Canções desviantes: momento musical e utopia no cinema queer contemporâneo

Luiz Fernando Wlian

Resumo


Músicas são potências afetivas. Quando inseridas em filmes narrativos, são capazes de mover a narrativa para outra dimensão, bem como promover novas formas de engajamento do espectador. Assim, podemos pensar em músicas como forças disruptivas, que emergem da narrativa e produzem um reino de novas possibilidades. Nesse sentido, como podemos observar essa ruptura como uma possível fonte de potências dissidentes? De que formas esses momentos podem dar vazão a formas de afeto “outras”, ou a formas de afeto queer? Baseado principalmente nos conceitos de “afetivo-performativo” em Elena Del Río (2008), “momento musical” em Amy Herzog (2010), e “utopia” em Richard Dyer (2002) e José Muñoz (2009), debruço-me sobre momentos musicais do cinema queer contemporâneo, observando o modo como este cinema se utiliza da música para construir sua tessitura queer.


Palavras-chave


Filme musical. Cinema contemporâneo. Queer. Afeto. Utopia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.47146/rbm.v33i1.33627

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE MÚSICA ©2020 ISSN 0103-7595
Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ (PPGM-UFRJ)
Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21° Andar
Rio de Janeiro, RJ, Brasil – CEP 20031-370
E-mail: revista@musica.ufrj.br
Powered by: OJS