SIMBOLOGIA DA CABEÇA CORTADA ENTRE OS CELTAS E ALGUMAS ANALOGIAS COM O MITO DA GÓRGONA

Adriana Zierer

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar a simbologia do mito da cabeça cortada entre os celtas e sua crença de que a cabeça poderia: transmitir poder a quem a possuísse, ser fonte geradora da vida, ao transmitir a alma de um corpo a outro, ter o poder de cura e de aterrorizar os inimigos. O mito é analisado em algumas obras de origem céltica, sendo, principalmente, ligado a alguns personagens, como Cuchulainn, Bendigeid Vran (ou Bran, o Abençoado) e Gawain no seu embate com o Cavaleiro Verde. Percebemos também uma analogia entre essa crença e o mito da Medusa, cuja cabeça, mesmo cortada por Perseu, continuava com poder de petrificar e passou também a servir para fins sagrados, como a cura. Assim, a simbologia da cabeça, para celtas e gregos, liga-se a elementos guerreiros e mágicoreligiosos, crença que se prolongou no tempo.


Palavras-chave


simbologia; cabeça; Cuchulainn; Medusa.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Adriana Zierer

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADA POR

 
 
 
 
 
 

INSTITUCIONAL

Laboratório de História Antiga - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Largo de São Francisco, nº 1, sala 211 A - Centro, Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20051070 | Tel: +55 (21) 22210341, ramal 205 | www.lhia.historia.ufrj.br - laboratoriodehistoriaantiga@gmail.com