O CINEMA COMO LUGAR DA LITERATURA: A QUESTÃO DAS REFRAÇÕES DE PERSUASÃO DE JANE AUSTEN

Debora Cristina de Almeida

Resumo


O presente trabalho propõe uma leitura comparativa do processo de adaptação do romance Persuasão (1818), da romancista inglesa Jane Austen (1775-1817), para suas duas versões cinematográficas produzidas pela BBC (1995 e 2007), abordando as implicações do diálogo intersemiótico entre a narrativa verbal do romance e a narrativa cinematográfica, bem como as motivações, seleções e ressignificações peculiares de cada versão. O objetivo é promover a discussão sobre a questão das refrações, características do sistema de mecenato, considerando como suporte teórico-metodológico os apontamentos de Lefevere (2007) a respeito dos elementos constituintes desse sistema: os componentes ideológico, econômico e de status. Articulando-se a teoria das refrações de Lefevere (ibid) com os preceitos de Stam (2008) e Hutcheon (2013) a respeito da natureza criativo-interpretativa do processo de apropriação e transposição intertextual que é a adaptação, analisar-se-ão as operações de seleção, ampliação e concretização pelas quais passa o texto-fonte, no que concerne a modificações, descartes, transcodificações e suplementações feitas pelos adaptadores quando da passagem do texto literário para o filme, bem como os efeitos de sentido imbricados em cada um dos processos adaptativos.

Palavras-chave


adaptação; cinema; refrações; Lefevere; Hutcheon

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTEN, J. Razão e Sensibilidade; Orgulho e Preconceito; Persuasão / Jane Austen. Tradução e notas Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martin Claret, 2015.

HUTCHEON, L. A theory of adaptation. London: Routledge, 2006.

_____. Uma teoria da adaptação. Tradução de André Cechinel. Florianópolis, 2013.

LEFEVERE, A. Mother’s courage cucumbers: Text, System and Refraction. Modern Language Studies. Vol. 12. no. 4, 1982, pp. 3-20.

______. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Bauru: Edusc, 2007. [1992]

PARRILL, S. Jane Austen on Film and Television: A Critical Study of the Adaptations. London: McFarland & Company, 2002. E-Book. ISBN 0-7864-1349-2. Disponível em: https://www.amazon.com.br/Jane-Austen-Film-Television-Adaptations-ebook/dp/B00AB3ISXM. Download em: 18/11/2016.

STAM, R. A literatura através do cinema – Realismo, Magia e a Arte da Adaptação. Tradução de Marie-Anne Kremer. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

SUTHERLAND, K. Jane Austen on screen. The Cambridge companion to Jane Austen. 2. ed. atual. Cambridge, E-Book. ISBN

TROTSKI, L.

VASCONCELOS, S. G. T. Literature and Cinema: Images of femininity in Pride and Prejudice. Working Papers on British Studies. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001, vol. 5

______. A Formação do Romance Inglês. Ensaios Teóricos. São Paulo: Hucitec/FAPESP, 2007.

______. O romance como gênero planetário: a cultura do romance. Novos estud. - CEBRAP [online]. 2010, n.86, pp. 187-195. ISSN 0101-3300. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002010000100011

WOOLF. V. Jane Austen. O Leitor Comum. Tradução de Luciana Viégas. Rio de Janeiro: Graphia, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ). 

____________________________________________________________

Policromias está indexada nas seguintes bases de dados:

  

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.