V. D. Intercultural or crosscultural management? The confirmation of a research field and the issue concerning the definition and development of an intercultural competency for expatriates and international manager. E&G: Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 6, n. 12, p. 64-98, jun. 2006.

JAIME JÚNIOR, P. Multiculturalismo, lutas por reconhecimento e gestão da diversidade. In: BARBOSA, L. (Coord.). Cultura e diferença nas organizações: reflexões sobre nós e os outros. São Paulo: Atlas, 2009. p. 116-138.

LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. 25. reimp. São Paulo: Brasiliense, 2007.

MARTIN, J. Cultures in organizations: three perspectives. New York: Oxford University Press, 1992.

MATOS, A. P. Executivos americanos na Bahia: expectativas e percepções sobre cultura de trabalho local: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado) -- Núcleo de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2002.

MEAD, M. Sexo e temperamento. São Paulo: Perspectiva, 2011.

PAULA, A. P. P. de. Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

ROCHA, E. P. G. O que é etnocentrismo. 20. ed. -- (Coleção primeiros passos). São Paulo: Brasiliense, 2006.

ROCHA, G.; TOSTA, S. P. Antropologia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SPINK, P. Possibilidades técnicas e imperativos políticos em 70 anos de reforma administrativa. In: BRESSER-PEREIRA, L. C.; SPINK, P. K. (Orgs.). Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 142-144.

STAKE, R. E. Qualitative case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 3. ed. London: Sage, 2005. p. 443-466.

TEIXEIRA, R.; CAVEDON, N. R. Circularidade cultural e (re) significações: o Caso DNIT. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração. UFF, Niterói, v. 10, p. 124-140, 2016.

VASCONCELOS, E. M. Desinstitucionalização e interdisciplinaridade em saúde mental. Cadernos do IPUB, Rio de Janeiro, v. 7, p. 19-41, 1997.

VIEIRA, M. G.; SILVA, C. C. G. Plano Diretor como instrumento de planejamento participativo: um estudo na cidade de Caruaru/PE. Gestão e Sociedade, Belo Horizonte, v. 5, n. 11, p. 176-191, maio/ago. 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Práticas em Gestão Pública Universitária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E DIRETÓRIOS

Google Acadêmico | sumários.org  | LivRe! | Diadorim | Latindex | DOAJ