Os diálogos dos personagens como geradores da violência: estudo sobre filmes brasileiros

Débora Opolski

Resumo


Este artigo apresenta uma reflexão sobre os diálogos dos personagens nos filmes brasileiros de ficção comercial produzidos após Cidade de Deus (2002), que possuem narrativas versando sobre organizações criminosas e tráfico de drogas. De modo geral, são filmes que possuem a palavra falada como elemento principal da narrativa. Os diálogos dos personagens deste conjunto de filmes possuem características singulares na forma da fala, que os diferenciam de outras produções. Essas características são as principais geradoras da violência, explícita e implícita. Utilizando exemplos, pretendemos demonstrar que estes filmes são estruturados na palavra falada, utilizam a palavra como um ato de fala e a transformam em símbolos que representam a violência através da linguagem diferenciada, da verborragia cômica, da hipermasculinidade ressaltada e do uso de obscenidades e palavras de baixo calão.


Palavras-chave


Diálogo cinematográfico. Violência. Som do filme.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.47146/rbm.v33i1.33620

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE MÚSICA ©2020 ISSN 0103-7595
Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ (PPGM-UFRJ)
Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21° Andar
Rio de Janeiro, RJ, Brasil – CEP 20031-370
E-mail: revista@musica.ufrj.br
Powered by: OJS