Entrando pela porta da frente da Casa Sem Fim: creepypastas como forma de hibridismo textual na cibercultura

Laís Rodrigues Brum, Patrícia Kayser Vargas Mangan

Resumo


Tendo em vista a crescente atividade literária no ciberespaço, o presente trabalho tem como objetivo analisar o caráter multimodal e o hibridismo de gênero existentes nas creepypastas. Realizamos, então, uma análise utilizando como objeto de estudo Casa sem fim, creepypasta de autor desconhecido, para fomentar as pesquisas bibliográficas realizadas acerca das creepypastas e dos gêneros e ambientes que a circundam. Por fim, discutimos, também, a questão da autoria e coprodução nesse tipo de escrita e apresentamos os enlaces que explicitam o hibridismo textual.


Palavras-chave


Ciberliteratura; Coprodução textual; Creepypasta; Hibridismo textual

Texto completo:

PDF

Referências


A CASA SEM FIM: parte 4 final. Brasil: Sigma Terror, 2018. 1 vídeo (39 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZsMynd1IzaU&t=1s. Acesso em: 25 maio 2019.

ANTUNES, I. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola, 2010.

BRANDÃO, H. Gêneros do discurso na escola: mito, conto, cordel, discurso político, divulgação científica. São Paulo: Cortez, 2000.

CONGRESSO INTERNACIONAL DE COMUNICAÇÃO E CONSUMO, 2015, Sãos Paulo, SP. Horror e diferentes níveis de atenção em contos de creepypasta. São Paulo: ESPM, 2015.

CREEPYPASTA: a casa sem fim. Brasil: AmbuPlay, 2013. 1 vídeo (32 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=uakIYgWq5_o. Acesso em: 25 maio 2019.

FADUL, T. Contos obscuros, histórias de terror do Facebook: literatura de menos. Dissertação (Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, Brasília, 2017. Disponível: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/31440/1/2017_TelmoMediciSillosFadul.pdf. Acesso em: 26 maio 2019.

FIORIN, J.; SAVIOLI, F. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2003.

FREITAS, C.; AMARO, M. Slender Man: creepypasta, mimese e realidade. Temática. v. 12, n. 01 (2016) janeiro.

KING, S. Tudo é eventual. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

KOBS, V. Cibertextos e hipertextos: a literatura na era digital. Cadernos de Letras UFF, Niterói, v. 27, n. 54, p. 153-170, jan.-jun. 2017.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MAIA, A.; ESCALANTE, P. Slender Man, “Meu Amigo de Fé e Irmão Camarada” (#SQN). In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 37., 2014, Foz do Iguaçu, PR. Anais… São Paulo: Intercom, 2014. Disponível em: http://www.intercom.org.br/sis/2014/resumos/R9-0591-1.pdf. Acesso em: 11 jun. 2019.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. (org). Livro Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010b. p. 19-38.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. São Paulo: Cortez, 2010a.

Medo B. A Casa sem fim 2 - Maggie. Medo B. Brasil: 31 out. 2014. Disponível em: http://medob.blogspot.com/2014/10/a-casa-sem-fim-2-maggie.html. Acesso em: 24 mai. 2019.

MEDO B. Casa sem fim. Medo B. Brasil: 18 jun. 2012. Disponível em: http://medob.blogspot.com/2012/06/casa-sem-fim.html. Acesso em: 07 abr. 2019.

PAGANO, A. Gêneros Híbridos. In: MAGALHÃES, C. Reflexões sobre análise crítica do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, UFMG, 2001. p. 83-120.

PINHEIRO, P. Gêneros (digitais) em foco: por uma discussão sóciohistórica. Alfa: revista de linguística. São Paulo: v.54, n.1, 2010.

PRIETO, L.; PRADO, M. Reprodutibilidade e convergências no ciberespaço: a circulação de obras literárias em adaptações televisivas. Acta Scientiarum. Maringá, v. 36, n. 1, p. 103-110, Jan.-Mar., 2014.

PRIMO, A. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E-Compós, v. 9, 11. 2007.

RECUERO, R. Comunidades Virtuais em Redes Sociais na Internet: uma proposta de estudo. E-Compós, Internet, v. 4, 2005. Disponível em: http://www.ufrgs.br/limc/PDFs/com_virtuais.pdf. Acesso em: 21.04.2019

RECUERO, R.; PRIMO, A. Hipertexto cooperativo: uma análise da escrita coletiva a partir dos blogs e da Wikipédia. Revista FAMECOS. Porto Alegre: v. 10, n. 22, dezembro. 2003.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RENARD, J. Um gênero comunicacional: os boatos e as lendas urbanas. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, 2007.

RIBEIRO, B. Peter Terry e a casa sem fim. Jacutinga: 101 Seleções, 2017.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SARDINHA, T. O contexto da tecnologia digital e os gêneros textuais emergentes. Cadernos do CNLF, v. 15, n. 5, t. 3. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2011.

SOUZA, R. A estética do mashup. 2009. 108 f. Dissertação (Mestrado em Mídias Digitais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18228. Acesso em: 25.05.2019.

STALLONI, Y. Os gêneros literários. Rio de Janeiro: DIFEL, 2007.

STARK800480. História Face Your Fears. Spirit: Fanfics e histórias. Brasil: 17 out. 2015. [Spirit Fanfics e Histórias é uma plataforma para autopublicação de Livros]. Disponível em: https://www.spiritfanfiction.com/historia/face-your-fears-3891422. Acesso em: 25 mai. 2019.

TREIN, D. Projetos de aprendizagem baseados em problema no contexto da web 2.0: possibilidades para a prática pedagógica. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 4, n. 2, jun. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.