Línguas indígenas: memória, arquivo e oralidade

Tania Conceição Clemente de Souza

Resumo


Pensamos, aqui, discutir que, diferentemente de nossa sociedade, nas sociedades de oralidade, o domínio é do oral, e este deve ser analisado na sua própria materialidade e não a partir da sua visibilidade em línguas de escrita. Sob este enfoque, é possível se falar da constituição de um tipo de memória, que é feita por uma forma de inscrição que permite ao mesmo tempo preservar a história do grupo e compreender o que é oralidade. Trata-se de se pensar a oralidade, como produto da história (quando não houve a passagem para a escrita) e como lugar só- cio-histórico de produção de sentidos, enfim como prática social de uma linguagem com uma materialidade específica, a oralidade. Além disso, chamamos a atenção para o fato de que a inscrição da memória se traduz nas diferentes formas de escritura que, sem se opor à oralidade, constituem e definem a própria oralidade e constituem o arquivo nas sociedades onde predomina a oralidade.

Palavras-chave


Oralidade; Formas de escritura; Arquivo

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

         

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.