As agruras do cyberbullying: memória e discurso

Suzana de Souza Klas, Vania Maria Lescano Guerra

Resumo


Este trabalho problematiza o uso das novas tecnologias digitais, tomadas como práticas discursivas entre sujeitos, especialmente no que tange ao Sexting, que consiste no envio de mensagens (texto ou imagem) com conteúdo sexual. Por se dar em um ambiente virtual e se tratar de uma temática nova, essa prática constitui importante fonte de pesquisa no tocante ao estudo das relações sociais. Para isso, contamos com as contribuições de teóricos da Linguística Aplicada (TAKAKI, 2012; MENEZES DE SOUZA, 2011), numa visada discursiva que recorre ao suporte metodológico dos estudos de Foucault (2014), no que concerne à problematização das regras, dos contextos nos quais os discursos são produzidos e interpretados. A partir da análise de um vídeo disponível na internet, deixado pela adolescente canadense Amanda Todd, procuramos demonstrar que o uso das novas tecnologias surge como prática facilitadora da exposição do sujeito e das manifestações agressivas (bullying e cyberbullying), que perpassam as questões culturais e de sexualidade; e que, muitas vezes, acarretam graves consequências.

Palavras-chave


Discurso; Tecnologia; Bullying; Linguagem

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.