O comportamento do termo conhecimento na Ciência da Informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47681/rca.v8i1.58126

Palavras-chave:

Conhecimento, Comportamento, Termo, Ciência da Informação,

Resumo

O conceito de conhecimento perpassa por uma sequência de etapas que vão desde os dados brutos, informações pré-processadas e diretrizes de transformação. O termo conhecimento, enquanto elemento que constitui a tríade juntamente com dado e informação, também estudados na Ciência da Informação, pode apresentar característica generalista ao ser analisado em um contexto isolado quando extraídos de um corpus. Desta maneira, o problema da pesquisa se apresenta: de que maneira tem se apresentado o comportamento do termo conhecimento na Ciência da Informação? Buscou-se identificar e discutir o comportamento do termo conhecimento em publicações da área da Ciência da Informação. A metodologia da pesquisa foi dividida entre o referencial teórico, construído a partir de artigos científicos e livros publicados na área do conhecimento estudada, e a pesquisa empírica, realizada por meio da construção de algoritmos utilizando a linguagem de programação Python, que permitiu extrair a frequência de termos de 2.448 documentos científicos publicados entre os anos de 2012 a 2018. Enquanto resultado, o termo conhecimento, em sua forma raiz, tem apresentado comportamento do tipo contínuo com característica regular ao longo do período analisado. Entretanto, os termos de composição constituídos a partir do termo conhecimento, que somados atingem 34,74%, apresentam diferentes comportamentos, dentre eles termos como sociedade_conhecimento e base_conhecimento, que são considerados em desuso, e organização_conhecimento e gestão_conhecimento, considerados em ascensão junto ao domínio de linguagem durante o período analisado.

Biografia do Autor

Marcos de Souza, Universidade Federal da Bahia

Possui Pós-Graduação Stricto Sensu – nível doutorado em Gestão e Organização do Conhecimento, na linha de pesquisa de Gestão & Tecnologia da Informação, pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2016-2020).


Pós-Graduação Stricto Sensu – nível mestrado em Cognição e Linguagem, na linha de pesquisa em Educação, Comunicação e Novas Tecnologias da Informação, pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF (2011-2013).

Pós-Graduação Lato Sensu em Informática na Educação pelo Instituto Federal do Espírito Santo – IFES (2011-2012).

Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário São Camilo – Espírito Santo – CeUSC (2010-2011).

Pós-Graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Aplicações para Web pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora – CESJF (2005-2006).

Graduação Bacharelado em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário São Camilo – Espírito Santo – CeUSC (2001-2004).

Fernanda Gomes Almeida, Universidade Federal de Minas Gerais

Bibliotecária na Biblioteca Universitária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);

Doutorado em Gestão e Organização do Conhecimento pela UFMG (2015-2019);

Mestrado em Ciência da Informação pela UFMG (2012-2014);

Graduação em Biblioteconomia pela UFMG (2002-2005).

Referências

ALMEIDA, M. B. Roteiro para construção de uma ontologia bibliográfica através de ferramenta automatizada. Perspectivas em ciência da informação, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 164-179, 2003.

BOISOT, M. Competitive advantage in the information economy. Oxford; New York: Oxford University Press, 1988.

DAVENPORT, T. E. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

FELIX, W. Introdução à Gestão da Informação. Campinas: Alínea, 2003.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LE COADIC, Y.F. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos, 1996.

MCKINNEY, W. Python para análise de dados: tratamento de dados com pandas, numpy e ipython. São Paulo: Novatec, 2018.

NHACUONGUE, J. A.; FERNEDA, E. O campo da ciência da informação: contribuições, desafios e perspectivas. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 3-18, 2015.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram dinâmica de inovação. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

O'BRIEN, J. A. Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da internet. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

PASCHOALIN, M. A.; SPADOTO, N. T. Gramática: teoria e exercícios. São Paulo: FTD, 1996.

REZENDE, D. A. Sistemas de Informações Organizacionais: Guia prático para projetos em cursos de Administração Contabilidade Informática. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

RIO-TORTO, G. M. Mecanismos de produção lexical no português europeu. Alfa, v.42, n.esp, p. 15-32, 1998. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/issue/view/298. Acesso em: 01 nov. 2021.

SARACEVIC, T. Ciência da Informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação. Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, 1996.

SETZER, V. Dado, informação, conhecimento e competência. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, n. 0, dez. p. 1-14, 1999. Disponível em: https://www.ime.usp.br/~vwsetzer/datagrama.html. Acesso em: 01 nov. 2021.

SIRIHAL, A. B.; LOURENÇO, C. A. Informação e conhecimento: aspectos filosóficos e informacionais. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 1, n. 12, p. 1–15, 2002.

SOUZA, M. O comportamento de termos da Ciência da Informação por meio da modelagem de tópicos. 2020. 404 f. Tese (Doutorado em Gestão e Organização do Conhecimento) – Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento, Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/34292. Acesso em: 28 dez. 2021.

SOUZA, M.; ALMEIDA, F. G. O comportamento do termo dado na ciência da informação. Ciência da Informação em Revista. Maceió, v. 8, n. 2, p. 39-54, 2021a. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/11764/. Acesso em: 2 jan. 2022.

SOUZA, M.; ALMEIDA, F. G. O comportamento do termo informação na ciência da informação. Ciência da Informação em Revista, Maceió, v. 9, n. 2, p. 37-52, 2021b. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/12065/. Acesso em: 18 fev. 2022.

SOUZA, R. R.; ALMEIDA, M. B. Representação do conhecimento: identidade ou esvaziamento da Ciência da informação? In: ENCONTRO IBÉRICO EDIBCIC, 4., 2009, Coimbra. Anais [...]. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2009. p. 157-165

SUKKARIEH, J. Z.; PULMAN, S. G.; RAIKES, N. Auto-marking: using computational linguistics to score short, free text responses. In: ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR EDUCATIONAL ASSESSMENT, 29., 2003, Manchester. Proceedings[…]. [S.l.]: IAEA, 2003. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.108.7417&rep=rep1&type=pdf. Acesso em: 01 nov. 2021.

WERSIG, G. Information science: the study of postmodern knowledge usage. Information Processing & Management, Amsterdam, v. 29, n. 2, p. 229-239, 1993.

Publicado

2023-07-31

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa