A dominação linguística no Brasil e uma prática de ensino de leitura no entremeio

Mileide Terres de Oliveira, Giselda Corrêia Dorilêo

Resumo


Esta pesquisa filia-se à teoria da Análise de Discurso das Escolas francesa
e brasileira e tem como objetivo dar visibilidade à dominação linguística em documentos oficiais e apresentar uma proposta didático-pedagógica para a ressignificação das práticas de leitura, oralidade e escrita de textos diante das dominações que ainda circulam em nosso meio. Como corpus para a análise, trazemos a Gramática do Tupi, publicada em 1595, um instrumento linguístico que eleva a língua geral para uma possível oficialização no território nacional, o Diretório dos Índios, publicado em 1757. Além disso, apresentamos em nosso trabalho uma pesquisa realizada com os alunos do Ensino Fundamental da rede pública estadual de ensino com o objetivo de propiciar uma constituição de autoria sobre o sistema de representação político brasileiro, ou seja, refletindo sobre a possiblidade da passagem de sujeito-aluno para sujeito-autor estabelecendo uma relação entre o sujeito-aluno e a oralidade, dentro e fora da escola, porque isso repercute socialmente, em sua prática de cidadania.


Palavras-chave


leitura; autoria; dominação

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.