“Lugar sonoro” como referencial metodológico: uma proposta conceitual para a análise de filmes históricos

Daniel Dória

Resumo


Assumindo a premissa de que parte significativa da consciência histórica do presente é modelada a partir a experiência cinematográfica, tomamos por base a proposta de William Guynn (2006) de que podemos pensar os filmes sobre recortes históricos enquanto “lugares de memória” e a de Natalie Zemon Davis (1986) de que a identificação do público para com um filme se daria pautada sobre uma impressão de autenticidade em lugar da fidedignidade factual propriamente dita. No entanto, atentando especificamente para a trilha sonora e o design de som desses filmes, propomos a ideia do “lugar sonoro”, historicamente localizável e reconhecido, por vezes não necessariamente correspondente à verdade cientificamente conhecida, mas que corresponde à ideia que se tem socialmente acerca do objeto, enquanto alternativa conceitual para esse tipo de objeto.


Palavras-chave


Soundscape. Lugar de memória. Território. Autenticidade. Lugar sonoro.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.47146/rbm.v33i1.33466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE MÚSICA ©2020 ISSN 0103-7595
Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ (PPGM-UFRJ)
Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21° Andar
Rio de Janeiro, RJ, Brasil – CEP 20031-370
E-mail: revista@musica.ufrj.br
Powered by: OJS