DESLOCAMENTO LINGUÍSTICO NA HISTÓRIA DO PORTUGUÊS DO BRASIL: O PROCESSO DE TRANSMISSÃO LINGUÍSTICA IRREGULAR NA CABANAGEM

Welton Diego Lavareda

Resumo


O presente artigo objetiva analisar como o dispositivo colonial agiu sobre as manifestações linguísticas das populações de origem africana no período da Cabanagem na Província do Grão-Pará, para fortalecer a instauração de um patrimônio linguístico europeu na Amazônia brasileira. O processo de teorização dos conceitos ocorrerá por meio de um diálogo entre Salles (2005; 2015), Foucault (2010a; 2010b) e Lucchesi (2015) na busca de desmembrar gestos de leitura que tornem mais plural o olhar sobre o projeto lusitano de organização da língua portuguesa como manifestação linguística oficial do país. Assim, a partir de fontes disponíveis no Arquivo Público do Pará e no Foreing Office (de Londres), este trabalho também repensa as estratégias de gerenciamento linguístico como um dos fundamentos para se discutir as tensões discursivas que atravessam os deslocamentos linguísticos na história do português do Brasil. Para que possamos tentar atribuir uma perspectiva patrimonial mais ampla das relações de poder e de forças simbólicas constituintes do nosso idioma.


Palavras-chave


Negro. Cabanagem. Dispositivo. Análise do Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, Marcos. Dicionário crítico de sociolinguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

BRANCO, Guilherme Castelo. Govermentalidade, política, resistências ao poder. In: RESENDE, Haroldo de (org.). Michel Foucault – política: pensamento e ação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. p.11- 121.

CALDEIRA, Jorge. História da riqueza do Brasil – cinco séculos de pessoas, costumes e governos. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2017.

CLEARY, David. Cabanagem – documentos ingleses. Belém: SECULT/IOE, 2002.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010a.

________. A hermenêutica da sujeito – curso dado no Collège de France (1981-1982). São Paulo: Editora Wmf Martins fontes, 2010b. pp. 221-241.

________. A função política do intelectual. In: MOTTA, Manoel Barros da (org.). Ditos e escritos arte, epistemologia, filosofia e história da medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011. p. 264-287.

________. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

________. Vigiar e punir. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pêcheux na análise do discurso – diálogos e duelos. São Carlos: Editora Claraluz, 2006.

________. Michel Foucault: uma teoria crítica que entrelaça o discurso, a verdade e a subjetividade. In: FERREIRA, Ruberval; RAJAGOPALAN, Kanavillil (orgs.). Um mapa da crítica nos estudos da linguagem e do discurso. Campinas, São Paulo: Pontes Editores/Unicamp, 2016. p.115- 142

HURLEY, Henrique Jorge. Traços cabanos. Belém: Off. Gráficas do Instituto Lauro Sodré, 1936.

LUCCHESI, Dante. Língua e sociedade partidas – a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

MIGNOLO, Walter. Projetos locais/projetos globais – colonialidade, saberes subalternos e pensamento limiar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MUSSA, A. O papel das línguas africanas na história do português do Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ (dissertação de mestrado), 1991.

NEVES, Ivânia. A Invenção do índio e as narrativas orais tupí. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp, 2009.

________. EtniCidades: os 400 anos de Belém e a presença indígena. In: Revista Moara. Edição 43, jan-jul,2015. p.26-44.

RICCI, Magda. Passos imperiais e (des)compassos cabanos: Belém e sua “índole” – 1800-1840. In: LACERDA, Francinete; SARGES; Maria (org.). Belém do Pará: história, cultura e cidade – para além dos 400 anos. Belém: Açaí, 2016. p.205-227.

________. Do sentido aos significados da Cabanagem: percursos historiográficos. In: Anais do Arquivo Público do Pará – Belém: Secretaria de cultura/Arquivo público. 2001. V. 04, pp. 241-274.

RICCI, Magda; LIMA, Luciano. Letrados na Amazônia Imperial e saberes das populações analfabetas durante a Revolução Cabana (1835-1840). Revista Brasileira de Educação. V.20, n.63, out-dez, 2015.

SALLES, Vicente. O negro no Pará – sob o regime da escravidão. Belém: IAP, Programa Raízes, 2005.

________. O negro na formação da sociedade paraense. Belém: Paka-Tatu, 2015.

SILVA, Rosa Virgínia Mattos e. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola editorial, 2004.

TAYLOR, Dianna. Práticas de si. In: TAYLOR, Dianna (org.) Michel Foucault – conceitos fundamentais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018. p.221-237.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.