A PESQUISA-AÇÃO E BOAS PRÁTICAS PROFISSIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

Marlise Pedrotti, José Carlos Costa da Silva Pinto, Sonia Maria Ramos de Vasconcelos

Resumo


De acordo com a legislação brasileira, toda a instituição geradora de resíduos tem como responsabilidade a elaboração um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS). O objetivo deste estudo foi elaborar e implantar um PGRSS em uma unidade de saúde de uma instituição federal na cidade do Rio de Janeiro empregando a abordagem da pesquisa-ação. Essa abordagem, combinada a um estudo de caso, utilizou uma survey como forma de coleta de dados sobre a percepção de 142 indivíduos que atuam na unidade de saúde estudada. Esta pesquisa foi seguida da implementação do PGRSS na instituição, fundamentada em um relatório diagnóstico realizado com a participação do corpo social. A pesquisa-ação se mostrou estratégica para provocar uma aproximação e envolvimento do corpo social da instituição de saúde na construção do plano de gerenciamento de resíduos, aumentando o potencial de boas práticas para a promoção da saúde coletiva.

Palavras-chave


Gerenciamento de resíduos; Pesquisa-ação; Resíduos de serviço de saúde; Gestão em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Sergiane et al. The reality of waste management in primary health care units in Brazil. Waste Management & Research, v. 32, n. 9_suppl, p. 40–47, 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS - ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2018/2019. São Paulo, 2019. Disponível em: < https://abrelpe.org.br/panorama/>. Acesso em: 22 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Gerenciamento de resíduos de serviço de saúde. Brasília, 2006a, 182p. Disponível em:. Acesso em: 18 mai. 2018.

_____. Resolução da Diretoria Colegiada nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Revoga a RDC nº 33/03. Revogada pela RDC nº 222/18. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviço de saúde. Diário Oficial da União, 10 de dezembro de 2004. Disponível em: . Acesso em: 5 de nov. 2016.

_____. Resolução da Diretoria Colegiada nº 222, de 28 de março de 2018. Regulamenta as boas práticas de gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União nº 61 de 29 de março de 2018, s. 1, p. 76. Disponível em: . Acesso em: 29 de mar. 2018.

BRASIL. Ministério do trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora nº 32. Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde. Portaria nº 485 de 11 de novembro de 2005. Esta norma tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral. Diário Oficial da União, 16 de nov. 2005, s. 1. Última atualização Portaria GM nº 1.748, de 30 de agosto de 2011. D.O.U. 31/08/11. Disponível em: . Acesso em 6 nov. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 5.940 de 25 de outubro de 2006. Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 26 de outubro de 2006b. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2016.

_____. Lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 3 de agosto de 2010, p.2. Disponível em:. Acesso em: 5 nov. 2016.

BRASIL. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Diagnóstico dos Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde. Relatório de Pesquisa. Brasília, 2012. Disponível em:. Acesso em: 16 mai. 2018.

DeMAIO, T. J. Social desirability and survey measurement: A review, p. 257–282. In TUERNER, Charles. F.; MARTIN, Elizabeth. (Eds.). Surveying Subjective Phenomena. New York: Russell Sage Foundation, 1984. v. 2, p. 257-282.

FERRANCE, Eileen. Action research - Themes in education. Providence: 2000, 33p.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas: 2002, 175p.

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL – INMETRO. Portaria Inmetro nº 154, de 12 de agosto de 2005. Diário Oficial da União de 16 de agosto de 2005. Disponível em:. Acesso em: 17 nov. 2017.

ISRAEL D. Glenn. Determining Sample Size. Fact Sheet PEOD-6. Florida Cooperative Extension Service. Institute of Food and Agricultural Sciences. University of Florida. Gainesvill, nov. 1992.

KRUMPAL, Ivar. Determinants of social desirability bias in sensitive survey: a literature review. Quality & Quantity. v. 47, n. 4, p. 2025-2047, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2018.

LEE, Raymond; RENZETTI, Claire. The problems of researching sensitive topics. An overview and introduction. Sage journals. v. 33, n. 5, 1990. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2018.

LEWIN, Kurt. Action research and minority problems. Journal of Social Issues, v. 2, n. 4, p. 34–46, 1946. Disponível em: . Acesso em: mai. 2016.

NABUKENYA, Josephine. Combining case study, design science and action research methods for effective collaboration engineering research efforts. Computer Society, p. 343-351, 2012.

NASCIMENTO, C.; ANJOS, M.; Vasconcelos, S. Pesquisa-ação e triangulação metodológica na investigação de percepções de um grupo de alunos da educação básica sobre o meio ambiente. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências. v. 20, jul. 2018. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2018.

NIGLAS, Katrin. How the novice researcher can make sense of mixed methods designs. International Journal of Multiple Research Approaches, v. 3, no. 1, p. 34-46, Apr. 2009.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE - OPAS. A transformação da gestão de hospitais na América Latina e Caribe. Brasília: OPAS/OMS, 2004. 397p.

_____. Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabelecimento de saúde. Brasília, 1997, 60p. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

POPE, Catherine; ZIEBLAND, Sue; MAYS, Nicholas. Qualitative research in health care. Analyzing qualitative data. Education and debate, v. 320, jan. 2000.

THIOLLENT, M.; SILVA, G. Metodologia de pesquisa-ação na área de gestão de problemas ambientais. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde. Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 93-100, jan.-jun., 2007. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/888/1533. Acesso em: 28 ago. 2018.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011a. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.

_____. Action research and participatory research: An overview. International Journal of Action Research. v. 7, n. 2. p. 160-174, 2011b. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443–466, 2005. Disponível em:. Acesso em: 16 abr. 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Management of solid health-care waste at primary health-carec. A decision-making guide. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data Management, p. 54, 2005. Geneva, Switzerland. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2018.

____. Safe health-care waste management. Department of Protection of the Human Environment Water, Sanitation and Health, Switzerland, 2004. Disponível em:. Acesso em: 14 mai. 2018.

_____. Safe management of wastes from health-care activities. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data Management. Second Edition. Edited by Y. Chartier et al., 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2018.

_____. Waste from health-care activities, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Práticas em Gestão Pública Universitária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E DIRETÓRIOS

Google Acadêmico | sumários.org  | LivRe! | Diadorim | Latindex | DOAJ