DA HISTORICIDADE DOS SUFIXOS FORMADORES DE NOMES DE PROFISSÕES: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

Michel Marques de Faria, Vanise Gomes de Medeiros

Resumo


Em nosso trabalho, inscrito no campo da formação de palavras com ancoragem teórica em História das Ideias Linguísticas (HIL) no encontro com a Análise de Discurso (AD) de Linha Francesa (Pêcheux; Orlandi), propomos refletir sobre a historicidade dos sufixos -eiro e –ista, no que tange ao processo de formação de palavras para nomes de profissões. Assim, verificaremos como comparecem os discursos acerca destes sufixos em seis gramáticas do século XX e XXI, de forma que seja possível capturar e compreender não apenas suas regularidades como também suas irregularidades que ocorrem durante o processo de nomear uma profissão. Para isso, consideraremos que há um imaginário, já sedimentado, nos manuais gramaticais e em nossa cultura, de que enquanto o sufixo –ista é relativo às profissões de maior prestígio social (por ex. dermatologista, jornalista), ao passo que o sufixo –eiro forma as profissões desfavorecidas de um prestígio e, muitas vezes, marginalizadas (por ex. borracheiro, carpinteiro). Nas gramáticas selecionadas (cf. texto), nos propomos refletir sobre as posições e tensões no processo de formação de nomes de profissões por esses dois sufixos.


Palavras-chave


formação de palavras, morfologia, história das ideias linguísticas; análise do Discurso

Texto completo:

PDF

Referências


ALI, Said,. Gramática histórica da língua portuguêsa. São Paulo: Melhoramentos, 1964.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, São Paulo: Unicamp, 2014.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2009.

CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999

XXXXX, 2012.

GADET, Françoise & PÊCHEUX, Michel. A língua inatingível : o discurso na história da linguística. 2ª ed. Campinas: Editora RG, 2010.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva. Versão 3.0 [CD-ROM]. 2009.

JUCA FILHO, Cândido. Gramatica historica do portugues contemporaneo. Rio de Janeiro: Epasa, 1945.

LIMA, Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa. 52ª ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 2014.

MARTINS, Jaime de Sousa. Elementos de gramatica historica. 2.ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1937.

NUNES, José Horta. Uma articulação da análise de discurso com a história das idéias linguísticas. Revista Letras Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Artes e Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras, (orgs) Amanda Eloína Scherer e Verli Preti, no. 37, jan/jun, Santa Maria, 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11982/7396 Acesso em: 18 dez. 2017.

ORLANDI, Eni. Terra à vista. SP : Cortez, Campinas: ed. ad Unicamp, 2008.

______. Língua e conhecimento linguístico : para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 2013a.

______. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos, SP Campinas: Pontes, 2013b.

SILVA NETO, Serafim da. Manual de gramatica historica portuguesa. São Paulo: Ed. Nacional, 1942.

VECHIA, Ariclê & LORENZ, Karlz Michael (Orgs.). Programa de ensino da escola secundária brasileira : 1850 – 1951. Curitiba, Ed do Autor, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.